Vinil: retomada é sustentada pelos hipsters, aponta jornalista

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos

A marcha da inovação propulsiona a capacidade tecnológica que alavanca níveis outrora considerados inatingíveis, produzindo novas criações que melhoram nossas vidas e comunidades. Contudo, mesmo os mais aficionados por tecnologia entre nós por vezes fica nostálgico lembrando dos dias em que todos os produtos eram tangíveis. Fotografias de família existem majoritariamente em nossos telefones. Blocos de papel estão desaparecendo. Até mesmo calendários de parede com suas adoráveis fotos de gatos são vistos cada vez menos [ok, esses até persistem, mas calendários de bolso já se foram]. Talvez o lento dissipar desses itens icônicos seja o que explique o Record Store Day.

Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollSounds Entertainment: as 100 melhores músicas do Heavy Metal

O evento foi um tipo de celebração de retomada, criado em 2007 por artistas, consumidores e donos de lojas independentes de discos que se uniram por volta da mesma época que as vendas de música online estavam superando as desses varejistas. Naquele período, parecia que os discos seriam riscados do mapa, algo que os mais puristas veem como um esforço final para assegurar mais lucros para a indústria musical. Desde os cartuchos de 8 pistas até as fitas cassete, passando por fitas digitais, Compact Discs e MP3, as gravadoras têm nos dito como e quando ouvir algo. Eles então nos forçaram a comprar todos nossos discos antigos em novos formatos.

Interessado em ver o Record Store Day de perto, eu dei uma passada na Tres Gatos em Jamaica Plain, uma das mais ou menos doze participantes na área de Boston. O que eu esperava achar era uns tiozões procurando arrebatar o relançamento de Joan Baez ou dos Everly Brothers. Ao invés disso, eu me deparei com a febre dos discos. O lugar estava lotado de hipsters de 20 e poucos anos ávidos por vinil. Muitos deles chegaram antes da loja abrir, ficando em uma fila que dava volta no quarteirão.

Uma das pessoas com as quais eu conversei foi o residente de Jamais Plan Max Nagel, de 21 anos, que comprou uma compilação do selo independente Father/Daughter, uma das únicas 500 cópias lançadas especialmente para a data. Ironicamente, quando Max nasceu, os discos estavam sendo descartados, enquanto novos lançamentos como "The Hits/The B-Sides" de Prince, eram lançados em Compact Disc, e não em vinil, uma tendência que só aumentaria anos noventa adentro.

Ainda assim ele pagava de viciado em vinil, me dizendo que os LPs simplesmente soam melhor do que música baixada. Ele não era o único a pensar de tal modo. Riley Berry, 24 anos, me disse que seus pais a criaram com vinil, acrescentando ainda que, ao contrário dos downloads, um disco pode ser segurado em suas mãos, enquanto ela orgulhosamente ostentava a trilha sonora do filme "O Primeiro Ano Do Resto de Nossas Vidas" que ela tinha acabado de comprar. Seu amigo, Seth Cannon, de 25 anos, que trabalha na Whole Foods, lembra-se do sopro de cheiro de disco que ele inalava toda vez que abria o armarinho na casa de sua família em Bridgewater, onde ele cresceu.

Eu não tenho um toca-discos, mas eu me vi, repentinamente querendo um, estranhamente atraído ao movimento. Esse sentimentalismo faz sentido. Um disco é algo pessoal, e fisicamente lhe traz ao processo da audição. Você se torna uma parte ativa da música, à medida que coloca o disco na prato, e aperta botões para ligá-la. Estabeleça um contraste entre isso e clicar em um link no seu laptop ou tablet. É meio que equivalente entre construir uma fogueira para se aquecer, ao invés de simplesmente ligar o termostato.

Seja por nostalgia, melhor qualidade sonora, ou simplesmente por um módico sentimento de controle, parece que o movimento do vinil está dando certo, e as grandes gravadoras estão prestando atenção. De acordo com o site Statistica, as vendas de LPs subiram 250 por cento desde 2002, enquanto todas as outras mídias fonográficas, incluindo o download, decresceram ano passado.

Ironicamente, o fenômeno que propulsionou esse frenesi - a inovação tecnológica - agora fechou a mandala. As mesmas ferramentas que fizeram do iTunes algo amplamente bem-sucedido agora libertam tanto os artistas como os consumidores para superá-lo juntos. Um crescente número de artistas está lançando material por si próprio, e em alguns casos, de graça. Mas uma coisa parece certa: depois de 113 anos em circulação, o disco parece ter chegado para ficar - pelo menos por enquanto.

por MIKE ROSS para o THE GLOBE




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Indústria Musical"


Álbuns mais vendidos: a lista de um consultor do New York TimesÁlbuns mais vendidos
A lista de um consultor do New York Times

A Música É O Que Importa: e mais 16 mentiras em que músicos creemA Música É O Que Importa
E mais 16 mentiras em que músicos creem

Pirataria: Os 20 álbuns mais baixados ilegalmente no Reino UnidoPirataria
Os 20 álbuns mais baixados ilegalmente no Reino Unido


Hall Of Fame: 500 Músicas Que Marcaram o Rock and RollHall Of Fame
500 Músicas Que Marcaram o Rock and Roll

Sounds Entertainment: as 100 melhores músicas do Heavy MetalSounds Entertainment
As 100 melhores músicas do Heavy Metal

Drogas: As melhores músicas sobre o temaDrogas
As melhores músicas sobre o tema

Nirvana: Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivoNirvana
Dave Grohl explica porque não toca clássicos ao vivo

Metallica: ouça Nothing Else Matters em escala maiorMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior

Rolling Stones: Keith Richards já puxou faca após se irritar com Donald TrumpRolling Stones
Keith Richards já puxou faca após se irritar com Donald Trump

Rock In Peace: As mortes mais marcantes do Rock/MetalRock In Peace
As mortes mais marcantes do Rock/Metal


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336