Dio: 12a parte de discografia comentada no Minuto HM

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Flavio Remote e Alexandre BSide
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 17/10/12. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Após a saída do Black Sabbath no fim da tour de Dehumanizer, sem participar dos shows de Costa Mesa, Dio novamente se vê na tarefa de (re)montar a sua banda. Vinnie Appice chega a participar dos dois shows de Costa Mesa, porém se reúne com o baixinho após os shows, saindo também do Black Sabbath que, por sua vez, estava rumo a se reunir em sua formação original. O início desta nova fase, em novembro de 1992, traz novamente a formação do início da carreira solo do baixinho, com o recrutamento também de Jimmy Bain para o baixo. A ideia era a mesma de Holy Diver: encontrar a peça chave para a reformação da banda, um guitarrista com o estilo desejado. O início da procura se dá com anúncios nos jornais de Los Angeles, como o Los Angeles Times.

5000 acessosBruce Dickinson: queria Dio, mas empresário achava ele velho5000 acessosMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock

Antes de encontrar o novo membro, porém, Dio faz uma mudança no grupo, demitindo Jimmy Bain em março de 1993. Jimmy não estava correspondendo às expectativas e Dio resolve procurar o seu amigo e também baixista Jeff Pilson para indicações no substituito de Bain. Jeff resolve se auto indicar, sendo plenamente aceito por Dio.

Dio, muito satisfeito pelo último trabalho realizado (Dehumanizer), decide manter o estilo, procurando um guitarrista que se enquadrasse no estilo de Tony Iommi, trazendo um tom mais industrial para sua banda. Além do estilo musical, Dio resolve abandonar para este disco a temática de castelos, dragões, fadas e reis, procurando uma temática mais sintonizada com o problemas do mundo daquela atualidade.

Tendo isso em vista, nenhum dos prévios guitarristas da banda se encaixariam ou estariam disponíveis para o próximo disco: Vivian Campbell, além de ter virado um conhecido desafeto de Dio, após uma participação no Whitesnake (tour de 1987), estava consolidado como o 2º guitarrista do Def Leppard, desde 1992. Craig Goldy não se enquadrava no estilo procurado e Rowan Robertson havia montado sua banda, Violets Demise, com apoio do baixinho.

A procura do guitarrista se estenderia entre os meses de junho a agosto de 1993, quando Tracy Grijalva (Tracy G) é escolhido. Tracy trazia um estilo mais agressivo e sujo que os guitarristas anteriores de Dio, direcionado à procura pelo estilo de Tony Iommi, porém com muito mais modernidade, com o uso extensivo de alavanca e efeitos menos tradicionais.

A gravação de Strange Highways se dá no estúdio Rumbo em Los Angeles com o produtor Mike Fraser, que havia trabalhado recentemente no álbum Coverdale/Page.

Dio resolve agendar o lançamento do álbum em datas distintas, coincidindo com o início da tour nos locais que a banda iria se apresentar. Desta forma, o disco é lançado em outubro de 1993 na Europa e Japão, antes da perna européia da turnê. Dio precisaria completar o lineup de sua banda, com um tecladista, antes do início dos shows. A ideia inicial era trazer de volta Jens Johansson, que não se mostrou interessado, já que o objetivo era novamente manter o tecladista “escondido” nas apresentações. Scott Warren (ex-Warrant) é convocado. Esta primeira tour européia se desenvolve entre 04/11 a 12/12/1993, abrangendo Grécia, Áustria, Suíça, Alemanha, Inglaterra, Holanda e Espanha, tendo a banda Freak Of Nature como banda de abertura e traz boa parte do novo material de Strange Highways, com as músicas Jesus Mary & The Holy Ghost, Strange Highways, Pain, Evilution, Hollywood Black e Here’s To You.

O lançamento americano do disco seria adiado devido a um grande terremoto que acontece em Los Angeles em 17/01/1994, que modifica as datas da turnê americana, além de destruir as casas de Vinny Appice e Tracy G. O disco é finalmente lançado uma semana após o terremoto e a tour se estende por 6 meses, entre maio e outubro de 1994, e no setlist há a inclusão de Give Her The Gun dentro do material do disco novo.

Evilution seria lançado como single e vídeo, que chegou a ser filmado no Hammersmith Apolo em Londres em 12/12/1993, mas no final somente foi lançado como single em Áudio CD com duas versões da mesma música, a do álbum e uma versão edit. Jesus, Mary & the Holy Ghost também seria lançada como single em 1994.

Por fim, há uma tour complementar de Strange Highways no Brasil no fim de 1995, entre as datas de 27/11 a 02/12/1995, nas cidades de São Paulo (com três shows), Curitiba e Florianópolis.

PRÉ-NR:

Antes de montar o Nota do Redator, gostaríamos de registrar duas entrevistas (*)

1) No ônibus da tour de Strange Highways – ilustra um momento especialmente sincero de Dio, que mostra o seu descontentamento do recém-rompimento com o Sabbath e ainda, os leitores do Minuto HM poderão saber em detalhes o que o próprio Dio acha dos álbuns até o momento do lançamento deste trabalho.

