Whitesnake e Judas Priest: Público fiel depois do auge

Resenha - Whitesnake e Judas Priest (Arena Skol, São Paulo, 09/09/2005)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fábio Faria
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Arena Skol Anhembi pareceu ser a escolha certa para receber o show de dois grandes nomes da história do Rock internacional, Judas Priest e Whitesnake, que não estão mais no auge de suas carreiras, mas têm um público fiel - caso o show fosse no Pacaembu, por exemplo, seria um fracasso do ponto de vista de venda de ingressos - além de ter como banda de abertura os paulistas do Angra. O local é aberto e acomoda 30 mil pessoas, embora, não estivesse totalmente lotado, e possui uma boa infra-estrutura, banheiros decentes, espaço para alimentação, camarotes com visão privilegiada construídos do lado esquerdo do palco, tudo muito bem organizado. Até os shows começaram praticamente no horário marcado.

4150 acessosRock Hall Of Fame: quem está vencendo a votação até agora?5000 acessosTamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixos

Como isso não é muito comum em se tratando de Brasil, muitas pessoas chegaram quando as apresentações já haviam começado. E, claro, dá-lhe reclamações. Não desse que vos escreve, pois ao entrar no “Arena” presenciei o final da introdução de 'Deus Le Volt' e imediatamente o Angra toma o palco com 'Spread Your Fire', seguida de 'Waiting Silence', ambas do mais recente trabalho da banda 'Temple of Shadows'. Deste, ainda tocaram 'Angels And Demons' e 'Wishing Well'. Na posição de banda de abertura – embora tenha sido anunciado como “banda convidada” -, os integrantes do Angra foram agraciados com um ótimo som e iluminação de palco perfeita, coisa rara de acontecer por aqui. Eduardo Falaschi, Kiko Loureiro, Rafael Bittencourt, Felipe Andreoli e Aquiles Priester souberam usar disso e brindaram a platéia com uma performance empolgante. O repertório foi bem escolhido – apesar de terem deixado de fora 'Carry On' – com ênfase na “era” Edu Falaschi; além do mais recente álbum, não foram esquecidas músicas do primeiro álbum com o vocalista, o 'Rebirth', dentre elas a faixa-título, 'Acid Rain', 'In Excelsis' e 'Nova Era'. Os destaques, no entanto, foram as performances inspiradas em 'Nothing To Say' e 'Angels Cry'.

Muita gente reclamou da participação do Angra no evento, supostamente pelo fato da banda estar deslocada pelo tipo de som que toca em relação às atrações internacionais. Pura bobagem. Muito pelo contrário, se fosse possível, em teoria, dizer que alguém estaria deslocado, esse alguém seria o Whitesnake. Uma banda de Hard Rock, entre duas bandas de Heavy Metal. Claro, que se isso fosse desvantagem, esqueceram de avisar David Coverdale e cia. Foi surpreendente a apresentação do grupo. Acompanhado por um time de feras - os guitarristas Doug Aldrich e Reb Beach, o baixista Uriah Duffy, o tecladista Timothy Drury e o lendário baterista Tommy Aldridge (Ozzy Osbourne, Gary Moore, etc) – Coverdale espertamente começou o set com um medley de 'Burn/Stormbringer', ambas da fase em que ele era o frontman do Deep Purple. Apesar do som um pouco ruim logo no início - o que foi corrigido rapidamente -, o vocalista inglês ganhou a platéia logo de cara.

Com mais de cinqüenta anos, David mostrou que sua voz está em grande forma e enlouqueceu os fãs com uma hora de show. Pode-se até pensar que foi pouco, mas tamanha foi a energia e a garra apresentada pelo Whitesnake, que se o tempo fosse maior, talvez o show não tivesse sido tão bom. E os fãs só têm uma reclamação a fazer: faltou o clássico 'Fool For Your Loving'. Fato quase perdoável, já que foram tocadas 'Bad Boys', 'Love Ain't No Stranger', 'Slow an' Easy', 'Crying in the Rain', 'Is This Love'(dispensável), 'Give Me All Your Love', 'Here I Go Again' e 'Still of the Night'.

Difícil destacar alguma canção, a banda foi perfeita em todas elas. Até o também cinquentão Tommy Aldridge arrebentou com seu famoso solo, ora usando as baquetas, ora usando as próprias mãos. O adjetivo “memorável” cabe perfeitamente a esta apresentação do Whitesnake. E acredite ou não, muita gente foi lá só pra ver a banda, tanto que foi possível ver pessoas indo embora assim que começou a tocar a famosa música do grupo de comediantes ingleses Monty Python, 'Always Look on the Bright Side of Life', ao término do show.

