Bandas Novas: não sejam BURRAS de pagar para tocar

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Eu moro em Los Angeles. Estou aqui faz pouco menos do que 4 anos, mas, durante esse tempo, eu conheci excelentes músicos na cidade, todos talentosos o suficiente para estourar a qualquer momento. A triste realidade é, em uma cidade tão saturada de músicos incríveis, a nata não vai subir pra parte de cima da xícara tão rapidamente como subiria em outras cidades.

Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoMusas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidade

Todo mundo que é ótimo aqui está no mesmo nível - tendo vitórias ocasionais aqui e ali. Alguns conseguem uma turnê grande e caem na estrada. Alguns são contratados e passam pela montanha russa das grandes gravadoras. Alguns se focam no YouTube. Alguns ganham a vida trabalhando em estúdios. Alguns voam pelo país tocando em faculdades. Alguns montam no carro e excursionam pela costa e pelo interior sozinhos. Mas o que todos esses músicos não-estelares de Los Angeles têm em comum é que, quando tocamos um show na cidade, nós aceitamos acordos miseráveis. Como é que eu sei que esses contratos são miseráveis? Bem, eu já agendei centenas de shows em quase todas as grandes cidades do país e sei como as outras cidades procedem.

Isso não vai ser uma matéria sobre Los Angeles [isso daria um livro], mas sim sobre as casas que exigem que você 'pague para tocar'.

Vamos explorar algumas das várias situações ofertadas às bandas pelas casas e produtores todo dia:

O PIOR

Exigir que as bandas comprem uma cota de ingressos antecipadamente

DO QUE SE TRATA: Tipicamente, isso acontece com 'produtores' que ficam de tocaia no [site] Reverbnation [antigamente era o MySpace], acham bandas ingênuas e prometem a eles apresentações em casas conhecidas. Tudo que você, a banda, tem que fazer é vender 35 ingressos [que você tem que comprar antecipadamente ou pagar antes de subir ao palco]. Mas hey, você fica com 3 dólares de cada ingresso que vender! Que bocada! Exceto por você ter que comprar os ingressos por $12 e vender a $15. Se você fizer as contas, você está ganhando 20% do que as pessoas pagaram apenas para ver você - o que é o contrato mais filho da puta na história dos contratos filhos da puta.

ISSO É JUSTO?: CLARO QUE NAO! Como é que esses 'produtores' se safam desse cambalacho para cima de bandas novas que não sabem de nada e fazem qualquer coisa para tocar naquela casa - incluindo aí pagar muito por isso? Por mais tentado que eu fique a dar os nomes desses produtores filhos da puta que fazem isso [e como eu gostaria] eu não o farei e espero que um número suficiente de vocês leiam esse artigo e digam a eles, educadamente, que se fodam quando entrarem em contato com vocês [como eu já mandei muitas e muitas vezes].

+++ Historinha engraçada: No meu último ano em Minneapolis, um desses produtores ficou me enchendo o saco para tocar em uma casa na qual eu já havia sido a atração principal da noite várias vezes. Eu disse a ele que geralmente eu coloco 500 pessoas em meus shows como atração principal e não estava interessado na proposta dele [já que eu tinha uma boa relação com o dono da casa]. Ele respondeu explicando quanto dinheiro a mais eu poderia fazer com o acordinho filho da puta dele se eu colocasse 500 pessoas lá [duh!]. Eu repliquei dizendo que 'não, obrigado' e que por favor não me contatasse mais. Eu então fui abordado pela mesma 'pessoa' várias vezes por email nas semanas seguintes. Eu fiquei cada vez mais irritado, até que eu finalmente entrei em contato com o dono da casa e disse a ele o que estava acontecendo e como isso estava queimando o filme do lugar e como eles deveriam parar de trabalhar com esse organizador. O dono cancelou o próximo show dele e não trabalhou mais com essa pessoa desde então. PRONTO! Mais bandas precisam fazer isso em mais cidades.

LIÇAO APRENDIDA: Não pague para tocar em casas legais. Você será PAGO [uma boa quantia] para tocar nelas quando você puder arrastar um público substancial até elas.

UM MUITO RUIM

A casa pega o número do cartão de crédito de alguém da banda no começo da noite para cobrir a diferença da quantidade mínima de pagantes.

DO QUE SE TRATA: Isso é quase tão ruim quando a situação anterior. Uma casa pega o cartão de crédito de uma banda no começo da noite e, a menos que um certo número de pessoas pague para ver a banda [o porteiro tem uma lista comparativa] a um preço absurdo de couvert, a casa debitará a diferença no cartão da banda. Eles geralmente exigem um mínimo de 50 pessoas para assistir você a $15 por cabeça [do qual eles ficam com 100%] e daí então dividem tudo 50/50. Então, se você colocar 100 pessoas, você sai com $375, e a casa fica com $1125. Basicamente, você está recebendo 30% SOMENTE se você colocar 100 pessoas. Se você trouxer 50, você não ganha nada. Isso acontece de fato em casas de Sunset Strip.

ISSO É JUSTO?: Não. Você e a casa deveriam estar no mesmo barco. Você se arriscou tocando no palco deles, eles deveriam arriscar em você. Eu entendo, eles estão tentando se proteger financeiramente, mas há modos muito mais éticos de se fazer isso.

LIÇAO APRENDIDA: Se a casa não tem fé que você vai trazer público, então não aceite o show.

RUIM

Casas que cobram uma 'taxa de aluguel'.

DO QUE SE TRATA: Casas noturnas que também abrigam eventos privados como casamentos ficaram atentas ao fato de que estavam ganhando muito mais dinheiro quando realizavam festas de casamento ao alugar a casa do que quando organizam uma noite de shows. Então elas pensaram, 'por que não pedir às bandas quase o mesmo valor para organizar um show em nossas belas instalações?' Eles farão você alugar o lugar por uns $1500. Você pode cobrar o quanto quiser e ficará com 100% do valor arrecadado [se tiver sorte]. Você está essencialmente fazendo as vezes de produtor. Ah, você também é músico? Hm.

ISSO É JUSTO?: Bem, não é o ideal. A casa está basicamente garantindo o seu e vai conseguir a despeito de você levar alguém ou não. Eles estão apenas admitindo que têm ZERO de chance na sua capacidade de atrair público e lhe farão um grande favor ao DEIXAREM que você toque lá [por uma quantia exorbitante].

LIÇAO APRENDIDA: Eu geralmente aconselho a não fazer isso. Toque em outra casa que ofereça um contrato justo e padronizado. Ou, esmiúce os números e se você achar que você levará pessoas em número suficiente para fazer deste um acordo que vale a pena, mete a cara. Ajuda pagar de organizador de vez em quando.

SUSPEITO

Casas que só te pagam depois que certo número de pessoas tiver vindo ver você

DO QUE SE TRATA: Eu só vi esse tipo de acordo em Los Angeles e Nova Iorque [algumas outras cidades estão aderindo]. Basicamente, o porteiro tem uma comanda na porta com o nome de cada banda nela. A casa bola um modo à parte [padrão] para negociar com cada banda. Tipicamente, você só recebe se um certo número de pessoas [já vi de 1 a 75] pagar para lhe assistir [e não às outras bandas do evento]. Daí você recebe uma fatia do bolo a partir do primeiro tostão pago acima da cota. O que quer dizer que se o mínimo for de 35 pessoas a $10 e você levar 33, você sai com $0 [e a casa pega os seus $330 - e todas as bebidas que os seus fãs compraram]. Contudo, se você levar 35 pessoas [e o acordo for de 60%] você sai com $210.

ISSO É JUSTO?: Até é, mas não muito. Por cima, parece que eles só estão cobrindo suas despesas, MAS, se eles têm cinco bandas no programa e cada uma tem que levar 35 pessoas a $10, a casa acaba ficando com MUITO MAIS do que apenas o necessário para cobrir despensas. Se cada banda levar 30 pessoas a casa fatura $1500 [30 pessoas x $10 x 5 bandas] e cada banda ganha $50. Vai se fuder!

LIÇAO APRENDIDA: Eu não gosto destes acordos porque eles encorajam a competição entre os artistas e não a postura 'estamos todos no mesmo barco' - da qual eu compartilho. Você tem 0 de incentivo para trabalhar com as outras bandas do cast para que a coisa dê certo, encorajando que os fãs fiquem do começo ao fim. Por causa disso, bandas em Los Angeles e Nova Iorque não se conhecem muito bem e tipicamente aparecem pouco antes de seu show e saem logo depois - o que aliena aos fãs também. É MUITO raro ver fãs em LA ou NYC ficarem na casa para uma noite inteira de música [por causa dessa prática]. As casas não se dão conta de que se elas parassem de oferecer tais acordos e começassem a encorajar a promoção do evento como um todo, elas ficariam com mais gente dentro por maia tempo [mais venda de bebidas]. Mas até aí, eu não mando nessas casas.

O PADRAO

As casas deduzem um valor do montante arrecadado

DO QUE SE TRATA: A casa deduz um montante do total pago à porta antes de rachar a portaria. Eu já vi desde $50-$1500 num clube com capacidade de 700 pessoas ou menos [$1500 no Roxy da Sunset Strip]. O padrão é $50-350 dependendo do tamanho da casa. Qualquer coisa acima de $350 por uma capacidade menor do que 700 pessoas é um roubo.

ISSO É JUSTO?: Claro. Eles não precisariam contratar um técnico de som ou um porteiro se você não estivesse tocando lá naquela noite. Esse dinheiro [geralmente] vai diretamente para essas pessoas e daí a casa divide o resto com você de modo justo. Mas quando as casas começam a cobrar você por segurança e bartenders [como o Roxy], daí então você deveria reagir: 'Ah bem, nosso pessoal do merchandise custa $100 cada noite, nosso técnico de guitarra cobra $250 e nosso gerente de groupies custa $300. Vamos deixar assim?'

O BOM

Portaria dividida totalmente

DO QUE SE TRATA: Muitas casas ficam felizes em ter você e dividirão a portaria com você desde a primeira pessoa que pague o couvert. O acordo é esse. Se 50 pessoas entrarem a $10 e você tiver uma proporção de 70/30 com a casa, você sai com $350.

ISSO É JUSTO: Com certeza. Eu vejo esse acordo de vez em quando, mas a maioria fica com pelo menos $50 para pagar o técnico de som.

O EXCELENTE

Garantia mais % da Portaria

DO QUE SE TRATA: Se você já for mais estabelecido e tiver um excelente relacionamento com a casa, você pode negociar esse tipo de acordo. Tem que ter bala na agulha, e um histórico comprovado com o lugar. As casas fazem isso por você para que você toque nelas [e não na concorrência]. Devido a seu histórico comprovado, eles se sentem seguros de que a quantidade de divulgação que eles farão trará pessoas o suficiente a seu show para que ele seja financeiramente compensador para eles.

ISSO É JUSTO?: Com certeza. Você fez por merecer!

Há uma linha tênue entre o aceitável, ético, bom para os negócios e produtivo para a carreira.

Olhe pelo ponto de vista da casa: eles estão se arriscando a cada vez que abrem as portas para um show. Se ninguém aparecer, eles têm que perder dinheiro [porteiro, cara do som, bartender, eletricidade, calefação, refrigeração, e por aí]. Se for uma casa unicamente dedicada à música e não abrir a menos que seja para um show, então eles estão perdendo dinheiro a partir do momento em que abrem as portas, até que as pessoas [de preferência que bebam] entrem na casa.

A ideia mais errada que as bandas têm sobre esses lugares é que a casa vai divulgar seu show e trazer gente para dentro. As casas acham que as bandas deveriam divulgar seus shows e trazer pessoas. No fim das contas, os dois acabam não promovendo o show e ninguém aparece.

A razão pela qual todas as casas em A e NYC podem criar acordos tão horrendos para as bandas é porque há MUITAS bandas dispostas a aceitar tais acordos. Se uma banda se recusar, há 10 outras esperando na fila [talvez não tão boas] e que vão topar. Casas em cidades menores tendem a criar acordos melhores para atraírem as bandas boas, que trazem público. Elas se dão conta que se oferecerem acordos leoninos e uma certa quantidade de bandas não aceitar, não haverá banda alguma para tocar na casa deles e eles irão à falência.

O mais importante a se entender é: NAO TOQUE EM UMA CASA GRANDE SE NAO PUDER LOTÁ-LA. Faça shows em casas menores e as lote. Abra para bandas maiores em casas maiores para construir seu público. Continue lotando as casas pequenas e eventualmente você poderá passar para as grandes com bala na agulha o suficiente para arrancar um acordo justo.

Texto original por ARI HERSTAND




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Indústria Musical"


Postura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músicoPostura
12 coisas que você nunca deve dizer a um músico

O Triste Fim: Futuro do rock pertencerá a bandas tributo e franquiasO Triste Fim
Futuro do rock pertencerá a bandas tributo e franquias

O Som do LP de vinil é superior?: Sabe de nada, inocente!O Som do LP de vinil é superior?
Sabe de nada, inocente!


Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Musas do Metal Nacional: combo de talento e sensualidadeMusas do Metal Nacional
Combo de talento e sensualidade

Bandas Iniciantes: 17 maneiras de assassinar sua carreira musicalBandas Iniciantes
17 maneiras de assassinar sua carreira musical

Ultimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaUltimate Classic Rock
As 25 músicas mais tristes da história

Beatles: Perguntas e respostas e curiosidades diversasBeatles
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Bruce Dickinson: a roupa mais ridícula que ele usou no palcoBruce Dickinson
A roupa mais ridícula que ele usou no palco

Guns N' Roses: a verdadeira história de Rocket QueenGuns N' Roses
A verdadeira história de "Rocket Queen"


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336