Matérias Mais Lidas

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemA incrível história do hit "Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim", de Herbert Vianna

imagemVídeo mostra o Guns N' Roses novamente tocando "Back in Black" do AC/DC

imagemPor que o Pato Fu era confundido com os Mamonas Assassinas, segundo Fernanda Takai

imagemPor motivo de saúde, Tracii Guns faz show inteiro do L.A.Guns dentro do banheiro

imagemEdu Falaschi e as versões de "Bleeding Heart" que "dá uma tristezinha" de ouvir

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemComo o clássico "Angel Dust" fez o guitarrista Jim Martin sair do Faith No More

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemO álbum do Kiss que infelizmente é ignorado pela banda, segundo Andreas Kisser

imagemTico relembra trauma que o fez entrar na Fazenda e briga bizarra com Sérgio Mallandro

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemAntes mesmo do fim do primeiro semestre, Mike Portnoy escolhe seu "Álbum do ano"


In-Edit

Live Aid: "Festival se tornou um lobby político", diz Bob

Por Gabriel Gonçalves
Fonte: Mojo
Em 12/01/11

O website da revista "Mojo" conduziu uma fantástica entrevista com Bob Geldof, vocalista da RATS e mundialmente famoso por ser o idealizador e organizador do "Live Aid", festival que reuniu nomes como Queen, Led Zeppelin e Paul McCartney num único evento, para arrecadar fundos aos famintos na Etiópia.

Na noite de 23 de outubro de 1984, o músico Bob Geldof, além de outros milhões na Inglaterra, assistia ao telejornal matinal da BBC1. O que ele viu – a reportagem de Michael Burke sobre a fome na Etiópia – o sensibilizou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Estávamos vendo uma coisa claramente desnecessária", diz Geldof. "Um crime, na minha opinião. Trinta milhões de pessoas estão morrendo, enquanto na Europa estamos gastando impostos para cultivar alimentos que não precisamos. Gastamos mais impostos para estocá-los e pagamos ainda mais, o que é pior, para destruí-los".

Nesta entrevista, Bob Geldof fala sobre os bastidores do "Band Aid", "Live Aid" e "Live 8".

Quando você viu a reportagem de Michael Burke, quanto tempo você passou pensando, "não posso fazer nada, sou apenas um músico".

Pareceu um grande salto achar que você poderia fazer a diferença. Eu volto para quando eu tinha 11 anos. Eu não era interessado por esportes. As condições pessoais de minha vida eram terríveis. E então o Rock n’ Roll chegou para este "não-mundo", esta agitação, que definiu e articulou completamente o que eu estava pensando. Alguns anos depois, eu comecei um lance anti-apartheid com meu amigo Mike Foley. Eu tinha 13 anos. Eu estava lendo Steinbeck, Studs Terkel, Woody Guthrie, então fui de encontro à pobreza através da cultura popular, de certa forma. Aos 15 anos, eu não precisava ir pra casa, então eu rodava por Dublin a noite toda, com um grupo chamado Comunidade de Simon, fazendo sopa e servindo aos sem-tetos e prostitutas. Aquilo era eu. Então quando você chega ao "Live Aid", não é tão insano o fato de que eu buscaria pela coisa com que eu sempre pude contar: o Rock n’ Roll.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Nos leve daí para o single do Band Aid, "Do They Know It’s Christmas…

Então eu pensei, o que posso fazer? Eu tenho uma plataforma. Eu posso escrever canções, mas o Rats não está conseguindo hits. É embaraçoso, porque se eu escrever uma canção e o Rats estourar, vai parecer que estávamos tentando explorar a situação. Enquanto isso, Paula (Nota do Tradutor: a esposa de Bob Geldof) encontrou com Midge (N.T.: cantor do Ultravox) no The Tube, e ele tem feito alguns hits. Então decidimos escrever algo juntos. No táxi, quando estava indo ver meu amigo, escrevi a letra de "Do They Know It’s Christmas" e os acordes: Dó, Fá e Sol. Então, é claro, ficou claro que eu teria que juntar algumas pessoas. Através do The Tube, acabamos conhecendo o Duran Duran, então liguei para Simon Le Born. Eu vi o Gary Kemp (N.T.: guitarrista do Spandau Ballet) numa loja de antiguidades. Sting faz aniversário no mesmo dia que eu, então liguei para ele. Por volta da hora do almoço, eu tinha uma banda e a maioria da letra, e havia este garoto que veio ver o Rats em Dublin – este garoto se tornou Bono Vox.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Confira a entrevista completa, em português, no www.imprensarocker.com.br.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp