Angra: Metrossexuais em Curitiba uma semana depois da Veja

Resenha - Angra (Moinho, Curitiba, 19/11/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Piero Boeira Locatelli
Enviar Correções  

O angra conseguiu o que nenhuma banda de metal melódico tinha conseguido: uma página inteira na revista de maior circulação nacional, com direito a foto no cabelereiro e muito mais. Curitiba teve o grande prazer de receber os metaleiros metrossexuais uma semana depois dessa reportagem.

Spotify: Kiko Loureiro elabora playlist com monstros sagrados do rock/metal nacional

Coincidências: Imagens usadas por grandes bandas em outras capas?

Uma multidão como há tempos não se via nos shows de metal da cidade (desde a turnê anterior do Nightwish) esperava a abertura dos portões do Moinho São Roque com uma empolgação que há muito não se via. Esse show prometia...

A abertura ficou nas mãos do Dark Symphony, que executou músicas próprias, sem grande receptividade da galera, e covers de Stratovarius, tendo em "Kiss of Judas" (muito bem executada) seu ponto forte. Mas ninguém estava lá para vê-los. Depois disso, Metallica e Maiden rolavam no som mecânico e o lugar lotado parecia que iria abaixo.

Eis que as cortinas se abaixam, mas antes do show começar, o aviso do organizador: "por favor não empurrem que o pessoal daqui da frente está apertado". Depois do bizarro aviso a instrumental "Gate VII" seguida de "Deus Le Volt" aumenta os ânimos, e a banda entra em cena com "Spread Your Fire". Público louco, som do lugar horrível. Segue-se com "Wating Silence", mas o público não parece tão animado.

Som arrumado e o show segue com a parte antiga. "Acid Rain" e "Nothing to Say" são emendadas, mostrando uma grande receptividade do público, com uma banda muito mais madura que nas outras turnês, se mostrando muito confiante em palco.

Aí o ponto alto do show: Edu anuncia uma música sobre um navio. Somente algumas dezenas das pessoas vão ao delírio enquanto milhares não entendem o que estava acontecendo: Kiko Loureiro vai para a percusão e é executada "Carolina IV". Sensacional. Quem conhecia a música levou sua garganta à maior destruição possível. Executada perfeitamente, essa música ficou linda ao vivo, assim como todos já sabiam. Só a sua ausência do set list depois de tanto tempo não possui grandes explicações.

As novas musicas, "Angels and Demons" e "Waiting Silence" são tocadas, a segunda funcionando muito bem ao vivo. Mas o público já parecia mais morno a essa hora. No fim dessa musica é emendada "Mileniun Sun", sem a sua primeira parte, funcionando maravilhosamente bem. Aí a surpresa da noite: "Never Understand", mostrando que o angra está cada vez mais querendo mostrar as suas músicas mais brasileiras.

A partir daí a parte em que todos cantam: "Rebirth" e "Heroes of Sand". Com certeza essas músicas perdurarão demais no set list da banda, sendo as duas cantadas em uníssono e a banda ovacionada pelo público.

A maior música (e para mim a melhor...) do novo CD é executada: "Shadow Hunter". Num bis muito previsível e com um público já cansado são tocadas "Carry On" e "Nova Era", além da ameaça de "Raining Blood" do Slayer, com Aquiles usando uma máscara...

Em síntese: uma banda mais madura que nas suas últimas passagens em Curtiba. A nova formação está cada vez melhor. Uma mistura de Portnoy com o baterista do Slipknot, aquiles toma as rédeas e se mostra um baterista com presença de palco, algo raro. Todos os integrantes se encontram mais...

E a banda está cada vez mais "fashion".


adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin