Rock Clássico x Moderno: existe mesmo diferença?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Site do LoKaos Rock Show
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Observe quem é o baixista...
Observe quem é o baixista...

5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy5000 acessosOzzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in Rio

Por Matthew Lasar do site Radio Survivor, traduzido por Nacho Belgrande

Eu ouço muito rock pela rádio aqui na Bay Area de São Francisco e também a rádios de todo o mundo através do meu Android. Muitas dessas rádios se definem como de rock ‘moderno’ ou ‘classic’. Mas estou começando a pensar até onde a diferença original entre os dois gêneros são válidas, já que as faixas etárias dos ouvintes vivem mudando.

No momento, a binariedade moderno/clássico ainda reina. Pegue a estação de ‘classic rock’ de São Francisco, a KUFX. Os top hits dela incluem Queen – “Crazy Little Thing Called Love”, U2 – “Still Haven’t Found What I’m Looking For”, ZZ Top – “Give Me All Your Lovin”, Van Halen – “Pretty Woman”, e Bad Company – “Rock and Roll Fantasy”.

É tudo bem classic rock, até onde eu entenda. Mas outras estações de classic rock no mesmo gênero estão começando a integrar o que eu sempre chamei de rock moderno nas suas playlists. Por exemplo, tem a Sky.fm que a Sky afirma ser de classic rock, mas clama oferecer ‘uma seleção diversa e empolgante de hits do classic rock, desde o hard rock britânico dos anos 70 até rock progressivo dos anos 80.’

Da ultima vez que eu conferi, os hits da Sky.fm incluíam seleções de The Cars, Peter Gabriel e David Bowie. Esses são artistas de classic rock? John Mellencamp, que também está na rádio, um artista de classic rock?

Qual é a diferença histórica entre o rock moderno e o clássico, pra começar? Alguns anos atrás eu trombei com um cara vendendo cópias de The Art of Modern Rock no Metreon em São Francisco. Eu perguntei a ele quando ele achava que o rock ‘moderno’ tinha começado e o ‘classic rock’ tinha acabado. Ele pareceu meio aborrecido com a pergunta. Então eu o deixei quieto.

Eu chuto que o gênero ‘Discoteca’ serve como o marco histórico original entre o rock clássico e o moderno. Entre 1974 e 1979, a disco causou grandes estragos no rock. Ela roubou uma grande parte do público do rock, causando um grande revide anti-disco. A história é muito bem contada no excelente livro de Alice Echols, "Hot Stuff: Disco and the Remaking of American Culture".

Quando o rock voltou no começo dos anos 80, ele o fez roubando o fôlego da disco. Bandas de ‘New Wave’ como The Cars, Devo, Oingo Boingo, Prince, The Talking Heads e Blondie se apropriaram da batida 4/4 e do som urbano que grupos como o Chic e Rick James tinham aperfeiçoado. Artistas como John Mellencamp e Bruce Springsteen não seguiram esse caminho, claro, mas as músicas deles sobre os EUA pós-industrial claramente notavam que os anos sessenta tinham acabado. A mesma coisa fez Bowie com letras como ‘Do you remember your President Nixon? Do you remember the bills you have to pay? Or even yesterday?’

Então, em termos históricos, rock ‘moderno’ e ‘classic’ podem ser realmente definidos como rock pré- e pós-disco. O rock moderno decolou de fato depois da Disco inesperadamente cair em desgraça depois do grandioso lançamento do filme "Os Embalos de Sábado à Noite" em 1977. Mas em termos práticos, quando se pesquisa em estações de rádio de rock moderno/clássico, está ficando cada vez mais difícil detectar a linha clara, viva, entre os dois gêneros.

Agora, além do borrão entre o rock pré e pós-Disco de por volta de 1980, há estações de rádio dedicadas a modern rock como a 99rock que foram ainda mais além. A versão moderna delas do rock moderno reside em Green Day, ou Cake, ou até mesmo Celo Green.

Sendo assim, o rock moderno é agora relativamente o rock ‘novo’. O rock moderno, tal como ele emergiu nos 1980, é nostalgia pelos anos 80. tudo pré-1990 que ainda toca nas rádios se torna automaticamente ‘clássico’ «mesmo que pouco antes fosse ‘moderno’», e os eventos históricos que criaram a distinção entre o rock clássico e moderno estão sendo lentamente esquecidos nesse processo.

Isso não quer dizer que as estações de rádio não possam se chamar de ‘classic’ ou ‘modernas’. Elas podem se chamar do que quiserem. Mas a diferença original entre os dois termos, enraizada em eventos culturais, está se esvaindo da memória coletiva à medida que as gerações mudam.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Opiniões

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Comendo oferenda de macumba no Rock in Rio I

Black MetalBlack Metal
O cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosIron Maiden: o equipamento de palco da World Slavery Tour5000 acessosMarilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"5000 acessosEurope: confissões de Tempest sobre excessos dos anos 805000 acessosRush: o discurso mais criativo e engraçado da música4768 acessosBlack Sabbath: Ozzy seguirá em carreira solo após última turnê

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online