2) A entrevista de 03/02/1994 feita por Thomas S. Orwat Jr no seu site, sobre o recém-lançado Strange Highways.

N.R.:

A ideia de Dio em tentar manter a temática e até o som de Dehumanizer nos agrada muito – o resultado, porém…

Encontrar as tentativas de se criar um novo Dehumanizer não é tarefa das mais difíceis em Strange Highways, o vocal é bem rasgado (até mais que no Black Sabbath), como é bem demonstrado em Firehead e Pain, o ritmo é fortemente cadenciado como em Jesus, Mary & the Holy Ghost e o som da guitarra bem “ríspido”, como na entrada de Hollywood Black ou em Evilution.

Mas percebe-se que falta algo para elevar o nível do álbum. Entendemos que dentro do Dehumanizer, a música que melhor ilustra a inspiração para a questão musical procurada por Dio neste álbum é a faixa final, Buried Alive. Essa possui um riff em qual provavelmente definiu fortemente a característica deste Strange Highways. No entanto, a própria Buried Alive tem, como em todo o restante do maravilhoso álbum do Sabbath, uma parte harmônica e melodiosa muito rica em seu refrão, parte esta que também é a base do magnífico solo de Tony Iommi.

Esta alternância de estilos é um ganho fundamental em comparação com as bases de Strange Highways. A entrada de Tracy traz ao mesmo tempo um som um pouco mais moderno e menos engenhoso – e realmente não dá para tentar comparar o nível de composição com Tony Iommi, que sempre foi a peça fundamental da parte inventiva do Black Sabbath. E os solos, que sempre foram destaques de qualquer álbum de Dio, desta vez não acrescentam em dinâmica, melodia ou em contraste necessário. Tracy pode até ser considerado um guitarrista inovador, técnico e rápido, porém falta-lhe muito em harmonia e diversidade, algo que a referência procurada por Dio (Iommi) tinha e tem até hoje de sobra. A falta de melodia também é sentida em todos os riffs do disco: o álbum soa muito monotônico e peca pelo excesso de dissonância.

A cadência rítmica cai bem apenas em contraposição à introdução melódica da música Strange Highways e que apresenta uma melodia mais normal em comparação com as outras “modernas” do disco e talvez por isso seja uma das melhores da bolacha – e escolhida como vencedora da pesquisa do Minuto HM.

http://minutohm.com/2012/10/06/resultados-polls-49-50-e-51-s...

E no meio disso tudo, uma música destoa de todo o resto: Give Her The Gun, que é a nossa preferida, começa com uma balada, que cresce em peso no refrão e que apesar de trazer o tom ríspido, e um solo que não acrescenta no nível da música, é contrastada com uma melodia agradável – talvez seja a única que lembre verdadeiramente o intuito do álbum e se talvez pudesse até se encaixar no trabalho anterior do baixinho com o Sabbath.

Um tiro no pé: ao tentar manter o estilo de Dehumanizer e delinear a escolha do estilo do novo guitarrista, Dio não encontra a criatividade necessária nos novos membros da banda para manter a qualidade do seu álbum anterior e o resultado é o disco que consideramos o mais fraco de sua carreira solo até então. Ao montar um álbum ainda mais “industrial”, Dio afugenta boa parte dos seus fãs, que gostavam da temática “Dragões e Castelos” e não arregimenta muitos novos.

Desta forma, o resultado do disco não é o esperado, vendendo em torno de sete vezes menos que o anterior com o Sabbath. Embora não tenha tido grande sucesso nesta nova empreitada, Dio continuaria com Tracy para o próximo álbum, que é tema da nossa próxima resenha. Até lá.

Flávio Remote e Alexandre Bside.

(*) Para ver as entrevistas, fotos e vídeos da época, acesse a matéria original no Minuto HM:

http://minutohm.com/2012/10/14/discografia-homenagem-dio-par...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Queria Dio, mas empresário achava ele velho para projeto

3 acessosEm 21/05/2002: Dio lança o álbum Killing The Dragon7 acessosEm 15/05/1990: Dio lança o álbum Lock Up The Wolves10 acessosEm 21/03/2000: Dio lança o álbum Magica5 acessosEm 21/07/1987: Dio lança o álbum Dream Evil20 acessosEm 24/02/1998: Dio lança o álbum Inferno; Last In Live0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dio"

Rock In PeaceRock In Peace
As mortes mais marcantes do Rock/Metal

IndependênciaIndependência
Os dez melhores discos solo de estreia

Heavy MetalHeavy Metal
Universo em fantasia; uma trilha sonora do caralho!

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"


Musical BoxMusical Box
Os vinte discos seminais do Hard Rock

Boatos no rockBoatos no rock
Satanismo, supositórios, sexo bizarro?

Beavis e ButtheadBeavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?

5000 acessosMusical Box: Os 20 discos seminais do Hard Rock5000 acessosAlguns dos maiores mitos do Rock n' Roll5000 acessosBeavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?4641 acessosStone Temple Pilots: Scott não tinha condições de ser o vocalista4548 acessosKiss: Paul Stanley e a história de ''I Was Made For Loving You5000 acessosSlayer: treinando antes de fazer no próprio braço

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Flavio Remote e Alexandre BSide

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online