Angra: E não é que a Sandy no Omni foi a bola da vez?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Contrera
Enviar correções  |  Ver Acessos

Virou febre comentar a faixa em que a Sandy canta no novo CD do Angra, Omni. Não irei destoar. Tentarei opinar algo que preste.

Loudwire: as 10 melhores músicas do Slipknot segundo o siteHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Antes de mais nada, já opinei sobre o CD, que achei muito bom. Já a faixa com a Sandy é incensada por alguns como fantástica, por outros como nem tanto.

A Sandy tem uma voz limitada. Isso para falar o mínimo. Seria ridículo colocá-la num CD de heavy metal melódico tendente a power metal para se esgoelar. Ela canta um inglês bom, mas sem excessiva cobrança. Não se destaca, para falar o mínimo.

A faixa em si é boa, e tem um aspecto que ressalta: ela fica na nossa mente por vários minutos. Ela chega a ser quase pegajosa. Por outro lado, os guturais no meio dela são, a meu ver, bastante comedidos e um pouco irritantes. Mas nada que interfira com o resultado final.

A Sandy no caso aparece quase como uma atração para alguns tendente a jogada de marketing, pura e simples, e para outros uma curiosidade - na medida em que ela nunca sequer namorou um entrosamento com o heavy metal. Mas não pega mal.

Ocorre que não há nada na faixa de tão superb assim. Nada de tão superlativo. É uma faixa competente, como várias do mesmo CD, e com uma pegada mais comercial (no limite, dado o gênero).

O Kiko saiu por aqui comentando o sucesso da faixa no Spotify, superando a mediocridade reinante (geralmente tendo como base estrelas funk). Ok. Mas não sei se cabe tanto meter o pau nos outros. Muito do sucesso da faixa com certeza se deve ao ineditismo de ver a Sandy navegando nesse tipo de heavy metal. Não ao Angra. Foi uma boa jogada. Que deixa incólumes todos os envolvidos.

Mas não exageremos. O Angra não é uma referência musical absoluta. É a banda heavy melódica mais competente por estes lados, que permanece firmemente fincada no nicho, e que não vacila. Só isso. Não é um João Gilberto. Não é um Cazuza. Com certeza, Angra passará. Os outros ficam.

Caberia quem sabe ao Rafa e aos outros integrantes pensarem num ponto de vista mais altaneiro no que diz respeito ao panorama musical. Em deixarem de ter como objetivo principal alcançar o sucesso imediato. Em apostarem mais alto.

Já a Sandy, bom, como culpá-la de qualquer coisa? É uma moça que achou o seu espaço em outro lugar e que muito educadamente resolve fazer favores desse tipo. Se todos lucram com a iniciativa, por que não?

Ando sem tempo, por isso não consigo ainda esmiuçar o que achei do Omni em detalhes. Logo devo conseguir.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Angra"


Kiko Loureiro: Mustaine deixou ele dar palpites no novo disco?Kiko Loureiro
Mustaine deixou ele dar palpites no novo disco?

Angra: Só falta um em foto de Confessori nas redes sociaisAngra
Só falta um em foto de Confessori nas redes sociais


Loudwire: as 10 melhores músicas do Slipknot segundo o siteLoudwire
As 10 melhores músicas do Slipknot segundo o site

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991


Sobre Rodrigo Contrera

Rodrigo Contrera, 48 anos, separado, é jornalista, estudioso de política, Filosofia, rock e religião, sendo formado em Jornalismo, Filosofia e com pós (sem defesa de tese) em Ciência Política. Nasceu no Chile, viu o golpe de 1973, começou a gostar realmente de rock e de heavy metal com o Iron Maiden, e hoje tem um gosto bastante eclético e mutante. Gosta mais de ouvir do que de falar, mas escreve muito - para se comunicar. A maioria dos seus textos no Whiplash são convites disfarçados para ler as histórias de outros fãs, assim como para ter acesso a viagens internas nesse universo chamado rock. Gosta muito ainda do Iron Maiden, mas suas preferências são o rock instrumental, o Motörhead, e coisas velhas-novas. Tem autorização do filho do Lemmy para "tocar" uma peça com base em sua autobiografia, e está aos poucos levando o projeto adiante.

Mais matérias de Rodrigo Contrera no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL