Megadeth: o medo e a incerteza no mundo pós-"'Risk' e Friedman"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O que segue abaixo é um trecho traduzido da autobiografia de Dave Ellefson, "My Life With Deth - Discovering Meaning In A Life of Rock & Roll" - escrito à quatro mãos com a colaboração do autor JOEL MCIVER e prefácio cunhado por ALICE COOPER - no qual ele relata a dor e o desespero daquela ocasião. Nele, o baixista do MEGADETH fala das atribulações da banda depois do fracasso de crítica e público do álbum 'Risk' [1999] e da saída de Marty Friedman da banda.

Grandes covers: cinco versões para "Holy Wars... The Punishment Due"Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

[...]

As tensões entre a banda finalmente explodiram depois de uma longa e acalorada discussão no ônibus de turnê após um show na Filadélfia. Enquanto íamos para Myrtle Beach, na Carolina do Norte, Dave fora enfático em afirmar que deveríamos focar nosso direcionamento musical de volta ao thrash metal. Defendendo ele, ele não queria mais fingir ser uma banda pop. Eu nunca esquecerei o que foi dito em seguida: eu estava sentado no sofá do lado direito da sala e Marty estava do lado da geladeira, quando ele mandou na lata, 'Se for essa a direção que vamos seguir, então eu to fora', e foi dormir. O silêncio era ensurdecedor.

Eu não tinha certeza se queria voltar ao thrash metal old school naquela altura tampouco. Eu não sabia o que eu queria. Por um lado eu achava que deveríamos evoluir, que como humanos, deveríamos crescer em novas direções. Eu gostava de tocar as músicas mais lentas em grandes casas para públicos enormes. Mas aqueles dias estavam chegando ao fim e uma mudança era necessária. Isso estava claro para todos nós.

No dia seguinte, Dave me telefonou em meu quarto de hotel para me informar que Marty tinha saído do Megadeth. Estávamos ambos atônitos. O Que estava acontecendo com a nossa banda?

MARTY FRIEDMAN [ex-guitarrista]:

"Ellefson entendeu minhas razões para deixar o Megadeth. Eu não senti nenhum ressentimento por parte dele, na época ou depois. Foi muito legal da parte dele relevar eu ter saído do Megadeth em um mau momento."

Dave e eu passamos por tantos músicos em nossa carreira, mas quando as coisas estavam em ascensão, ninguém queria sair do Megadeth. Agora que estávamos caindo, aquilo não parecia tão atraente. Restando um mês de turnê, cancelar shows não era uma opção. Tínhamos dívidas, e mal conseguíamos manter a coisa toda funcionando - e agora um componente vital de nossa banda ia nos deixar.

Sabíamos que a reação dos fãs não ia ser boa. Por melhor que Jimmy DeGrasso fosse, muitos fãs do Megadeth sentiam falta da formação de 'Rust In Peace', que tinha contado com Nick Mena. Sem Marty, a coisa seria ainda pior. A equipe estava se desintegrando, mas não tínhamos escolha a não ser marchar em frente. Jimmy era um profissional absoluto, e fracasso não existia no dicionário dele. Ele rapidamente indicou Al Pitrelli como substituto imediato para Marty de modo que pudéssemos continuar com as apresentações.

Ao mesmo tempo, estávamos engrenando nosso primeiro patrocínio corporativo pra valer, com a fabricante de equipamentos de som JVC. Quem é que sabia o que eles iam achar do amassado em nossa armadura causado pela saída de Marty? Nosso primeiro teste de verdade foi um show corporativo acústico para a JVC em uma feira de negócios em Las Vegas no começo de 2000. Pagamos a passagem de avião de Al para que ele fosse nos ver tocar, e ele veio até meu quarto de hotel depois do show para que nos sentássemos e começássemos o processo de aprendizado do set ao vivo de dezoito músicas. Por melhor que Al fosse, ele estava longe de conseguir tocar as partes de guitarra de Marty em tão pouco tempo, muito menos reproduzir o modo de se tocar thrash metal autêntico. Ele era um cara do rock n' roll, não um sujeito curtido no metal.

