Black Sabbath: o mundo do rock ainda precisa deles

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Verdi, Fonte: Rock Opinion
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Começo apregoando contra o sentido saudosista do título acima. Afinal música é eterna. Mesmo que músicos morram, que bandas se aposentem, sua obra ficará pra sempre e sempre será ouvida e resgatada por todas as gerações vindouras. Se, claro, ela tiver conteúdo e relevância. Os Beatles lançaram o último disco em 1970 (há 43 anos), Led Zeppelin em 1980, Hendrix em 1970, Cream em 1969. E todos eles ainda ecoam e povoam aparelhos e ouvidos de muito apreciador de música, desde um teenager até um sócio da terceira idade.

Kiss sobre Secos e Molhados: "há quem acredite em OVNIs"Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom Morello

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muita gente costuma insistir que, da década de 1990 pra cá nada se produziu de qualidade em termos de rock. Invariavelmente, são pessoas que focam seus gostos e interesses nas músicas de décadas anteriores a esta. A luz da minha humilde análise, música boa não tem época. Pode ter sido criada 50 anos atrás ou na semana passada. Evidentemente, no mundo do rock, alguns artistas são seminais, forjaram padrões de arranjos, harmonias e produção, no que se convencionada chamar-se de "estilo". Mas não nos esquecemos de que o próprio Led Zeppelin quando surgiu foi taxado de plagiador, por se utilizar de linhas anteriormente concebidas de blues em cima delas criar novas tendências de efeitos e melodias. Então, música é transformação. Se você gosta de algo novo, que te traga prazer e diversão, não tem problema. Música é pra isso mesmo. Pelé não joga mais, mas ainda podemos ter momentos de regozijo futebolísticos com Neymares e Messis de hoje em dia, num ensaio metafórico.

Então porque abrir este texto com tal título "O mundo do rock ainda precisa do Black Sabbath"? Simples. O Sabbath, na visão acho que da maioria, criou o heavy metal. Lançou discos brilhantes e fez shows poderosos nos anos 1970. E depois dele, muita coisa se desenvolveu e se expandiu no mundo da música. Mas, em 2013, eis que 3/4 da banda originou concebeu "13", um disco de estúdio com faixas inéditas. E o resultado mostrou que a banda soube explorar o máximo da tecnologia de produção contemporânea para mostrar ao mundo do rock que ainda tem poder de fogo em termos de composição. Então o universo do rock dos dias de hoje pode entender que talento não tem idade. É uma amostra analógica de que o rock é eternamente jovem, e é concebido na junção atmosférica dos elementos energia, alegria e melodia. Seja de Chuck Berry, seja do ultra-hiper-pesado-death-grind-noise, seja do viajante-alucinógino-progessivo, seja do alegre-hair-happy-colorido-rock.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além disso, o Sabbath começou uma (que pode ser a última) turnê de sua vida. O Ozzy não é mais o mesmo, não tem mais aquela disposição? Claro que não. Tem 64 anos e uma vida de excessos que o tempo não tarda em cobrar. Mas e daí? As performances estão longe de serem constrangedoras ou degradantes. Além disso tudo, essa história toda de disco novo e turnê da formação (quase) original dá ao rock e ao metal uma exposição significante no mundo do showbizz musical. Quantos novos garotos não vão conhecer e talvez se interessar por esses velhinhos e sua música pesada. E, até onde a idade permitir, porque não pensar na maravilhosa ideia de uma coexistência de artistas sessentões (setentões, certo Macca e Jagger?) a nomes não tão experientes mas ainda históricos (a turma dos 80) e às bandas surgidas nas últimas décadas?

O mundo do rock precisa do Sabbath para evidenciar e relembrar sua história. Assim como precisa do Floyd, AC/DC, Purple, Who, Queen e uma infinidade de monstros sagrados. Estejam eles compondo coisas novas e tocando por aí ou não. Mas, não exijamos muito de nosso raciocínio: velho ou novo, só estará em evidência se existir alguma novidade acerca de sua obra. Não necessariamente uma turnê, como provou o "Celebration Day" do Led.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção OpiniõesTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Tony Iommi: sempre acredite no que você fazTony Iommi
"sempre acredite no que você faz"

Black Sabbath: Ozzy tenta falar com Bill Ward, mas só recebe gritosBlack Sabbath
Ozzy tenta falar com Bill Ward, mas só recebe gritos


Kiss sobre Secos e Molhados: há quem acredite em OVNIsKiss sobre Secos e Molhados
"há quem acredite em OVNIs"

Chris Cornell: a emocionante despedida de Tom MorelloChris Cornell
A emocionante despedida de Tom Morello


Sobre Júlio Verdi

Júlio Verdi, 45 anos, consome rock desde 1981. Já manteve coluna de rock em jornal até 1996, com diversas entrevistas e resenhas. Mantém blogs sobre rock (Ready to Rock e Rock Opinion) e colabora com alguns sites. Em 2013 lançou o livro ¨A HISTÓRIA DO ROCK DE RIO PRETO¨, capa dura, 856 páginas, trazendo 50 de história do estilo na cidade de São José do Rio Preto/SP, com centenas de fotos, mais de 250 bandas, estúdios, bares, lojas, festivais e muitos outros eventos. Curte rock de todas as tendências, em especial heavy metal e thrash metal.

Mais matérias de Júlio Verdi no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280