Kings Of Convenience: Review de show em San Francisco

Resenha - Kings Of Convenience (Great America Music Hall, San Francisco, 28/09/2002)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Romani
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Conveniência [Do lat. convenientia.] S. f. 1. Qualidade ou caráter de conveniente; proveito, interesse, vantagem.

Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileira

Ao procurar por essa definição no dicionário, os indivíduos que tiveram a oportunidade de acompanhar a apresentação do Kings of Convenience, no acanhado Great America Music Hall em San Francisco, são tomados pela sensação de não terem experimentado conveniência alguma por saírem de suas casas em plena quarta de noite

Alguns podem argumentar que as músicas novas, tais como "Riot On Empty Streets" e a sugestiva "I'd Rather Dance With You Then Talking To You", já seriam motivo para acompanhar Erlend e Eirik. Outros podem dizer que os "hits" "Parallel Lines" (numa versão com piano) e "Toxic Girl" são mais do que suficientes para o comparecimento físico a apresentação, mas na realidade somente duas canções tiveram o poder de seduzir as 600 pessoas que lá estavam: o hino "loser" "Failure" e o inusitado cover de "Free Fallin'" de Tom Petty.

No palco, o clima soturno e intimista foi totalmente deixado de lado pelo debochado Erlend Oye. Em certos momentos, a figuraça parecia carregar muito mais do que a sonoridade nascida da bossa nova. Ele reclamou do barulho vindo do bar, mandou fechar as cortinas do fundo do teatro, soltou frases fora de hora, e reclamou do clima de San Francisco e do ar condicionado, no melhor estilo João Gilberto. Por outro lado, Eirik Boe, o afeiçoado da dupla, limitava-se ao manjado, vago e levemente carregado de sotaque "thank you". Nesse quesito cada um da dupla parece funcionar muito bem como contra-peso do outro.

O minimalismo da música dos noruegueses foi completamente preservado, o que significa que músicos de apoio foram prontamente descartados, Cada um da dupla portava apenas um violão, e um piano de cauda era (mal) tocado por um dos dois em alguns números. Tanto cuidado para uma produção crua, foi quebrado apenas na última canção do show, no qual um remix, que aparece no disco de remixes da banda, foi usado. Nessa, porém, Erlend não tocou e cantou, e sim dançou (?) junto ao público, enquanto Eirik massacrava, no mau sentido, o piano.

Apesar do bom humor de Erlend, apesar das músicas novas e dos hits, o Kings of Convenience não honra seu título simplesmente por serem acústicos, fofinhos, e calminhos demais. Certa vez alguém disse que "o Belle and Sebastian é uma ótima banda para se ouvir enquanto você rega suas plantas domingo de manhã", e o Kings of Convenience sofre do mesmo efeito. Eles são uma banda, ou dupla, na qual os shows têm papel irrelevante na carreira do grupo e na vida dos que assistem. Comprar o disco "Quiet is the New Loud" e ouví-lo acompanhado de um bom livro parece ser muito mais conveniente do que ficar em pé para ouvir músicas que são capazes de deixar todos os músculos de um indivíduo inertes.

Set-List:
New Song
I Don't Know What I Can Save You From
New Song
Failure
Winning a Battle, Losing the War
New Song (Riot On Empty Streets)
Singing Softly To me/ The Girl from Back Then
Free Fallin'
Little Kids
Toxic Girl
The Weight of My Words
Parallel Lines

Bis:
New Song (I'd Rather dance With You Then Talking To You)
Remix




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Kings Of Convenience"


Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Rock In Rio
Por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Regis Tadeu: a tsunami de lixo musical da atual música brasileiraRegis Tadeu
A tsunami de lixo musical da atual música brasileira

Top 500: as melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling StoneTop 500
As melhores músicas de todos os tempos segundo a Rolling Stone

Ozzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in RioSlayer: Kerry King explica como se deve balançar a cabeçaDJ Ashba: relatando como foi que entrou no Guns N' RosesMetallica: Análise vocal de James Hetfield

Sobre Bruno Romani

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Bruno Romani no Whiplash.Net.