Roy Z conta detalhes da produção de novo do Judas Priest

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Coutinho, Fonte: Ferrante's Power Equipment
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 11/05/05. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

O multifacetado produtor e guitarrista ROY Z (Bruce Dickinson, Halford, Helloween, Downset) concedeu uma entrevista ao site Ferrante's Power Equipment em que discutiu diversos aspectos do processo de gravação do novo trabalho do Judas Priest, “Angel of Retribution”.

412 acessosJudas Priest: álbum clássico "Sin After Sin" completa 40 anos5000 acessosGibson: os 50 melhores covers da história do rock

Confira o bate-papo:

FPE — Quando ficou acertado que você seria o produtor de “Angel of Retribution”, qual foi a primeira coisa que passou pela sua cabeça?
Roy Z — Eu senti que agora o jogo estava começando e que era hora de me preparar física e psicologicamente para completar este trabalho que caíra em minhas mãos. Eu estava pronto para trabalhar e ser desafiado. Eu cresci ouvindo Judas Priest e sou um grande fã da música deles, então eu também estava extremamente excitado. Eu já havia trabalhado com o Rob Halford como produtor e guitarrista, eu já estava prevenido do que era trabalhar com ele, embora eu não tivesse muita familiaridade com os outros membros.

FPERob Halford é um dos maiores vocalistas que o rock já viu. Como foi gravar com um vocalista tão bom assim?
Roy Z — O Rob é um talento incrível. Ele leva seu trabalho muito a sério e é totalmente apaixonado pelo que faz. E também é o cantor que canta em notas mais altas que já vi em toda a minha carreira. Quando ele canta, sinto meus ossos tremerem. Certa vez, durante a turnê da banda Halford, tivemos um problemas no sistema de PA durante a passagem de som. Rob cantou duas sem o microfone funcionar e a banda continuava tocando alto, mas a voz dele continuou demais!

FPE — O “Angel of Retribution” soa demais quando tocado no iPod. Como foi o processo de mixagem?
Roy Z — Quando eu fui mixar o trabalho, para algumas músicas, eu imaginei as músicas com a perspectiva da platéia. Eu me imaginei sentado bem no meio do show, com a banda tocando bem à minha frente.

FPE — Onde vocês gravaram o álbum?
Roy Z — Nos divertimos muito gravando esse álbum. Nós o gravamos em Los Angeles e na Inglaterra e em vários estúdios utilizamos todos os tipos de equipamentos que dispúnhamos, modernos e antigos.

FPE — Fale a respeito de algumas canções, como “Loch Ness”, por exemplo?
Roy Z — Eu ouvi a versão demo inteira de “Loch Ness” antes de entrarmos no estúdio, mas mudamos bastante coisa no arranjo, porém a deixamos bem próxima da versão demo. O refrão dessa música para mim é como uma versão heavy metal 'We Are the Champions', do Queen. Essa música é cheia de melodias triunfantes e gloriosas.

FPE — “Wheels of Fire”?
Roy Z — Quando nós a estávamos gravando, eu me imaginei em uma trilha no deserto, em uma motocicleta, com uma belíssima mulher sentada atrás de mim. É uma faixa que fala sobre liberdade.

FPE — “Revolution”?
Roy Z — Aquele baixo da introdução desta música é na verdade de uma cassete gravada na década de 70. Carregamos o riff para o Pro-Tools e arranjamos a música em torno disso. Fizemos tudo mais ou menos cru, com uma veia anos 70 mais moderna. É uma música bem rock ‘n roll.

FPE — “Demonizer”?
Roy Z — Esta é uma faixa heavy metal meio vampira/demoníaca, como em um filme de fantasia.

FPE — “Eulogy”?
Roy Z — Quase todas as partes de piano neste CD foram na verdade tocadas por Glen Tipton. “Eulogy” é um bom exemplo. Não importa se é na guitarra ou no piano, o Glen toca direto de coração.

FPE — Com que álbum você acha que “Angel of Retribution” pode ser comparado?
Roy Z — Para mim, o Priest que eu cresci ouvindo pode ser amado e interpretado por qualquer outro fã do Priest, então é difícil de falar sobre isso. Mas, para mim, tudo é Priest!

FPE — Agora que você já completou o CD, o que mais lhe impressionou em trabalhar com os caras do Judas Priest?
Roy Z — Eu fiquei impressionado com o modo que eles ficam sintonizados onde estão, como eles tocam bem seus respectivos instrumentos, e como eles estão atentos ao mundo. Tanto K.K. como Glen são grandes guitarristas, e apenas uma ouvida neste álbum isso é evidente. Um desafia o outro de uma forma positiva. Sinto-me afortunado e gratificado por ter trabalhado com eles. Eu aprendi muito. Eles são velhas almas graciosas.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MastodonMastodon
Dailor sofreu após Hinds dizer que Judas Priest não é metal

412 acessosJudas Priest: álbum clássico "Sin After Sin" completa 40 anos600 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1491 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

CapasCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog

Judas Priest e MotorheadJudas Priest e Motorhead
Faulkner e Campbell em foto suspeita!

Viva el rock!Viva el rock!
A tradição argentina de traduzir para o espanhol os títulos dos LPs

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"

GibsonGibson
Os 50 melhores covers da história do rock

Dream TheaterDream Theater
Baterista Mike Portnoy revela seus 10 álbuns favoritos

Lemmy KilmisterLemmy Kilmister
"Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"

5000 acessosÔôôôôeeee: Sílvio Santos aprova montagem com Steve Harris5000 acessosOzzy x Sharon: conheça a mulher que supostamente causou a separação5000 acessosElvis Presley: A filmografia do Rei do Rock5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal3325 acessosLoudwire: 10 incríveis façanhas com baterias5000 acessosHá um Megadeth entre Marty e o Kiko

Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online