Quando a mídia faz créu para os roqueiros!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Jr
Enviar correções  |  Ver Acessos

Toto, Sonata Ártica, Dream Theater, Ozzy Osbourne, Scorpions, Black Label Society, Korn, Rush, Deep Purple, Iron Maiden, Interpol... Não. Você não está lendo a lista de um festival de rock, do calibre do Rock In Rio. Na primeira linha, deste primeiro parágrafo, temos bandas que vieram e outras que estarão conosco este ano, esvaziando os nossos bolsos, já mazelados pela economia enganosa deste país. O ano de 2008 deve ser um dos tempos mais abençoados para quem gosta de rock. Dos gostos mais variados e nos mais diversos lugares - Scorpions, por exemplo, toca este ano, no Amazonas - temos um leque de opções que há muito não se via no Brasil. Se por um lado há uma felicidade compartilhada por toda a tribo pela consolidação do país como parte do trajeto das grandes bandas em suas turnês mundiais, fica também aquele pequeno gosto amargo na boca de quem ama o rock, acompanhado do seguinte questionamento: Por quê não temos um grande festival de rock em terras tupiniquins?

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosMetallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For All

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando Roberto Medina desistiu de seu projeto (vencedor) e ambicioso - Rock In Rio - aqui no Brasil, alegando falta de apoio da iniciativa privada e também, falta de estrutura organizacional, nunca fui convencido totalmente disto. Tais fatos não podem ser ignorados, mas o peso da informação deveria ser re-calculado. Ver o festival mudar de endereço (Lisboa) e não de nome (por conta da marca), deixa em nós, brasileiros, uma leve e estranha sensação de incompetência.

Se perdemos o segmento que mais patrocinou os eventos cultural-musicais no país nas décadas passadas (a indústria do tabaco), ganhamos as operadoras de telefone móvel, que se envolveram nos festivais de música alternativa. Embora a linha tênue que separa o mainstream do underground esteja se desfazendo na rapidez do novo milênio, ainda não consigo imaginar Cansei de Ser Sexy pisando no mesmo palco em que Deep Purple "quebraria" tudo. Mas, tudo é possível, uma vez que B-52's já fizera o mesmo com Nina Hagen (no primeiro Rock In Rio), que por sua vez também teve Erasmo Carlos e Paralamas do Sucesso. A questão vai além de diferenças musicais e gostos de cada tribo.

Não existe uma proposta formalizada por QUALQUER empresário, especulador ou mesmo por bandas de rock no país, que possam colocar em nosso calendário, cada dia mais híbrido, um grande festival de rock. Infelizmente, quando algo está pronto a se tornar tradição em nossas terras, dá lugar aos empecilhos bestas e burocráticos de um país como o Brasil. Não há como se contentar com shows gratuitos na praia de Copacabana, com um figurão, uma vez por ano. Shows estes que possuem até, ampla cobertura da mídia, porque alcançará um público gigantesco, que consome jornal, vê tv e lê Internet.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando começamos a mexer na ferida, averiguamos que o "buraco é mais embaixo". As grandes rádios rock estão sucateadas - pelo menos em terras cariocas - e são pouquíssimas as opções de programas voltados para o rock na TV aberta. Quando não, são em horários para lá de alternativos, como a MTV fez há um tempo atrás, colocando o único programa dedicado a clips de rock, ás sextas-feiras, onze da noite. Como se o público apenas quisesse ver clips antigos ou saber apenas de discos que serão lançados. O rock sempre foi tratado com uma cultura marginal, mas nunca, em terra brasilis, vimos um descaso tão grande com um público considerável em nosso país.

Enquanto isso, do outro lado do gosto musical, a indústria do créu, cresce a olhos vistos. De forma organizada, possuem emissoras FM, horários em canais de TV e a difusão da sua música nunca morre. Em outras palavras, volta e meia conseguem colocar diante da sociedade, sua expressão e entendimento da vida. Seria muito simplismo partirmos da premissa de que o funk brasileiro é comercial e por isso muito consumido. Não. Isso embora seja verdade, não explica por completo, ou melhor, justifica inteiramente, o porque de não termos em nosso território, uma maior respeito, por assim dizer, a toda massa roqueira existente no país.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Exportamos ao mundo ícones bastante pontuais do rock mundial. Sepultura, Angra, Torture Squad, Shaaman, não são exemplos do acaso. São mostras dignas que a arte produzida em nossas cercanias tem qualidade, pedigree e talento. E aí, verificamos mais um, dos muitos problemas: a classe é desunida.

Será que não temos bandas suficientes em nosso país, que fossem capazes de organizarem um grande evento, sem que fosse necessário artistas de mesmo calibre (e ás vezes até de qualidade duvidosa) lá de fora? Será que economicamente não seria interessante? De cabeça (e você leitor pode fazer o mesmo), penso num sem número de bandas nacionais, dos mais diversos estilos, que poderiam figurar no cast ad-infinitum deste imaginário festival. Que dobradinhas interessantes não poderiam sair deste encontro!

Como dito nos parágrafos anteriores, já temos pouquíssimo apoio da constituída mídia nacional, temos a concorrência desleal do material enlatado que está naturalmente incorporado á rotina do ouvinte brasileiro, através das rádios no Brasil e ainda "contamos" com a falta de união da classe. Algumas das bandas citadas, mesmo com tanta tradição como o Angra e Sepultura, já não possuem a galhardia e a pompa de períodos passados e como seria bom para estas e outras, que pudessem mostrar seus trabalhos a um público cada dia mais sedento por ver seus ídolos ao vivo. Sem contar que seria uma ótima oportunidade para o surgimento de novas bandas, uma vez que somos um celeiro de talentos musicais e isto é incontestável.

Parodiando Martin Luther King, eu tenho um sonho: o dia em que não teremos que ser tão marginais a ponto de nossa literatura e discos, transformarem-se em contrabando a custos altíssimos. Em que as revistas que cobrem o cenário rock, não sejam apenas ilustrativas, mas verdadeiras fontes de informação relevante, sobre nossos ídolos. Dia em que talvez - e por que não? - tenhamos nosso próprio canal de tv e sejamos capazes de organizarmos nossos próprios festivais, "sucessos de bilheteria". Um dia em que, mesmo sem precisar provar nada para ninguém, façamos atos de solidariedade e humanismo, arrecadando alimento todo o tipo de suprimentos, para aqueles que precisam neste mundo mais de comida do que de música.

Todos nós temos direito de sonhar, mas acho que já passou da hora de dormir.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Opiniões

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Metallica: Jason explica o baixo apagado de And Justice For AllMetallica
Jason explica o baixo apagado de And Justice For All


Sobre Daniel Jr

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280