O conceito perdido de álbum

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski, Fonte: Ideologia Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Led Zeppelin IV, Machine Head, Quadrophenia, Abbey Road, Exile on Main Street, Back in Black, Master of Puppets, Appetite for Destruction, London Calling, Nevermind, entre outros são álbuns clássicos absolutos do rock, tendo como característica comum entre eles a uniformidade estética da arte como um todo, as músicas coesas, um album em si. Esse conceito parece que se perdeu com o tempo.

5000 acessosSarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais5000 acessosA História Impopular dos Rolling Stones - Livro 1 - Brian Jones

O álbum surgiu desde sempre como uma necessidade do artista de expor seu trabalho como um extrato do momento que a banda atravessa, seja da vida pessoal dos músicos, influências, busca de novas sonoridades, enfim, tudo influi. Na década de 60 e 70, os artistas chegavam a lançar dois álbuns no mesmo ano, saindo em turnê na sequencia de cada um para divulga-lo. Dessa forma, as pessoas que não tivessem oportunidade de acompanhar ao vivo seus artistas favoritos poderiam ter um registro dos mesmos para ouvirem quando quisessem, um vinil, K7, mais recentemente, um CD e nos tempos atuais, MP3.

Não se tratava de uma regra, mas as bandas buscavam tornar cada álbum, um registro fiel do momento que atravessavam, pensando na arte como um todo, analisando sequencia das músicas, capa, arte do disco, quais seriam as possibilidades de singles e, antes de tudo, identificar o que queriam transmitir com aquele disco. Não que as gravações fossem feitas de forma mecânica, pelo contrário havia o aspecto fundamental para criação que é o feeling de cada artista, porém os músicos buscavam se superar a cada disco, tecnicamente e esteticamente.

Creio que a forma que se consome música hoje em dia tenha tirado de certa forma o foco do álbum como forma de registro da arte. Como ouvimos muita música no formato MP3, muitas vezes de forma solta, aleatória num playlist qualquer, se perde um pouco a noção do contexto em que se encaixa melhor aquela canção. Outro fator importante é que os álbuns deixaram de alcançar as vendas expressivas que alcançavam nas décadas passadas, distanciando dessa forma, as bandas novas daquele compromisso com o álbum como um todo, aquele capricho de transformar o álbum numa arte completa.

Não estou aqui defendendo aqueles álbuns conceituais, que visam contar uma história a cada faixa, como se fosse uma novela – aliás muitos destes são chatíssimos – mas sim a composição do álbum, buscando que esse torne um lançamento importante, que por mais que não vire um clássico, seja um lançamento importante, digno no mínimo de respeito.

Você pode estar aí do outro lado lendo e pensando que isso é besteira, que estou sendo detalhista. Talvez seja mesmo, mas o fato é que são esses detalhes que podem trazer de volta a boa música ao gosto popular, afinal é comum ouvir uma banda nova com um ou dois grandes singles e ao ouvir o álbum por inteiro se decepcionar completamente devido à falta de homogeneidade entre as canções, melodias, letras e equilíbrio do álbum.

Que as bandas novas tenham mais inspiração e que ao darem a luz aos seus rebentos álbuns tenham mais reponsabilidade ao lembrar que essa arte será um registro eterno dos artistas presentes no mesmo e que se inspirem nos discos citados no começo do texto, pois se conseguirem alcançar dez por cento do que eles fizeram já terão seu lugar garantido na história.

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com.br/2012/08/o-conceito-perd...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 28 de agosto de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões

SarcófagoSarcófago
Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais

Rolling StonesRolling Stones
A História Impopular; a mais completa bio em português

Contra-baixoContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

5000 acessosJames Hetfield: O equilíbrio entre Metallica e vida familiar5000 acessosLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?5000 acessosNamore um cara que goste de Metal4561 acessosJames Hetfield: ele se mudou da Bay Area para poder caçar em paz1450 acessosThe Beatles: liderando lista de artistas mais pirateados do mundo5000 acessosBruno Sutter: tocando música do Death no baixo

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online