Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemA definição de rock n roll segundo quem melhor entende do assunto: Mick Jagger

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975

imagem"Eu não tinha ideia de quão grande o Maiden iria ficar", diz Bruce Dickinson

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon


Stamp

Sauna Open Air: Fotos e comentários sobre o festival finlandês

Resenha - Sauna Open Air (Tampere, Finlândia, 06 a 08/06/2008)

Por Petri da Costa
Em 15/07/08

A quinta edição do Sauna Open Air foi, como era de se esperar, um grande sucesso. Se o Sauna Open Air desse ano tivesse algum tema ele seria nostalgia, já que muitas das bandas principais desse ano começaram a carreira ou nos anos 70 ou nos 80. E dessa vez os organizadores fizeram uma pequena mudança de dias, começando o festival sexta-feira e terminando domingo, ao contrário dos anos anteriores quando começava quinta-feira e terminava no sábado.

Fotos: Petri da Costa

Sexta-Feira (06.06)

Os portões abriram às 14h e já às 14.30h no palco secundário o Widescreen Mode abria o festival. Porém havia poucos presentes e a banda teve um set list curto de 30min. Logo em seguida no palco principal tocava a primeira atração internacional, o Airbourne. Do começo empolgante com "Stand Up For Rock ’n’ Roll" ao fim energético com "Runnin Wild" os australianos do Airbourne simplesmente arrebentaram o começo do festival. O louco vocalista/guitarrista Joel O´Keeffe ainda subiu num dos postes de luz do palco e ficou pendurado lá em cima solando! E nas palavras de Joel O’Keeffe: "Rock’n’Roll will never die!", o que ficou claro depois deste bombástico show.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

No palco secundário tocava o Rytmihäiriö, um dos nomes mais conhecidos do underground finlândes. O metal/punk/hc da banda abriu um pequeno mosh pit durante o show, e apesar de não haver muitos os assistindo, o grupo foi bem e os fãs sempre cantavam junto com a banda. De volta ao placo principal, o Eläkeläiset jogava um balde de água fria nos ânimos do público. A banda, que canta em finândes e toca um estilo musical tradicional finlândes chamado "humppa" (algo como o folk) com pop, não foi bem e 1h de show pareceu uma eternidade. Ainda bem que logo depois deles veio o Kiuas no placo secundário. O grupo executou de forma perfeita seu metal melódico e técnico, sempre cativando o público especialmente com o ’hit’ da banda "Warrior Soul".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Já era o fim da tarde e era hora de uma das bandas mais esperadas do dia: Testament. O novo álbum "The Formation of Damnation" tem recebido boas resenhas pela Europa e a banda parece estar voltando a ter mais reconhecimento. Chuck Billy foi ovacionado ao entrar no palco e de cara mandaram "Over the Wall" que deixou os fãs simplesmente loucos, e o mosh não parou com "Into the Pit" e "Apocalyptic City". Do novo álbum foram tocadas "More Than Meets The Eyes", onde Chuck pediu pro público fazer um wall of death e "Henchman Ride". Claro que não ficaram de fora clássicos como "Practise What You Preach", "Souls Of Black", "Alone In The Dark" e outros. Um grande show cheio de peso, força e o carisma de Chuck Billy.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A última banda do palco secundário foi o Diablo que começou o show mesmo com o Testament ainda tocando. Divulgando o novo álbum "Icarus", o Diablo atraiu muitos durante o show e mostrou que é uma das bandas que mais cresce aqui. Destaque para as músicas "Damien" e "Read My Scars". Chegava então a hora do Children of Bodom fechar o primeiro dia. A banda que no momento passa por um grande sucesso tanto aqui na Finlândia como em muitos outros países foi mais uma vez competente ao vivo. O público já gritava o nome da banda e começaram com "Sixpounder" e de cara Alexi Laiho e cia. já tinham o público nas mãos. No set list da banda, músicas mais novas como "In Your Face", "Blooddrunk", "Tie My Rope" e outras mais ’antigas’ como "Needled 24/7", "Angels Don’t Kill" e "Hate Me!" deixaram o público feliz. O porém do show foi talvez a sensação de repetição que tive, a banda toca algumas músicas já esperadas, deixando algumas músicas excelentes do "Hatebreeder" e especialmente do "Something Wild" de fora. Depois de fogos e outros efeitos pirotécnicos, a banda fechou com "Downfall".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Sábado (07.06)

O dia começava um pouco mais cedo e com grandes filas para entrar no festival. Mesmo com poucos presentes, o Iiwanajulma no palco secundário deu conta do recado de começar o segundo dia, mesmo que muitos que entravam na área do festival iam correndo pro palco principal aguardar um dos nomes mais respeitados e queridos da cena metálica finlandesa dos anos 80: os thrashers do Stone. A banda parou as atividades no comeco dos anos 90 e recentemente voltou a fazer alguns shows esse ano. Para muitos 1h de show foi pouco, mas foi suficiente para mostrar como os caras ainda têm muita lenha pra queimar. O legal foi ver Alexi Laiho (Children of Bodom), que é um grande fã da banda, num canto do palco agitando durante todo o show deles. Fecharam o massacre sonoro com duas favoritas dos fãs, "Get Stoned" e "No Commands".

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Voltando ao palco secundário os moleques do Tracedawn deixaram muitos de boca aberta quando viram esses jovens tocando um som técnico, pesado e melódico. Por mais que parecessem durante o decorrer do show um tanto nervosos, eles conseguiram. É uma banda que tem futuro e que tem conseguido atencão tanto da mídia quanto do público. Meio da tarde e o Sonata Arctica tocava no palco principal. Agora uma pergunta: por que colocar o Sonata Arctica pela segunda vez seguida nesse festival? Por acaso não há outras bandas, sejam finlandesas ou internacionais, que poderiam estar no lugar deles? Realmente não da pra entender o critério para os chamar, já que esse show foi um repeteco do ano passado com banda divulgando ainda o "Unia".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Logo em seguida foi a vez do Moonmadness. A banda, que recentemente lançou seu debut "All In Between", ainda não é tão conhecida mas o som deles, um hard rock bem anos 80, caiu bem no gosto do público. Destaque para a carismática vocalista Heidi Bergbacka. Já ao fim do Moonmadness a galera começou a se espremer para conseguir um bom lugar perto do palco principal para ver um dos nomes mais esperados do festival: Sebastian Bach. O ex-vocalista do Skid Row demonstrou um grande carisma e uma ótima performance durante todo o show, contando com apoio de uma excelente banda. A abertura do show foi com a "Back on the Saddle" do último álbum e pra matar de vez os fãs de Skid Row eles tocaram em seguida "Slave To The Grind". O resto do set list foi uma mescla de músicas do álbum "Angel Down", como "Stuck Inside", "American Metalhead", "(Love Is) A Bitchslap" e "By Your Side", e obviamente clássicos do Skid Row: "Youth Gone Wild", "18 And Life", "Monkey Business" e "I Remember You". Para fechar o show eles tocaram a nova "Angel Down" e Sebastian gritou "I love you Finland" para a felicidade de todo o público.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Depois de um eletrizante show, o público foi correndo para o palco secundário para conferir o Mokoma. Os finlandeses continuam sendo uma das bandas favoritas do grande público e a resposta que eles tiveram durante todo show foi excelente, apesar de ter sido um show regular. Para fechar o segundia dia do Sauna Open Air, os veteranos do Scorpions atrairam o maior público de todos os dias. O show começou com "The Game of Life" e daí em diante foram só clássicos da banda como "Coming Home", "Bad Boys Running Wild", "The Zoo", "Holiday" e outras. Um fato curioso foi ver Sebastian Bach com alguns membros da sua banda e roadies assistindo todo o show do Scorpions sentados na frente da grade de protecão entre o público e o placo principal. O cara não parava de cantar junto ou tocar air guitar e até air drum! Desnecessário comentar sobre a performance da banda; quem já viu esses veteranos sabe que eles sempre são carismáticos e extremamente empolgantes ao vivo. Depois de um solo de bateria com direito a percursão com ajuda de todos os membros da banda (lembrou até o Sepultura tocando "Kaiowas"), a banda voltou com a maratona de clássicos, "Big City Nights", "Blackout", "Send Me An Angel" e as mais esperadas: "Still Loving You" e "Rock You Like A Hurricane" para terminar um grande show.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Domingo (08.06)

