Sabbath, Wolfmother: A era da falta de identidade musical

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por JOHNNY FREITAS
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quando o BLACK SABBATH lançou seu primeiro álbum, não havia nada parecido com aquilo. Existia o rock, é claro, mas nada soava como o que foi ouvido quando a agulha encostou no vinil. O som da chuva servindo de prenúncio para uma tempestade de riffs sombrios e pesados não encontrava referências em nenhuma obra anterior. Da mesma forma, o blues já era lenda quando o LED ZEPPELIN surgiu, mas onde foi que se ouviu tamanho volume e fúria, aliados a uma produção limpa, sem contar que cada lançamento da banda não soava em nada como o anterior, mantendo mesmo assim, uma identidade e genialidade ímpares? Com o surgimento de bandas como o WOLFMOTHER, por exemplo, a pergunta que fica é: onde toda aquela originalidade foi parar?

895 acessosBlack Sabbath: projeto Home of Metal chega a São Paulo5000 acessosMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupo

O velho ditado de que “tudo se copia, nada se cria” não parecia ecoar naquela época, mas nos dias de hoje chega a ser uma regra, seguida à risca. Não se trata mais de inspiração ou referência, o que se vê no mundo da música são cópias explícitas de tudo o que tenha dado certo em outros tempos. A busca pelo sucesso imediato, e a falta de criatividade, têm produzido um material que, ou desaparece tão rápido quanto surge, ou que causa algum impacto, mas exatamente por gerar a vontade de ouvir as velhas bandas. É claro que toda forma de arte precisa de algum retorno, e seria ingenuidade pensar que o artista produz apenas por auto-realização, mas parte do sucesso e da longevidade de canções como “War Pigs”, “Stairway to Heaven” e “Aqualung”, se deve ao fato de terem sido compostas com o simples objetivo de criar boa música.

No mundo do rock, o surgimento de bandas se dá em proporção geométrica. Garotos sedentos por se expressar através do estilo (nem sempre por rebeldia ou inconformismo, diga-se) surgem em todos os cantos do planeta. Mas a qualidade e o ineditismo têm se revelado inversamente proporcionais. Quando o WOLFMOTHER surgiu, em 2006, com seu auto-intitulado disco de estréia, a sensação era de que a salvação tinha chegado. Riffs poderosos, vocal marcante, visual diferenciado e ainda por cima um power trio... Opa, espera aí, algo está estranho! Esse foi o pensamento seguinte. Os riffs pareciam BLACK SABBATH. A voz era uma mistura de OZZY com GEDDY LEE e tudo soava como se partes de DEEP PURPLE, LED ZEPPELIN, JETHRO TULL e algo de progressivo (inclusive na temática), tivessem sido misturadas em um imenso caldeirão. E personalidade própria? Nenhuma. Era um corpo sem alma, um mosaico, comprovando que a sensação inicial de um milagre ter surgido não passava de reflexo da vontade de fugir do que estava acontecendo na época. Nem é questão de ser bom ou ruim, pois em tempos de sertanejo universitário e funk putaria no Brasil, e de pop totalmente descartável, enlatado nos Estados Unidos para o resto do mundo, bandas como WOLFMOTHER e MARILYN MANSON acabam sendo o suprasumo do rock.

Uma das principais conseqüências da falta de algo original na música é a necessidade de se criar revoluções a todo instante. A tendência atual é a de atribuir ao rap o posto anteriormente ocupado pelo rock. O argumento se baseia no fato de que os artistas do estilo falam de maneira mais contundente aos atuais jovens sobre temas que a pouco estavam mais associados a guitarras, baixo e bateria, como rebeldia e contestação social. Na verdade, o que acontece é apenas uma escolha midiática sobre qual estilo musical ela vai virar o holofote. Ambos falam sobre a mesma coisa, mas com linguagem e suporte diferentes. Outro grande exemplo usado como revolução é o NIRVANA, tida por muitos como a ultima grande banda de rock a surgir. Nevermind é um disco excelente, não há dúvidas, mas como o NIRVANA, havia várias bandas. O grunge, em si, não trazia bandas propriamente originais. Tão pouco parecidas umas com as outras. Por isso mesmo nem pode ser considerado um estilo. Algum produtor esperto percebeu que, em um local específico do globo terrestre, chamado Seattle, havia uma garotada que não dava a mínima para cabelos feitos em salão, limousines e strippers, retratos de uma cena já saturada, jogou todos em uma lata, colou um rótulo com a palavra “grunge” e...voilá, tinha-se um produto para exportação que transformava a despretensão e a simplicidade em estilo do momento. Na mesma salada, a falta de talento de uma DONITA SPARKS acabava misturada com a genialidade de um JERRY CANTRELL. Tudo em nome da revolução.

