Resenha - Thalion e Angra (Breezy, Santos, 26/09/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.








Fotos: Lucas De Santis

Noite quente em Santos e longa fila para entrar na boate “Breezy”. O público em sua grande maioria adolescentes, aguardava de forma ansiosa a apresentação da jovem banda Thalion e os veteranos do Angra. Ao entrar na casa, dava para notar que o ambiente não era o mais indicado para um show desse tipo. O palco além de ser baixo, ficava em uma área mais baixa... somente quem estava próximo, conseguia ver o que acontecia. Além disso, mais para trás havia um lance de degraus com um teto baixo, ou seja, o pré-requisito básico para ver o show desse local, era ter mais de 2 metros e 10 centímetros, senão só seria possível ver a bateria, que ficava numa base mais alta do palco.

Após uma passagem de som extensa, com o público já vaiando, a banda Thalion iniciou o playback de “Atmospheres”. Com um palco reduzido a metade, os músicos se acotovelavam por um espaço melhor. A bateria de Giancarlo foi colocada no canto direito, enquanto os demais músicos ficavam do outro lado. “Follow The Way” foi a primeira música do set. No início o som estava confuso, praticamente impossível de ouvir a vocalista Alexandra, mas com o passar da primeira música, a mesa de som foi regulada. O batera Giancarlo era o que mandava melhor e com precisão, passou segurança à banda. As guitarras estavam emboladas, era bem difícil identificar quem estava fazendo os solos, mas mesmo assim mostraram-se competentes, assim como o baixista David, que foi impecável. O ponto fraco ficou por conta da voz “sem sal” da vocalista Alexandra. Era um festival de caretas no público, quando ela resolvia dar uns falsetes irritantes. Em determinado momento, a banda resolveu dar um “presente de grego” ao público, tocando o hit “Nemo” da banda Nightwish. Naqueles minutos, Tarja Turunen, onde quer que estivesse no mundo, sentiu fortes pontadas na barriga e se contorceu de dores. Isso não se faz, Alexandra! A grande maioria das pessoas que estavam presentes na Breezy estavam sóbrias... era proibida a venda de álcool! Assim que a banda saiu do palco, o público imediatamente fez o coro de “Angra! Angra!”. Uma pena MESMO, que não vendiam nada alcoólico naquela noite.

Pequeno hiato para mudar o palco, e em poucos minutos já rolava o playback de “Deus Le Volt / Porta XIII”. “Spread Your Fire” e “Waiting in Silence” abriram a apresentação. O som estava tão alto que até o Manowar ficaria com inveja. Após as duas primeiras músicas, Edu saudou a cidade de Santos e mencionou o novo álbum, “Temple Of Shadows”. Por ser um álbum MUITO novo, o público ainda se sentia perdido com as novas composições, porém quando a banda tocou “Acid Rain”, foi praticamente impossível ouvir a voz de Falaschi. “Nothing To Say” e “Carolina IV” fizeram a dobradinha do “Holy Land”. Confesso que achei fraca a versão de “Carolina IV” com o atual vocalista. Kiko e Rafael como sempre deram o show à parte deles, a molecada próxima ao palco ficava babando nos solos virtuosos, assim como nas linhas de baixo super trabalhadas de Felipe. Aquiles como sempre, funcionando como um metrônomo ambulante, dono de uma técnica ímpar, não falhou em nenhum momento e Edu, com todo seu carisma soube comandar a apresentação muito bem.

Algumas outras músicas novas foram apresentadas, como “Wishing Hell”, “Shadow Hunter” e “Temple Of Hate” – essa última muito bem aceita pelo público. Outras clássicas como “Never Understand” e “Angels Cry” foram festejadas, assim como “Rebirth”, que teve um coro impressionante por parte do público. A primeira parte da apresentação foi encerrada com o maior hit da banda, “Carry On”, que como sempre fez com que a voz de Edu ficasse baixa, em relação à voz dos fãs. O encore final contou com a recente, porém já clássica, “Nova Era”. Uma pena não ter rolado nenhuma composição do álbum “Fireworks”.

O público santista saiu satisfeito com a apresentação do Angra, valeu a pena ficar acordado até as 2h30min do domingo para a segunda... mas fica aquela torcida, para que a banda retorne a Santos, depois de um tempo, para que o público possa conferir novamente com “maior intimidade”, as músicas do novo álbum.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1673 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons872 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1842 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2560 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Heavy MetalHeavy Metal
50 lições para ser um vocalista brasileiro do gênero

AngraAngra
Só falta um em foto de Confessori nas redes sociais

ViperViper
Fotos dos primórdios da carreira

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"0 acessosTodas as matérias sobre "Thalion"

SepulturaSepultura
Andreas conta curiosidades sobre os primórdios da banda

GuitarristasGuitarristas
Time Magazine elege os 10 maiores de todos os tempos

SlipknotSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Metal

5000 acessosHit Parader: Os maiores vocais do Heavy Metal segundo a revista5000 acessosThe Voice Kids: até Brian May ficou impressionado com brasileiro5000 acessosRock Brasileiro: uma lista das 10 maiores bandas5000 acessosDave Mustaine: não pratico mais guitarra, me preservo para as turnês5000 acessosJaco Pastorius - um gênio atormentado4910 acessosLegião Urbana: como seria "Tempo Perdido" em outros estilos?

Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online