Por volta das 10 horas da noite, a atração principal, o Judas Priest, entra em cena. Ao apagar das luzes começaram os gritos, que continuaram durante a introdução 'The Hellion', culminando em 'Electric Eye'. Daí em diante foram só clássicos: Metal Gods', 'Riding on the Wind', 'A Touch of Evil', 'Beyond the Realms of Death', 'Turbo Lover', 'Victim of Changes', 'Hell Bent for Leather', 'Living After Midnight' e 'You´ve got Another thing Comin' e 'Diamonds & Rust' – foi mantida a versão acústica imortalizada por Tim "Ripper" Owens no CD '98 Live Meltdown', sem que Halford conseguisse atingir o mesmo resultado.

O conjunto surpreendeu e não abdicou de mostrar músicas do novo disco 'Angel of Retribution'. Foram apresentadas 'Revolution', 'Deal with the Devil', 'Hellrider' e 'Judas Rising', está última um dos destaques na parte visual do show. Rob Halford surge lentamente por detrás da bateria com os braços abertos imitando a ilustração da capa do CD. Surpresa mesmo no repertório foi à inclusão de 'Exciter'('Stained Class', de 1978 ) e 'I'm a Rocker'('Ram It Down', de 1988).

O set list do Judas Priest foi construído de maneira a agradar e surpreender, fato consumado, ainda que tenha sido parcialmente bem sucedido nesse intuito. E a aqui começa um fato estranho desse show, quase inexplicável. A platéia obviamente era composta na maioria esmagadora de jovens, cujos pais provavelmente nem se conheciam quando o Judas lançou seu primeiro álbum. Natural, então, que muitas das canções fossem ignoradas por esse público. E esse foi o calcanhar de Aquiles de Halford e seus companheiros. Os mais fanáticos, que conhecem a discografia da banda de cor e salteado, foram os que tiveram a verdadeira satisfação de ver uma das lendas do Heavy Metal. Tem que se concordar com quem afirma que a maioria estava lá para ouvir 'Breaking The Law' e 'Painkiller'. Nada de errado nisso, foram excelentes as respostas a essas canções. Mas se eu fosse um dos integrantes do Judas teria ficado um pouco decepcionado. Era comum ver pessoas paradas, com cara de “que isso?”, durante verdadeiros hinos do Metal.

Mesmo assim eles não se abateram, Glenn Tipton, K.K. Downing, Ian Hill e Scott Travis foram impecáveis, ainda que com os andamentos de algumas músicas um pouco mais lentos. Mas não conseguiram tirar do público a reação digna, que uma banda como o Judas Priest merece. Nem durante o solo de Glenn, no qual ele tentou um pingue-pongue com a platéia, a resposta foi satisfatória.

A principal atração da turnê atual do Judas Priest é a volta de Rob Halford aos vocais. Embora tenha cantado bem, foi possível constatar que a passagem dos anos esta enfraquecendo a voz de Halford. Ele não reproduz ao vivo, com a mesma intensidade, o resultado alcançado no estúdio como no passado. E veja, ainda assim, o cara conseguiu um bom resultado. A idade parece pesar para ele também na movimentação de palco. Em alguns momentos, parecia que o cantor estava se apoiando, principalmente nas plataformas. No transcorrer da apresentação, ele tentou de todas as maneiras instigar o público, dizendo que estava feliz de voltar ao Brasil – chegou a abraçar a bandeira do país -, também arriscou um pingue-pongue com os presentes, e se saiu melhor que Tipton. Mas sinceramente, não conseguiu unanimidade no quesito interação com a platéia. Destaque mesmo foi sua entrada no palco com a moto, fato corriqueiro nos shows do Judas, mas que realmente causa um impacto interessante.

Fica aí a dúvida: o Judas não é mais o mesmo ou o público paulista é que não soube reverenciar a altura o “Deus do Metal” e seus asseclas? Eu fico com a segunda alternativa.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Whitesnake e Judas Priest (Arena Skol, São Paulo, 09/09/2005)

5000 acessosWhitesnake e Judas Priest: As duas bandas, afinal, têm tudo a ver


Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Rock Hall Of FameRock Hall Of Fame
Quem está vencendo a votação até agora?

2471 acessosPriest: campo de golfe que teria tirado Downing da banda faliu62 acessosEm 28/10/1997: Judas Priest lança o álbum Jugulator0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

CinemaCinema
As melhores músicas de Rock/Metal em filmes de terror

Judas PriestJudas Priest
Fatos sobre "Unleashed In The East"

Judas PriestJudas Priest
Os 10 discos que mudaram a vida de Rob Halford

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"


Tamanho é documento?Tamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

Os mais feiosOs mais feios
Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...

Kurt CobainKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico

5000 acessosVanusa e Black Sabbath: a notável coincidência nos riffs5000 acessosA História do Burzum5000 acessosSociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teórica5000 acessosMarilyn Manson: A primeira vez em que ele usou cocaína5000 acessosJethro Tull: solo de "Aqualung" quase foi ferrado por causa do Jimmy Page5000 acessosJanis Joplin no Brasil: topless, cachaça e "show" em puteiro

Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online