Metallica: "Se não nos dermos bem, o resto é irrelevante"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Douglas Morita, Fonte: Metallica Remains
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 17/09/08. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

A RollingStone.com realizou uma entrevista com o baterista do METALLICA, Lars Ulrich. Confira alguns trechos da conversa:

4578 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn

RollingStone.com: O que é melhor - viajar para shows do Metallica com sua família ou do jeito que era antes, com a banda? Quatro no ônibus, como um punho.

Lars: "Aquilo era muito divertido. Mas se você for fazer isso [tours] nos primeiros anos de vida da sua família, quando está criando os filhos, tentar se estabelecer em algum lugar se torna o jeito de resolver isso. Pare em uma cidade - Copenhagen, Londres, Paris. Você vai e vem. Pode não ser o jeito mais econômico de fazer uma turnê. Mas no geral - é o jeito de manter todo mundo firme. Todos tem seu quarto. O que você não precisa é política de festa, pra dizer às pessoas o que fazer, o que elas podem ou não. Isto não tornará as coisas divertidas. Não vai dar às pessoas o que elas precisam para administrar suas habilidades de sobrevivência, para aguentar esta insanidade".

RollingStone.com: Há um preço a ser pago por isso? A unidade da banda?

Lars: "Para mim, tem a ver com começar a se dar bem. Se nós não nos dermos bem, todo o resto é irrelevante. Se você tem quatro caras que estão felizes, que se dão bem, todo o resto acontecerá automaticamente. Quando a gente vem à Europa todo ano, é basicamente o que nós chamamos de férias de verão. Trazer as famílias, nos estabelecer em algum lugar, tocar shows. Onde mais você poderia querer estar além das capitais da Europa ocidental no verão? Tocar festivais com grandes bandas, vibrações legais, os dias longos? É o paraíso".

"Eu não aceito nada disso sem questionar. Não há absolutos em minha vida. Eu não penso em preto e branco. Eu penso em tons de cinza. Quem sabe onde isso vai levar? Mas no momento, isto funciona. Funciona para a família. Funciona para a banda. Eu não acho que tenha existido uma vibração interna melhor do que esta na banda. E os lugares em que isto aparece e mostra a diferença - naquelas duas horas no palco. Porque as notícias que eu ouço de pessoas que eu confio - há mais fogo, mais tesão, é mais direto. Talvez não devesse ser sobre-analisado. Se as pessoas estão contentes, com elas e suas famílias e umas com as outras, então isso é visível naquelas duas horas no palco".

A entrevista completa, em inglês, pode ser lida clicando aqui.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

MetallicaMetallica
Hetfield é o mais influente da geração para Alex Skolnick

MotorheadMotorhead
Trujillo explica porque Lemmy é uma lenda

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
E se Lars Ulrich fosse o baterista da banda?

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

BurnnBurnn
Os maiores guitarristas Hard & Heavy da história

Iron MaidenIron Maiden
Curiosidades sobre o "The Number Of The Beast"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1982

5000 acessosGuitarristas: os maiores do Hard & Heavy segundo a revista Burnn5000 acessosAnitta: "Eu era roqueira. Comecei no funk por destino."5000 acessosKiko Loureiro: filha ajuda o guitarrista a aprender "Holy Wars"5000 acessosMetallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritas5000 acessosTitãs: "Nheengatu" e as incríveis coincidências nas capas2308 acessosMetallica: os maiores riffs da banda pelo Ultimate-Guitar

Sobre Douglas Morita

Douglas Morita acha que se existem constantes em sua vida, uma delas definitivamente é o Metallica. Fã da banda desde que se conhece por gente, criou o site Metallica Remains em 1998 e considera o grupo como sua principal - porém, obviamente, não única - influência musical. Além do Metallica, tenta ouvir de tudo um pouco, sem se limitar a estilos ou rótulos.

Mais matérias de Douglas Morita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online