Bob Dylan: morre pugilista que inspirou "Hurricane"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Ultimate Classic Rock, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 23/04/14. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?

Rubin 'Hurricane' Carter, o pugilista que inspirou a música 'Hurricane' de BOB DYLAN em 1975, faleceu esta semana, em 20 de abril, em Toronto depois de uma batalha contra o câncer de próstata. Carter estava com 76 anos de idade.

2847 acessosBandas de acompanhamento: algumas tão famosas quanto seus chefes5000 acessosTragédias: 10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal

Embora Carter nunca tenha conseguido um título de campeão mundial, seu histórico foi impressionante na forma como ele subiu na hierarquia do mundo do boxe. Mas sua vida mudou para sempre em 1966, quando três pessoas brancas foram baleadas no Lafayette Bar and Grill. Carter e seu amigo John Artis foram interrogados por suspeita de estar envolvidos n os assassinatos depois de ter sido vistos na área dos assassinatos no carro branco de Carter. Apesar de oferecer álibis plausíveis, os dois homens foram presos meses depois e foram posteriormente condenados pelo crime por um júri todo branco, em grande parte baseado no testemunho de dois ladrões que mais tarde desmentiram suas histórias.

A história de Carter chamou a atenção de Dylan após o boxeador ter enviado ao cantor uma cópia de sua autobiografia de 1974. O compositor ilustre conheceu Carter e co-escreveu 'Hurricane' com Jacques Levy. Dylan cantou a música em sua Rolling Thunder Revue Tour e incluiu uma versão de estúdio da canção em seu disco de 1976, 'Desire'.

A letra de 'Hurricane' incisivamente confronta a injustiça enfrentada por Carter durante seu julgamento: "Todos os cartões de Rubin foram marcados com antecedência / O julgamento era um circo de porcos em que ele nunca teve uma chance / _ juiz tomou como testemunhas de Rubin bêbados das favelas / Para os brancos que assistiam, ele era um vagabundo revolucionário".

Carter acabou recebendo um novo julgamento, em 1976, mas acabou sendo condenado pelo crime pela segunda vez. Nove anos mais tarde, graças à notoriedade que a seu caso tinha sido dada, a apelação de Carter foi ouvida pela primeira vez em um tribunal federal. Citando que o Ministério Público tinha "fatalmente infectado o julgamento", promovendo uma teoria de vingança racial sem provas, e ocultado provas que refutariam as identificações das testemunhas, Carter viu suas acusações formalmente retiradas em 1988.

Carter se mudou para Toronto logo após a sua libertação. Ele passou a servir como diretor executivo da Associação pela Defesa dos Injustamente Condenados de 1993 a 2004. Sua história foi para o filme de Hollywood 1999 'Hurricane', estrelado por Denzel Washington.

Em uma entrevista de 2011 com a PBS, Carter disse: "Eu não iria desistir. Independentemente de que me condenassem a três penas perpétuas de prisão. Eu não iria desistir. Só porque um júri composto por 12 pessoas mal informadas... consideraram-me culpado não me faz culpado. E porque eu não era culpado, eu me recusei a agir como uma pessoa culpada".

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

2847 acessosBandas de acompanhamento: algumas tão famosas quanto seus chefes3167 acessosRock In Rio: fã cria line-up só com artistas "inéditos" desde 20110 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Bob Dylan"

Bob DylanBob Dylan
Fazendo show para um único fã

Judas PriestJudas Priest
A história por trás da música "Diamonds & Rust"

Time MagazineTime Magazine
Os 100 maiores álbuns de todos os tempos

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Bob Dylan"


TragédiasTragédias
10 das piores ocorridas em shows de Rock e Metal

Separados no nascimentoSeparados no nascimento
Edu Falaschi e Luciano Huck

KissKiss
"Rock não tem segredos! É trabalho para otários!"

5000 acessosLemmy: "as pessoas se tornam melhores quando morrem"5000 acessosMetallica: Jason Newsted, 14 anos de humilhação5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"4060 acessosLed Zeppelin: tirando o pão da mesa dos covers5000 acessosMetallica: Lars elege os seus álbuns preferidos de hard rock e metal5000 acessosSebastian Bach: "Moves like Jagger" travestido de Adam Levine

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 23 de abril de 2014


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online