Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemDavid Bowie recusou (mais de um) convite para produzir o Red Hot Chili Peppers

imagemAndreas Kisser explica por que o Sepultura mistura Metal com música brasileira

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Stamp

Stanley encontra nova inspiração para a pintura

Por Cleyton Lutz
Fonte: Paul Stanley - site oficial
Em 03/04/07

Enquanto está em turnê solo na Austrália, o guitarrista e vocalista do KISS afirma ter encontrado inspiração em dois elementos: repetição e meditação. Segundo ele, de uma introspecção íntima, um novo conceito nasceu.

"Eu realizei (a pintura) para mim, não é uma coisa como uma obra finalizada, o trabalho é terminado somente pela prática", disse Stanley. "Um dia eu me encontrei olhando para a moldura de ‘Infinite Solitude’ pendurada no meu estúdio, e senti o impulso de lhe dar um novo sopro de vida. Eu estava interessado em ver para onde ‘Solitude’ poderia se dirigir. Eu comecei pintando em cima da tela para criar a sensação de cores densas e profundas, dando caminho para luz, energia e uma nova realidade. É por isso que eu escolhi chamar de ‘After Solitude One’. Eu estou planejando explorar e redefinir tudo em minhas molduras. As possibilidades não têm limites", afirma Stanley em seu site oficial.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A paixão de Paul Stanley pelas artes visuais fez com que ele fosse responsável pelo design de capas de álbuns do KISS, além da atuação da banda no palco e das roupas usadas pelos seus integrantes.

"After Solitude One" pode ser vista no link abaixo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Cleyton Lutz

Estudante de Jornalismo, mora em Guarapuava, PR. Adora escrever sobre futebol e rock 'n' roll. Sobre música, adora o Hardão Setentista (Grand Funk, Uriah Heep, Deep Purple, Led Zeppelin) e o progressivo (Yes, Jethro Tull, Focus). Para música acha que nasceu pelo menos uns 30 anos atrasado. Das bandas atuais gosta de White Stripes, Wolfmother e Hellacopters. Mas sua paixão é o som trascendental do Pink Floyd. Os seus grandes sonhos são ver ao vivo uma reunião dos quatro novamente, como ocorreu no Live 8, além de comprar uma moto com a primeiro dinheiro que ganhar com o jornalismo.

Mais matérias de Cleyton Lutz.