Resenha - Angra (Marista Hall, Belo Horizonte, 20/11/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.







Você pode chamar o Angra do que quiser, desde que suas afirmativas rondem algo como o maior fenômeno da música pesada no Brasil desde o Sepultura. É a inegável realidade que o show da banda nos traz. Se na turnê de “Rebirth” comemorava-se o retorno da ‘marca’ e a entrada dos novos integrantes, em “Temple Of Shadows” celebra-se o novo lançamento e, na verdade, toda a carreira desta que é, agora sim, uma entidade definitiva do heavy mundial.

Movimentação como aquela do dia vinte de novembro no Marista Hall não se via há muito tempo em Belo Horizonte, exceto pelos festivais. Caso resolvamos analisar eventos de metal, é até covardia. Um baile mesmo nos bem-sucedidos e incríveis shows de Cannibal Corpse, Children Of Bodom e Helloween. Não comparo os conjuntos, mas sim o envolvimento do público, o sentimento que movia a cidade nas vésperas de cada apresentação.

Mais assustador é quando percebemos que os resultados não só ultrapassaram os de artistas da mesma vertente, mas também de vários daqueles que estão realmente na cena principal do Brasil. O pop rock dos Engenheiros do Hawaii, na prévia de seu acústico, rendeu menos. E acreditem, em termos de quantidade, eles se aproximaram até mesmo dos Paralamas do Sucesso, quando estes tocaram no mesmo local!

Mais de quatro mil pessoas num show do Angra, sem qualquer banda de abertura que pudesse atrair seu próprio grupo de fãs específico, ou algo do tipo? Fogos no palco, uma estrutura imensa, e investimento numa cidade que mostrava-se, até então, praticamente provinciana? Ou talvez só ligada à ala mais pesada do metal? Um coral de vozes ensurdecedor clamando o nome do grupo, de seus ídolos, e estremecendo o chão literalmente em cada intervalo? Sinceramente, foi de arrepiar só pelo clima instaurado e a exuberância. Porém, falamos de algo além.

Quantidade é ótimo, contudo, se a qualidade vem em igual proporção, é porque realmente vale a pena toda a vibração. É a prova de que tudo ali faz algum sentido e que aqueles , logo ali, em cima do palco, merecem os espectadores que têm.

Via-se uma nação febril, já no instante em que o vídeo de Letícia Sabatella explicando todas as medidas de segurança do local apareceu no telão. Os pés batiam no chão, o nome “Angra” repetia-se incansavelmente, e naquele momento, qualquer manifestação ‘individual’ já era inútil. A massa havia tomado conta do cada um.

A introdução “Deus le Volt / Gate XIII” começa e a situação maravilhosamente se agrava. Mais uma dose de cólera, a qual, todavia, cede um pouco, pelo exagero na duração da música incidental. Os presentes saúdam por cinco, seis minutos, uma banda que não está no palco. Haja gogó e animação. No entanto, passa, dali em diante tudo sairia muito bem.

Se você sentiu falta de certas características nacionais em “Temple Of Shadows”, vá ao show e comprove o set list mais brasileiro da história do metal. Não só as músicas escolhidas, mas toda a execução, os instrumentos incluídos, os batuques, as performances dos músicos, os movimentos que fazem.

A melhor imagem fica com Rafael Bittencourt na introdução de “Never Understand”. Noutro momento magnífico, Felipe Andreoli e Kiko Loureiro juntam-se a Bittencourt para o grande espectro local de uma quase “Timbalada” em “Carolina IV”. Espelho das raízes de um país, que nenhum gringo consegue definir. Émetal brasileiro, e não precisa mais nada. Diferente de qualquer outro.

Durante a execução das novas composições, embasbaquei-me com o entrosamento do conjunto neste, ainda, início de turnê. A técnica e a precisão exigidas pelas músicas é tal que poucas bandas conseguiriam sequer reproduzi-las ao vivo. Com a perfeição que foram apresentadas então, nem se fala. Dá a impressão de que o Angra está ensaiando este show há mais de ano.

Kiko Loureiro e Aquiles Priester transcenderam e não há qualquer exagero nesta afirmação. Andreoli também assusta. No entanto, presenciar especialmente os dois primeiros tocando seus instrumentos é contemplar o inimaginável. Como fazem tudo aquilo? Ainda mais com aquelas caras de quem está alegremente tomando uma sopa, sentado num sofá. Eles fluem com ritmos, melodias e harmonias. Instrumento-corpo-mente não se desligam um segundo. Formaram um todo!

Edu Falaschi está muito bem, dominando mais o palco e a audiência. Parece sentir-se livre. Suas características bem próprias, já detectadas na época de Symbols, ganham um realce. Merecem relevo maior, penso eu, principalmente na agressividade fantástica de sua voz. Porém, paulatinamente este lado vai se adequando ao grupo.

Se o peso é um pedido, nem precisamos esperar pelo próximo álbum. Depois de “Nova Era”, e duas horas de material puramente do Angra, já sem muito esperar, um riff cavalo surge, e é simplesmente “Raining Blood”, do Slayer! Quem pensou que ficaria só na introdução, como fez o Dream Theater, enganou-se. O baixista banca os vocais e a bordoada rola solta a cada compasso. Um final a nível do restante do show, apoteótico!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

197 acessosRafael Bittencourt: "Eu nunca fui tão feliz", making of #23237 acessosRedeTV!: Sonoridades entrevista a banda Angra nesta quinta-feira512 acessosAngra Fest: Fabio Lione e Pompeu convidam fãs para o festival3679 acessosNando Moura: a trolagem do Megadeth e o Top 5 do Kiko Loureiro3747 acessosAngra: "É o melhor baixista com quem eu já trabalhei, um MONSTRO!"5000 acessosKiko Loureiro: "minha resposta para o Nando Moura"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

AngraAngra
Kiko Loureiro relembrando o tempo de Dominó

Luís MariuttiLuís Mariutti
Pelos fãs e meus filhos eu faria algo com o Angra

AngraAngra
Aquiles ou Confessori? Em vídeo, Bruno Valverde responde

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"


SlashSlash
"Sweet Child é a coisa mais gay que alguém poderia compor"

Rede GloboRede Globo
Em 1985, explicando o que são os metaleiros

Roqueiros conservadoresRoqueiros conservadores
A direita do rock na revista Veja

5000 acessosMetal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.com5000 acessosMotorhead: perguntas dos fãs respondidas por Lemmy5000 acessosO trágico acidente que vitimou o Lynyrd Skynyrd5000 acessosMegatallica: genial versão de "Welcome My Darkest Hour"5000 acessosRonnie James Dio: as 10 melhores músicas da carreira do vocalista5000 acessosJoe Satriani: saiba quais lendas da guitarra não quiseram entrar no G3

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online