Kiss: "nossa maquiagem nunca garantiu o anonimato"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Samuel Coutinho, Fonte: ultimateclassicrock.com, Tradução
Enviar Correções  

Em entrevista ao Ultimate Classic Rock em fevereiro de 2012, o vocalista do KISS, Paul Stanley, disse que a decisão da banda no início da carreira, em usar maquiagens e se vestirem com trajes selvagens no palco, foi influenciada por algumas fontes inesperadas - ou seja, algumas das bandas aparentemente mais autênticas na invasão Britânica.

Sepultura: quando Paul Stanley, do Kiss, chamou clipe da banda e a elogiou na MTV

Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Nós somos de uma época onde não havia esta grande invasão, com bandas fantásticas, e quando você olhava para uma banda, você sabia que um membro dos STONES não era um membro dos BEATLES porque cada umas dessa bandas tinha visões diferentes", Stanley disse recentemente ao Wall Street Journal. "Todas as bandas pareciam ter o seu próprio cartão de visitas".

"Queríamos dar um passo adiante e a maquiagem parecia ser a maneira perfeita para nós, criamos personagens que simbolizaram e nos personificaram como indivíduos", continuou ele. "Falando nisso, nenhum membro da banda poderia ter uma maquiagem, sem que os outros membros não tivessem. Houve uma ligação que fez tudo isso acontecer".

Quanto ao anonimato, nos bastidores suponha-se que o Kiss sempre foi aconselhado em aparecer nos palcos apenas com maquiagens, Stanley diz que a vida de um membro do Kiss não é igual a de "Clark Kent e o Superman", como as pessoas pensam. "Se você ver um cara andando na rua, com cabelos pretos e compridos e botas de plataforma, você vai dizer que é um membro do Kiss, ou que o circo está na cidade. Então, o anonimato? Não".


Goo336x280 GooAdapHor