Grammy: opiniões e sensações estranhas sobre rock/metal no evento

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Aconteceu neste domingo (26) a cerimônia do Grammy Awards 2014, considerada a maior premiação da indústria fonográfica. O evento não é exclusivo ao rock, mas há muito do estilo nele.

93 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands5000 acessosDarkthrone: Fenriz fala sobre Sepultura, Sarcófago, Gal Costa e Caetano Veloso

Alguns prêmios são inquestionáveis, como "Sound City: Real To Reel" vencer a categoria de Melhor Trilha Sonora Para Mídia Visual. Outros, como Melhor Filme de Música, podem ser melhor observados, mas não comprometem pelo resultado - o ganhador foi "Live Kisses", de Paul McCartney.

Mas as premiações mais específicas, de categorias exclusivas de rock e metal, trazem algumas sensações estranhas. Os indicados para algumas já não parecem muito adequados - olhando para a lista, o Grammy parece ser um grande tributo ao passado do rock, mesmo com novos lançamentos, porque as bandas são sempre as mesmas. Não saem do lugar comum.

"God Is Dead?", do Black Sabbath, esteve em duas categorias e venceu uma: a de Melhor Apresentação de Metal. Nela, concorria com candidatos justos, como Dream Theater e Volbeat. Mas não faz sentido disputar esse prêmio com "T.N.T.", cover que o Anthrax fez de AC/DC.

Enfim, em Melhor Apresentação de Rock, uma novidade se sobressai: Imagine Dragons, com "Radioactive". Alabama Shakes, Queens Of The Stone Age, Jack White e os dinossauros Led Zeppelin e David Bowie concorriam. Não gostei tanto do trabalho de Bowie, mas ele esteve em duas categorias - e talvez merecesse levar um gramofone para casa. Há ainda a categoria de Melhor Álbum de Música Alternativa, em que tanto Vampire Weekend (vencedor) quanto Nine Inch Nails mereciam ganhar.

Na parte dos shows, podemos dizer que dessa vez o Grammy caprichou. Palcos bem montados, mega produções e parcerias ousadas. Robin Thicke com Chicago foi, por curiosidade, a minha preferida - não sabia que o bonitão cantava bem assim. E se juntou com o Chicago, boa banda que flerta com pop e rock - são considerados os pais do AOR. Imagine Dragons com Kendrick Lamar também ficou legal, mas não é lá tão rock assim.

Ringo Starr tem uma carreira pós-Beatles um pouco sem sal e refletiu isso em "Photograph". Com Paul McCartney, ele nem apareceu. É possível reparar que quem faz as principais viradas de bateria na execução de "Queenie Eye" é o mítico Abe Laboriel Jr. Os ex-Beatles não se ousaram, mas também não precisam.

youtube player
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Ousada foi a parceria do Metallica com o pianista chinês Lang Lang. Mas o resultado ficou bem ruim. Lang Lang tentou dar um tom sombrio demais à canção e não se encaixou. O Metallica fez o que faz há anos, ou seja, só por eles já ficaria legal. O resultado final não ficou bom, mas pelo menos tentaram.

A parceria entre Dave Grohl, Lindsey Buckingham e integrantes do Nine Inch Nails e Queens Of The Stone Age só poderia ter ficado melhor se não cortassem a transmissão. Trent Reznor e Josh Homme são caras que precisam de maior repercussão há muito tempo. Reznor chegou perto disso, até por ter carreira mais extensa. Grohl é um bom arroz-de-festa e Lindsey Buckingham se destacou bastante em "Copy Of A", primeira faixa executada na jam - a segunda foi "My God Is The Sun".

Como premiação, o Grammy é altamente questionável. Não só no rock, mas em outros estilos também. Mas como evento musical como um todo, incluindo a parte dos shows, deu um passo adiante com a edição de 2014. Que venham boas apresentações e escolhas mais criteriosas em 2015.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

InglaterraInglaterra
Político acusado de ser nazista por causa do Sabbath

93 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands2188 acessosZakk Sabbath: banda de Zakk Wylde lança EP em junho475 acessosArquivo KZG: Gastão Moreira entrevista o Black Sabbath em 1992617 acessosHeavy Lero: Black Sabbath na edição #100, por Gastão e Clemente0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

LoudwireLoudwire
As dez melhores bandas de Doom Metal da história

Bill WardBill Ward
As bandas e bateristas atuais que ele acha o máximo

Guns e SabbathGuns e Sabbath
Semelhanças entre faixas clássicas das bandas

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Led Zeppelin"

DarkthroneDarkthrone
Fenriz comenta Sepultura, Sarcófago e MPB

MetallicaMetallica
James Hetfield fala sobre a sensação Ghost

ChorãoChorão
Tico Santa Cruz solta o verbo à sociedade hipócrita

5000 acessosFabio Lione: conheça a namorada e a filhinha do vocalista5000 acessosOzzy Osbourne: filho mais velho do vocalista está falido5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros5000 acessosSlipknot: Corey Taylor mostra nova máscara em detalhes na TV5000 acessosDavid DeFeis: os álbuns que marcaram o vocalista4998 acessosPaul Gilbert: meu impacto no mundo da guitarra é menor que pensei

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013 – apesar de ainda manter por lá uma coluna semanal, chamada Cabeçote.

Mais informações sobre Igor Miranda

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online