Nazareth: quase duas mil pessoas em Fortaleza

Resenha - Nazareth (Arena, Fortaleza, 16/05/2008)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Eduardo de Castro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Depois de oferecer a Gamma Ray e Helloween a maior platéia do Brasil, o público cearense dá outra aula de paixão pelo rock'n'roll, reunindo quase duas mil pessoas no show do Nazareth, realizado no Arena, no dia 16/05/2008.

Nazareth: Emerson Suicide será a banda de abertura para show em São PauloGuitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocar

Já não era sem tempo a inclusão da quinta maior capital do País no circuito de grandes shows, e quando os "velhinhos" Dan McCafferty e Pete Agnew sobem ao palco para detonar "Beggar's Day", o público vai ao delírio. Além dos ícones já citados integram o redivivo Nazareth o guitarrista Jimmy Murrinson e o baterista Lee Agnew, pródigo filho do baixista Pete. O som esteve excelente a noite inteira, perfeitamente audíveis cada um dos instrumentos, com um peso absurdo e os graves explodindo no peito da platéia. Não citei o tecladista Ronnie Leahy por que o mesmo, sem maiores explicações, não acompanhava a banda nesta noite, o que impossibilitou a inclusão de algumas músicas no set list.

Mas voltando ao show: após o início bombástico com "Beggar's Day" e um ovacionado "Obrigado, Fortaleza", Dan McCafferty introduz a primeira música do novo álbum "The Newz", "Keep On Travellin'", sensacional e que manteve o pique do número de abertura. Quem vem a seguir? "Razamanaz"! And the crowd goes wild. Nesse momento eu já tinha mandado às favas o propósito de anotar, música a música, o set list da noite, mas como testemunha ocular do "crime" posso afirmar que se seguiram "My White Bicycle", "This Flight Tonight", "Whiskey Drinkin' Woman", "Dream On", "Big Boy" (com direito ao reggae saltitado por Dan para o delírio da massa), "Holiday", numa das melhores aulas de rock'n'roll já vistas por esse escriba. Até as desconhecidas "A Day At The Beach", "Enough Love" e a progressiva "The Gathering" (com problemas no delay da pedaleira de Murrinson) foram super aplaudidas, numa prova viva de que a experência de 40 anos de estrada nunca vão te deixar na mão.

Dan McCafferty, apesar da idade e de em alguns momentos agarrar-se ao pedestal do microfone como se fosse desmaiar, continua cantando como nunca, atingindo agudos (sem falsete) de fazer inveja a muita gente famosa que anda embromando por aqui. E eu ainda vou dar os nomes: Ian Gillan, mera sombra do passado, e David Coverdale, o rei do play-back (e podem me execrar por essa opinião). Pete Agnew é um show de carisma e toca o baixo com rara maestria, suprindo a ausência do teclado com backing vocals perfeitos. Jimmy Murrinson foi o ponto "menos forte" da banda. É competente, calado, passando ao largo das poses de guitar hero. Posso estar sendo injusto e o fantasma de Manny Charlton está a assombrar minha memória. Mas Jimmy deu conta de seu recado e é isso que importa. Lee Agnew é um monstrinho, surrando sua bateria com a competência do professor Darrel Sweet, mantendo o pique e o andamento das músicas.

E o show continua. Uma que eu não esperava me ataca os ouvidos, "Expect No Mercy", seguida de "Love Hurts", cantada em uníssono pela multidão. A próxima? "Hair Of The Dog", com solo do vocoder disfarçado de gaita-de-fole, e um "boa noite" que ninguém aceitou. Após alguns minutos de clamor popular, a banda volta para outra surpresa: "Love Leads To Madness", e dessa vez, para desespero geral, o adeus definitivo nessa noite memorável.

Vão com Deus e voltem em breve...

Vamos aos senões: era a primeira aparição do Nazareth pelas terras cearenses e talvez tivesse sido prudente uma maior inclusão de hits no set list, ao invés da divulgação do material do novo álbum. O público berrava por "Telegram", "Star", "Where Are You Now", "Cocaine", "Hearts Grown Cold", "Whatever You Want", "Morning Dew", as quais foram solenemente ignoradas. Entendo que a falta de um tecladista tenha impossibilitado a inclusão de algumas das músicas solicitadas, mas a maioria ficou de fora por opção da própria banda.

E ficamos por aqui... Um show perfeito, numa noite perfeita, com um público calmo, ordeiro, pacato, preocupado unicamente em render homenagens a um dos maiores ícones do rock'n'roll de todos os tempos. Que venham outros: o Ceará os receberá de braços abertos!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Nazareth"


Nazareth: Emerson Suicide será a banda de abertura para show em São Paulo

Ramones: o dia em que foram vaiados por uma plateia de 50 mil hard rockersRamones
O dia em que foram vaiados por uma plateia de 50 mil hard rockers

Heavy Metal (o filme): trilha sonora do caralho!Heavy Metal (o filme)
Trilha sonora do caralho!

Stones, Led, Nazareth e outros: rockers que já gravaram ReggaeStones, Led, Nazareth e outros
Rockers que já gravaram Reggae


Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

Angra: Kiko Loureiro relembrando o tempo de DominóAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Heavy Metal: 10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhosHeavy Metal
10 músicas inspiradas em heróis de quadrinhos

Iron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamenteIron Maiden
Ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

Death Magnetic: tudo é uma questão de gosto, diz Lars"Death Magnetic"
"tudo é uma questão de gosto", diz Lars

Queen: Freddie travestiu Princesa Diana para levá-la a clube gay?Queen
Freddie travestiu Princesa Diana para levá-la a clube gay?


Sobre Eduardo de Castro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336