Porém, é na tentativa de fazer algo novo que os artistas encontram uma barreira quase intransponível: a da aceitação. Muitas vezes, dar vazão aos sentimentos, criando sem delimitar fronteiras, principalmente para artistas já consagrados, pode causar estranheza, o que gera um afastamento e até rejeição por parte do público. O RADIOHEAD é um caso clássico nesse sentido. Discos do início da carreira, como “Pablo Honey” e “The Bends” mostravam uma sonoridade mais redonda, com hits facilmente identificáveis. Mais tarde, Thom Yorke e Cia seguiram por um caminho completamente novo e experimental. Por um lado, estabeleceram uma base fiel de fãs, mas por outro, passaram a ser lembrados mais pela maneira com que lançavam seus discos do que pela qualidade dos mesmos, o que nunca é interessante em se tratando de música (forma x conteúdo). E como não falar de “St. Anger”, do METALLICA? Ali não houve tentativa de criar algo novo, mas sim, um registro fiel da angústia pela qual a banda passava naquele momento. Acabou soando completamente diferente de tudo o que a banda já havia feito e, para o bem ou para o mal, trata-se de um disco corajoso. Mas, apesar destas características inovadoras, pagou o preço da rejeição.

Se bandas como METALLICA e RADIOHEAD, por já terem um som identificável, assim como AC/DC e IRON MAIDEN, não podem trazer algo completamente novo, sendo obrigadas a uma autofagia musical constante, o que se pode dizer das bandas novas? As facilidades de gravação e divulgação proporcionadas pela internet, aliadas ao fato de que o artista não precisa se sujeitar às regras das gravadoras, deveriam servir de suporte para o surgimento de verdadeiras revoluções. Mas, quem se arrisca a criar algo novo acaba por ter uma abrangência restrita, sobrevivendo em pequenos nichos. O restante acaba saturando a rede com as mesmas fórmulas, transformando-se nos clones de sempre, que podem até vir a se tornar o novo WOLFMOTHER, ou seja, vão, por tabela, parecer com..., bom, vocês sabem quem.

Em tempos de reciclagem, onde o novo só aparece através da junção de peças reutilizadas, temos uma geração que corre o risco de não ter nada que a identifique. O único conforto reside no fato de que música é, e sempre será, sobre sentimentos. Amor, ódio, revolta e inconformismo, temas tão caros à música, ainda que embalados de forma pouco ou nada original, serão sempre atemporais.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Black SabbathBlack Sabbath
"Podemos fazer alguns shows pontuais", diz Iommi

895 acessosBlack Sabbath: projeto Home of Metal chega a São Paulo1894 acessosBlack Sabbath: veja unboxing da "The Ten Year War"1284 acessosDoom Metal: os 25 maiores álbuns do gênero0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

The Black KeysThe Black Keys
Baterista Patrick Carney detona o Van Halen

Oh, não!Oh, não!
Clássicos que foram "estragados" pelo tempo

Auto-elogioAuto-elogio
20 bandas que deram o seu nome a músicas

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"0 acessosTodas as matérias sobre "Wolfmother"0 acessosTodas as matérias sobre "Radiohead"

MetallicaMetallica
New Music Express elege as melhores músicas do grupo

Bandas IniciantesBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Classic RockClassic Rock
Elegendo os 10 melhores álbuns de estréia

5000 acessosFotos de Infância: Ozzy Osbourne5000 acessosElvis Presley: as últimas 24 horas do Rei do Rock5000 acessosJoão Gordo: Crente? Vai tomar no cu quem tá acreditando!5000 acessosMastodon: Judas Priest não é Metal, diz Brent Hinds5000 acessosSalvatore D'Angelo: De blues a death metal, e muitos bootlegs5000 acessosFilhos Of The Dark: O carnaval mais Heavy Metal do Brasil

Sobre JOHNNY FREITAS

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de JOHNNY FREITAS no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online