Último dia, todo mundo parecia ou cansado ou sofrendo de ressaca depois de 2 dias de festival. Mesmo assim o público foi grande. A banda que começou o dia foi o Stam1na no palco principal e pela terceira vez consecutiva eles tocavam no Sauna Open Air. Por mais que a banda seja competente e querida pelos fãs, 3 vezes é muito e seria muito mais interessante dar chance a outras bandas locais que não são figuras carimbas desse ou de outros festivais.

Veio em seguida no palco secundário o When The Empirre Falls, que recentemente lançou seu debut. A banda cativou os poucos presentes com seu power metal melódico durante 1h de show, mas pro final do show a galera já ia indo de volta pro palco principal. E quem atraiu muitos fãs e curiosos foram dois veteranos: Joe Lynn Turner e Graham Bonnet. O show foi dividido em 3 partes, sendo que Graham Bonnet comecaria sozinho e depois seria a vez de Joe Lynn Turner, e no fim, os dois juntos. Tava na cara que o público, em grande maioria os saudosistas, queriam só músicas do Rainbow e todos ficaram felizes com "Stargazer" e "Since You´ve Been Gone". Graham Bonnet parecia se esgoelar quando cantava as notas mais altas, mas isso não parecia incomodar os fãs. Depois veio o simpático Joe Lynn Turner que cantou músicas como "I Surrender", "Spotlight Kid", "Can´t Happen Here" e uma que pegou muitos de surpresa: "Perfect Strangers" do Deep Purple. Pro final, os dois vocalistas no palco cantaram "Long Live Rock’n’Roll", que Joe Lynn Turner dedicou a Dio.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Continuando com o último dia, vieram os finlandeses do Kypck, que na verdade cantam em russo(!). Foi no mínimo interessante os ver ao vivo. Chamava a atenção como estavam vestidos e a guitarra em forma de metralhadora do guitarrista. O som dos caras é um doom pesado, mas senti que soaria melhor num clube, e 1h de show também foi um pouco demais. O destaque ficou para o cover de "Black Sabbath", onde o vocalista cantava em russo e algumas partes em inglês. Vieram no palco principal o Amorphis, que agradou em cheio o público, que não se importou com a chuva forte que começou a cair durante o show deles. Dentre as músicas do set list, as que mais chamaram mais atenção foram "Against Widows" e "Into Hiding".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Quase fim do festival e o Masterstroke tocava no palco secundário. A banda foi chamada pro festival de última hora e muitos não pareciam interessados em os ver, preferindo ficar na área do bar ou esperando a última banda do dia. Mesmo assim os rapazes do Masterstroke mandaram bem. O Whitesnake teve a tarefa de fechar o dia e o festival, e estava na cara que mais da metade do público ali presente veio só por eles. O show começou com a nova "Best Years" e logo em seguida a clássica "Fool For Your Loving". David Coverdale não parava de agradecer e elogiar o público, que também não parava de gritar o nome da banda. O vocalista estava extremamente bem humorado e mostrou que seu gogó continua em excelente forma. O show ainda teve "Love Ain't No Stranger", "Give Me All Your Love", "Is This Love", "Ain´t No Love in the Heart of the City", solos (desnecessários) de bateria e guitarra. No meio do público havia membros das bandas que tocaram no dia e até alguns do Stratovarius prestigiando a banda. Por fim tocaram "Here I Go Again" e pra matar os fãs do Deep Purple, "Burn", onde tocaram trechos de "Stormbringer", finalizando um grande show e um ótimo ano para o Sauna Open Air.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Petri da Costa

Fanático por cinema e música, colaborou como correspondente na Finlândia para a RockHard-Valhalla de 2002 até 2008, escrevendo reviews de shows e cds. Tem colaborado com a whiplash desde 2007.

Mais matérias de Petri da Costa.