Felizmente, Marty concordou em ficar por mais algumas semanas, trabalhando diariamente com Al no ônibus para ajudar ele a se adaptar. Eu também me sentava com Al e passava os arranjos, como eu sempre fizera com os novos membros. Al nunca havia estado antes em uma banda que compreendesse o papel essencial de abafamento da palhetada no thrash metal. Mas Al é um músico fantástico, e ele realmente se manteve firme sob pressão.

Na verdade, a estreia de Al com o Megadeth se deu antes do que ele esperava. Marty, que agora viajava de avião para os shows separado do resto da banda, sofreu o que parecia ser um ataque de ansiedade a certa altura, o que exigiu que procurássemos por outro guitarrista imediatamente. Marty deveria ter tocado seu último show conosco no dia 16 de Janeiro de 2000, no Commodore Ballroom em Vancouver, mas o relógio andava, e nem sinal e Marty. Meia hora antes de entrarmos em cena, Dave olhou para Al e disse a ele para se preparar para subir ao palco.

O show correu bem - a banda soava mais pesada do que soara em anos. Essa transição final tanto de Marty como de Nick para fora do grupo precisava acontecer, olhando agora. Al e Jimmy tinham um estilo de tocar muito mais focado na batida, o que ancorava a banda mais do que jamais ocorrera. Como baixista, eu amava aquilo. Estávamos desenvolvendo um novo som. Era revigorante, e mais uma vez, éramos de novo eu e Dave além de dois caras novos. [...]




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Megadeth"


Grandes covers: cinco versões para "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: por que a banda vai abrir para o Five Finger Death PunchMegadeth
Por que a banda vai abrir para o Five Finger Death Punch

Grandes covers: cinco versões para a excelente "Tornado Of Souls"

Megadeth: David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depoisMegadeth
David Ellefson fala sobre Risk, vinte anos depois

Desencontro com Kiko Loureiro: as frustrações de um Guitar Hero (vídeo)Desencontro com Kiko Loureiro
As frustrações de um Guitar Hero (vídeo)

Megadeth: Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine está indo bem na batalha contra o câncer, afirma Ellefson

Megadeth: cinco curiosidades sobre o clássico Rust In PeaceMegadeth
Cinco curiosidades sobre o clássico Rust In Peace

Megadeth: Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma EllefsonMegadeth
Mustaine talvez não esteja presente no Megacruise, afirma Ellefson

Em 24/09/1990: Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da bandaEm 24/09/1990
Megadeth lançava Rust In Peace, o magnum opus da banda

Megadeth: Dave Mustaine está indo bem contra o câncer, diz EllefsonMegadeth
Dave Mustaine está "indo bem" contra o câncer, diz Ellefson

Em 23/09/1990: Megadeth lançava o single "Holy Wars... The Punishment Due"

Megadeth: um passeio de ida e volta pelo Hangar 18Megadeth
Um passeio de ida e volta pelo Hangar 18

Em 19/09/1986: Megadeth lançava Peace Sells... But Whos's Buying?

Judas Priest: K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concertoJudas Priest
K.K. Downing, Tim Owens e Les Binks tocarão músicas da banda em concerto

Megadeth: Ouça dez ótimas versões para músicas da bandaMegadeth
Ouça dez ótimas versões para músicas da banda

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1988

Megadeth: Marty Friedman ficou tempo demais na banda, diz MustaineMegadeth
"Marty Friedman ficou tempo demais na banda", diz Mustaine

Metal: as oito maiores tretas entre músicos do gêneroMetal
As oito maiores tretas entre músicos do gênero


Megadeth: os 10 bens mais preciosos de Dave MustaineMegadeth
Os 10 bens mais preciosos de Dave Mustaine

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Bateristas: Os 30 melhores de todos os temposBateristas
Os 30 melhores de todos os tempos

Plágio ou coincidência: trechos semelhantes no rock/metalPlágio ou coincidência
Trechos semelhantes no rock/metal

Gene Simmons: assédio fez jornalista sair de entrevista nos anos 90Gene Simmons
Assédio fez jornalista sair de entrevista nos anos 90

Nirvana: Claudia Ohana diz que público não a entendeuNirvana
Claudia Ohana diz que público não a entendeu


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGooILQ