Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemHumberto Gessinger faz símbolo do "L" do Lula com a mão em show e fãs vibram

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemOzzy Osbourne revela o único integrante de sua banda que saiu "do jeito certo"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemO erro geográfico na letra de "All Star", música que Nando Reis fez para Cássia Eller

imagemIan Gillan conta como foi sua primeira saída do Deep Purple, em 1973

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemMark Knopfler e o peso da vida de um artista em turnê, por Regis Tadeu


Stamp

Dorsal Atlântica: algumas curiosidades sobre o Antes do Fim

Por João Paulo Andrade
Em 09/06/18

Em 2017 a banda Dorsal Atlântica divulgou uma lista de curiosidades sobre um dos álbuns mais clássicos do Metal Brasileiro, lançado em 1986. Leia abaixo.

1 – O selo paulistano que contratou a banda para gravar o álbum, prometeu vários dias de gravação que na hora foram substituídas por apenas 18 horas. O disco foi gravado ao vivo pela falta de tempo, tendo como acréscimos uma dobra de guitarra e as vozes, tudo em 12 horas. A mixagem foi realizada em mais 6 horas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

2 – A caveira com os olhos esbugalhados tornou-se a capa porque no último dia de estadia dos donos do selo paulistano no Rio, eles não aceitaram a capa proposta pela banda, uma foto de três cadáveres. Alegaram que era anticomercial, apesar de os mortos expressarem o conteúdo político do álbum e a agressividade da música. "Ou a capa aparece agora ou vamos decidir por nós mesmos em São Paulo!", foi dada a sentença. A solução foi fotografar uma camiseta pintada à mão, a partir de um cartaz de um filme de terror da produtora inglesa Hammer. Por não terem posicionado a camiseta corretamente, o logotipo da Dorsal está torto.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

3 – A caveira da capa representa um torturado político pela ditadura.

4 – O Antes do Fim é o primeiro disco latino americano a somar hardcore, punk e metal.

As composições do "Antes do Fim", considerado um dos mais importantes discos de todos os tempos, falam sobre a segunda guerra mundial, política e relações humanas. Em entrevista à edição de dezembro de 2016 da revista Roadie Crew, Carlos Lopes fala sobre cada uma das faixas.

"Caçador da Noite": A letra fala sobre um latino estuprador que assustava Los Angeles em 1985. Richard Ramirez era fã de metal, na verdade de AC/DC e Judas Priest. Escrevi sobre minorias raciais e a má interpretação da música em mentes distorcidas. Era uma evolução incrível em relação ao "Ultimatum" gravado apenas um ano antes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"HTLV-3": Na época, os primeiros sintomas do que viria a ser conhecido como AIDS estavam sendo catalogados como HTLV. Escrevi sobre abandono e preconceito. Sempre me senti diferente e a música fala sobre isso. A intro de baixo foi inspirada nos discos de hardcore. A mudança para um ritmo cadenciado, no meio de músicas muito rápidas como essa, tornou-se uma característica da banda. Essa quebra ("paradinha" no popular) deixava o pessoal mais louco ainda, parecia que o mundo ia acabar.

"Álcool": Eu bebia (vodca e cerveja) e uma noite minha namorada me carregou no ombro para casa porque eu não conseguia ficar em pé. Foi uma longa caminhada. Há um solo melódico, outra marca da banda, desde "Princesa do Prazer". A batida tribal do início é uma chamada hipnótica para o combate.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Depressão Suicida": A depressão me acompanhava. O resto é fácil entender. O riff é bem difícil de tocar, outras das características do hardcore "complexo" que desenvolvi.

"Vorkuta": Li sobre Mengele, "O anjo da morte" e Stalin, os dois Josephs. O ditador russo enviava seus desafetos para campos de concentração. Lá trabalhavam para o Estado extraindo carvão. Era uma analogia à ditadura brasileira. O riff é dificílimo de tocar.

"Joseph Menguele": O riff é matador, ainda mais com o solo melódico inspirado em "Highway Star" do Deep Purple. Ao vivo, a cada novo presidente (ou ditador) eu mudava o refrão de Joseph Mengele para José Sarney, Fernando Henrique, etc.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Guerrilha": Essa era da época do Ultimatum e não lembro porque não foi incluída no disco. Um verdadeiro clássico político sobre a guerrilha do Araguaia: "Guerrilha por Liberdade, Guerrilha em busca da Verdade".

"Inveja": Assim que alguns fãs tiveram suas próprias bandas, eles passaram a nos malhar, isso em um período bastante curto, tipo uns seis meses após o lançamento do "Ultimatum" em 85. A coisa fluía bastante rápido nessa época. A melhor banda seria aquela que tocasse mais rápido. O resto era besteira, inclusive "inúteis" letras com profundidade. Uns diziam que éramos hippies. O negócio era ser nazista e anti-Deus, sem saberem o porquê. As nuances e os ritmos diferentes dessa música refletem os sentimentos que temos ao nos confrontar com esse tipo de coisa: surpresa, horror, desprezo, raiva, até a vitória final sobre o inimigo. Por fim a paz é selada com o perdão do "hippie vencedor e grande-pai do movimento".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Morte Aos Falsos": Essa última faixa é da época do "Ultimatum", que não havia sido gravada. É uma sequência do tema de Inveja. Isso era bem "progressivo", dividir a mesma ideia em faixas diferentes. Quis escrever a música mais rápida possível, a mais brutal, com mais raiva para fechar o disco. Essa faixa é o Alfa e o Ômega de todo o disco. A criação e a destruição. Decretar a morte aos falsos é decretar o próprio genocídio da humanidade.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Sepultura: show histórico ao lado da Dorsal Atlântica no RJ (podcast)

imagem"O metal brasileiro é um filho que infelizmente tenho que renegar", diz Carlos Vândalo

Dorsal Atlântica: banda volta aos palcos e abrirá show do Sepultura no Circo Voador

Dorsal Atlântica: "A pandemia fez as pessoas se mostrarem como realmente são"




Sobre João Paulo Andrade

Sempre quis viver de Rock e/ou Heavy Metal. Tentou tocar baixo mas era tremendamente incompetente no instrumento. Em 1996 criou o site Whiplash.Net e hoje vive do seu sonho. :-)

Mais matérias de João Paulo Andrade.