Ideologia Rock: Quando a MPB é Rock n' Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski, Fonte: Blog Ideologia Rock
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

MPB, sigla que define a música popular brasileira, rótulo difícil de ser identificado, devido ao significado amplo de popular, sendo que podemos definir tudo que toca no rádio e enche os estádios e festivais como popular, porém, existe também o rótulo Pop, usado para identificar bandas com som mais moderno e aproximado do rock. Por exemplo, tanto Skank, quanto Maria Gadú são populares, vendem discos e se apresentam nos principais festivais do país, mas o Skank se encaixa na prateleira do Pop e a Gadú, na da MPB. Bom, é difícil explicar conceitualmente, mas sabemos diferenciar quando ouvimos.

5000 acessosCorey Taylor: sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch5000 acessosBruce: "Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

O termo surgiu na década de 1960, num momento de declínio da Bossa Nova, e foi popularizada através dos festivais de música, que eram transmitidos em rede nacional e tinham grande popularidade. Nomes como Gilberto Gil, Chico Buarque, Caetano Velloso e Elis Regina se tornaram febre entre o público e ganharam status de astros desde então, com melodias e letras que abordavam os mais diversos temas, como relacionamentos e problemas sociais, sempre com melodias acessíveis e palatáveis para o grande público.

O rock n’ roll já existia desde a década anterior (anos 50), alcançando popularidade através de Elvis Presley, Chuck Berry e Little Richard, e nos anos 60, começavam a surgir principalmente Beatles e Rolling Stones. No entanto, na época o som um pouco mais pesado não era bem visto pela sociedade, sendo que só as pessoas com mais poderio aquisitivo e conhecimento cultural privilegiado consumiam o rock.

Durante o período da ditadura (1964-1985), a MPB teve papel importante na luta contra a censura e manifestações contra o sistema político. Artistas como Geraldo Vandré, com “Pra não dizer que não falei das flores”, procuravam formas cifradas de passarem suas mensagens sem serem barrados pela censura.

Outros como Gilberto Gil e Caetano Velloso, chegaram a ser sequestrados pelo DOPS (Departamento de Ordem Política e Social), porém liberados em seguida e exilados. Além destes, vários outros artistas se envolveram em manifestações em busca da liberdade do país e pela livre expressão através de sua arte. Com o fim da ditadura, em 1985, os artistas puderam finalmente seguir suas carreiras de forma correta, porém sempre com o ranço desse passado de lutas.

Nos dias de hoje, a MPB, na sua maioria, sofre de um ‘bundamolismo’ generalizado, tendo virado música de barzinho, com artistas pretensiosos, que se acham a reencarnação de Bob Dylan, mas só sabem fazer barulhos estranhos, tentando reproduzir sons de instrumentos entre a letra da canção. Em contraponto, há artistas muito interessantes como Lenine, Paulinho Moska, Zeca Baleiro, Arnaldo Antunes, Céu, entre outros.

Quando se fala em MPB, quem ouve rock costuma torcer o nariz e fazer bico, o que pra qualquer um que tenha o antigo hábito de usar os neurônios é uma tremenda bobagem, já que há espaço pra tudo. No meu entender, não é porque ouço Metallica que não posso ouvir Jorge Ben, ou porque ouço Beatles, que não posso ouvir Tim Maia ou algo do tipo. Música boa, é música boa e ponto final, pode ser forró, rock, mpb, samba, se te tocou de alguma forma e você curte, é tudo que importa.

Alguns artistas da MPB podiam facilmente ser incluídos no status de astro do rock, pois tiveram em determinados momentos mais atitude rock n’ roll que muitas bandas coxinhas durante toda uma carreira. Por exemplo, Caetano Velloso, ainda jovem com seus cachos, vestido de forma andrógina, cantando sobre a liberdade; Chico Buarque, com suas letras brilhantes, identificando cada poro da sociedade; os Novos Baianos, com seu swing moderno capaz de conquistar qualquer um através do tempo; toda a sagacidade dos Secos e Molhados à sua época; a sensualidade da voz de Luiz Melodia; todo o ritmo do Tim Maia; o balanço sem igual do Jorge Ben; entre tantos outros.

Certamente são artistas inovadores que foram criativos e tiveram personalidade suficiente para quebrar padrões, questionar valores e se exporem ao ponto de arriscar suas carreiras e, em alguns casos, até mesmo suas vidas, em diferentes épocas do nosso país, na luta por um país livre, longe da repressão. Quer exemplo de atitude mais rock n’ roll que esse?

Se levarmos em conta o rock nacional propagado pela mídia atualmente com a MPB, notamos claramente vantagens para o segundo estilo, basta verificar uma letra do Zeca Baleiro e do NX Zero ou do Lenine e do Fresno para ver qual das duas é mais transgressora e remete à ideologia trazida pelo rock.

Afirmo firmemente que a MPB tem, em vários momentos, muito de rock n’ roll, não só no ritmo ou no andamento das músicas, mas também na ideologia, na postura, nas letras e se analisarmos somente nosso rock nacional perante à MPB, talvez o segundo estilo tenha sido mais transgressor que o primeiro.

Por isso, ponho no mesmo panteão da música nacional, Titãs, Legião Urbana, Barão Vermelho, Raimundos, Raul Seixas, Caetano Velloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, entre outros, sem distinção do estilo que cada um representa, mas sim com respeito ao que cada um representa no cenário cultural nacional.

Disponível também em:
http://rockideologia.blogspot.com/2012/07/figura-do-nerd.htm...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões

Corey TaylorCorey Taylor
Sonhando com sexo grupal com Lita Ford e Doro Pesch

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Olhei para o Paul Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

U2U2
As 10 melhores músicas de todos os tempos da banda

5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"5000 acessosDoors - Perguntas e Respostas5000 acessosAngra: A carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída4561 acessosJames Hetfield: ele se mudou da Bay Area para poder caçar em paz1450 acessosThe Beatles: liderando lista de artistas mais pirateados do mundo5000 acessosBruno Sutter: tocando música do Death no baixo

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online