Bryan Adams: No Rio de Janeiro, um bom show pop, e nada mais

Resenha - Bryan Adams (Citibank Hall, Rio de Janeiro, 05/03/2007)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.




Segunda feira, dia quente, ótimo dia para um... show? Sim meus caros... a data carioca do show do canadense Bryan Adams (promovendo seu CD "Anthology" - coletânea de sucessos) foi marcado para o primeiro dia da semana, data improvável para eventos pop-rock. Mas os fãs não se fizeram de rogados e lotaram as dependências do agora Citibank Hall (ex-Claro Hall), ansiosos para verem a performance de um dos mais renomados artistas do pop-rock, e um "hitmaker" assumido.

Fotos: Rodrigo Scelza.

Antes de tudo vamos esclarecer um fato àqueles que estão se perguntando porque Bryan Adams está aparecendo na Whiplash!. O distinto, além de possuir boas músicas hard-rock em seu currículum, é frequentador do meio hard, tendo participando como "backing" vocal de bandas como Motley Crue, além de ser co-autor de duas faixas do clássico "Creatures Of The Night" do Kiss (uma delas a pesada "War Machine"). Logo não seria nada anormal conferir um show deste senhor, apesar de seu momento ser mais voltado para shows acústicos e flertes descarados com o pop (as músicas que emplacou nas trilhas sonoras de "Robin Hood" e "Don Juan De Marco" não me deixam mentir).

Um fato que merece ser ressaltado é a péssima escolha da configuração da casa: pista até as mesas de som e mesas em frente ao palco (com preços nada convidativos). Sou da firme opinião de que este tipo de configuração é ótimo para shows de artistas mais... românticos..., mas no caso de Mr. Adams, uma pista aberta ficaria ótima para a diversão e a empolgação do público. No mais, sobrou uma pista apertada e mesas e cadeiras lotadas por apreciadores de música, mas que não estavam nem a fim de dançar ou cantar.

Seja como for às 21h45 as luzes se apagaram e um som do estilo "british rock" começou a soar nos alto falantes. Mais que repentinamente Bryan e sua banda entram no palco (com um pano de fundo simples e ótimos efeitos de luz) para começar o som com "Can't Stop This Thing We Started" de jeito meio meloso, lento e enrolado, seguida por "Somebody" e "Open Road". O público se levantou das mesas e colou no palco, que fora aumentado pela colocação de um praticável em nível menor, o que joga por terra a idéia de que vale a pena colocar mesas na casa em eventos deste porte. Mesmo assim a empolgação era morna e o show soava burocrático e sem "punch". "18 'Til I Die" e "Let's Make A Night To Remember" deram uma aquecida na galera, e Mr. Adams pareceu sentir que era hora de aumentar o ritmo (banda parada, só seu guitarrista que agitava), dando mais força em boas músicas como "Back To You", "I Think About You" e na excelente "Summer Of 69".

Neste momento comecei a pensar nas diversas investidas de Mr. Adams no formato acústico. A morosidade do começo (que ia se desfazendo aos poucos) e o público frio me faziam pensar se não estávamos diante de um show acústico, já que o formato parecia perfeito para tal. Seguiam-se músicas como "The Best Of Me" e o momento máximo de empolgação "mela-cueca": as baladas "Have You Ever Really Loved A Woman" (do filme "Don Juan De Marco") e "Everything I Do (I Do It For You)" (do filme "Robin Hood"). Boas baladas, bem executadas pela banda (que se não era virtuosa era precisa e afinada), mas que tocadas seguidamente soaram cansativas. Novamente uma péssima escolha na colocação dos "hits". Mas quem tem que dizer se vale a pena ou não foi o público e este, principalmente a mulherada, gritou até não poder mais (choros e suspiros dividiam o espaço com "licks" e vocais).

"Cuts Like A Knife" deu início ao momento mais agitado do show (em dado momento Mr. Adams chegou a perguntar se estava convidado para o jantar, já que todos estavam em suas mesas... o mesmo chegaria a dizer que pensava estar no "Rock In Rio"), seguida por "Baby When You're Gone" (onde Mr. Adams chamou uma srta. da platéia - coisa que vinha fazendo em todos os shows da turnê para cantar junto com ele, substituindo Mel C. - a nossa Mel C. chamava-se Gabriela, ou como ela mesma disse em inglês macarrônico "Gaybriella").

Neste momento o show seguia com um pique bem mais agradável e dançante, com "Heaven", "It's Only Love" e "The Only Thing That Looks Good In Me Is You" e a ótima "Cloud #9", além de "Run To You", que encerrou o show... será?

Quando imaginávamos que o show tinha chegado ao fim, Mr. Adams volta só com seu violão e leva "Please Forgive Me", "Straight From The Heart", "When You Love Someone" e "All For Love" no formato acústico, numa sequência chata, cansativa, enfadonha e desnecessária. Nesta hora decidi que era o momento de deixar o Citibank Hall, certo de que este foi um bom show pop, mas que pela incapacidade de Mr. Adams, e pela frieza de alguns fãs, poderia ser bem melhor... quem sabe da próxima vez... se houver.



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Bryan Adams"


Bryan Adams e Billy Idol: cantando clássico juntos no palco; assistaBryan Adams: um cara dos clássicos artistas dos anos 80 e 90

Planet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os temposPlanet Rock
40 melhores discos ao vivo de todos os tempos

Led Zeppelin: a origem do anjo símbolo da bandaLed Zeppelin
A origem do anjo símbolo da banda

Thrash Metal: 20 bandas brasileiras de qualidade inquestionávelThrash Metal
20 bandas brasileiras de qualidade inquestionável

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os temposRolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 2000Kanye West: Nikki Sixx e Michael McDonald detonam atitudes do rapper

Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.