Max Cavalera: ele diz não ser hipócrita para comentar a política no Brasil

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruce William, Fonte: gauchazh
Enviar correções  |  Ver Acessos

Durante conversa com Carlos Rollsing, do Gauchazh, Max Cavalera fala da turnê onde ele e seu irmão Igor tocam clássicos dos discos "Beneath the Remains" e "Arise", do Sepultura, comenta suas outras prioridades musicais, como o novo lançamento do Soulfly, faz uma análise da sua relação com a idade - ele tem quase 50 anos de idade - e explica estar ansioso por lançar um "disco perfeito", confira abaixo alguns trechos:

Max Cavalera: seu disco "menos Metal" preferidoOlavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburrece

Como surgiu a ideia da turnê e por que escolheram os discos Beneath the Remains e Arise para batizá-la? Por que não, por exemplo, Arise e Chaos A.D. ou ainda Morbid Visions e Schizophrenia?

Max: O Beneath the Remains e o Arise, musicalmente e tecnicamente, são bem parecidos. Uma fase de ouro do Sepultura, de 89 a 91, aquela mistura de trash metal com death metal. Foi o ápice dessa mistura. E resolvemos fazer os dois juntos porque tinham algumas músicas de encher linguiça, como Hungry e Subtraction. Na época do estúdio, a gente estava acabando de fazer o disco e tinha acabado a inspiração, mas tinha de colocar mais música no álbum. Acabamos escrevendo músicas meio de jogar fora...

Quando você e Iggor se reaproximaram (os irmãos Cavalera ficaram brigados por 10 anos após Max deixar o Sepultura), ele estava mais inclinado a fazer coisas novas e viver de outros estilos de música. A volta da parceria entre vocês fez com que ele se mantivesse no heavy metal. Qual o futuro dos irmãos Cavalera na música? O Cavalera Conspiracy e o Soulfly seguem em frente?

Max: Tocar metal com o Iggor, pra mim, é coisa da veia. Começamos juntos há 30 anos. Nunca perdemos nosso amor pelo metal. Eu respeito o Iggor por ter ideias diferentes, experiências em outros tipos de música. Ele faz o MixHell, que é mais eletrônico, tudo mais barulheira eletrônica. O Iggor sempre foi dessa praia de gostar de coisas diferentes. Eu sou mais conservador, sou metal. Gosto das bandas de trash metal, death metal. Gosto muito de coisa nova que está rolando hoje em dia no cenário mundial de metal. Mas, quando nos juntamos para fazer coisas juntos, é muito legal. O Psychosis, para mim, é o disco mais legal que o Cavalera Conspiracy já fez até hoje. Eu colocaria ele pau a pau com o Arise. Acredito muito na força desse disco, só ainda não deu tempo de fazer turnê em cima dele. Ano que vem a gente vai tentar pegar uma turnê americana e europeia do Psychosis. O legal é que a gente continua com tesão em tocar metal. Eu continuo com a minha busca pelo disco mais foda do mundo feito por mim até hoje. Eu acho que esse disco não veio ainda, apesar de ter feito muitos trabalhos legais. Eu estou com fome, na caça desse disco perfeito. Tá pra vir ainda. Eu adoro o que faço. O metal pra mim não é hobby. É estilo de vida.

Você, ao longo da carreira, escreveu diversas letras de cunho político. Mesmo morando nos Estados Unidos, como avalia o momento do país e a eleição de Jair Bolsonaro?

Max: É um pouco difícil de comentar, eu sou meio ignorante, não conheço os candidatos. Eu sei que rolou muita coisa ruim. O Lula indo preso, o PT, a roubalheira. Acho que o pessoal tá de saco cheio. Isso acontece no mundo inteiro. Chega um limite em que as pessoas não aguentam mais. E aí precisa de mudança. Para opinar, fico meio como hipócrita, não vivo aqui. Mas eu fiz uma música nesse disco novo do Soulfly que se chama 'Evil empowered' (Mal com poderes), que é sobre a corrupção. Todos os que viram presidentes ou líderes, eles meio que sofrem a doença da corrupção. Eu odeio política, odeio políticos. É muito raro ver um honesto. Ao mesmo tempo, eu quero o melhor para o Brasil. Eu acho que o Brasil mudou muito desde a época em que morei aqui (saiu do Brasil no início dos anos 90). Tá bem mais avançado, as cidades estão maiores, com mais estrutura.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Max Cavalera"Todas as matérias sobre "Soulfly"Todas as matérias sobre "Sepultura"


Max Cavalera: seu disco menos Metal preferidoMax Cavalera
Seu disco "menos Metal" preferido

Mike Portnoy: assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileirosMike Portnoy
Assistindo a jogo do Atlético-MG com músicos brasileiros

Sepultura: duas drum cam de Eloy Casagrande no Rock in Rio

Sepultura: novo álbum Quadra é conceitual e Andreas Kisser explica ideiaSepultura
Novo álbum Quadra é conceitual e Andreas Kisser explica ideia

Sepultura: banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in RioSepultura
Banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in Rio

Sepultura: no Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeosSepultura
No Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeos

Rock in Rio 2019: horários do dia do metal passam por pequena alteraçãoRock in Rio 2019
Horários do "dia do metal" passam por pequena alteração

Sepultura: Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festivalSepultura
Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festival

Sepultura: gravações do novo álbum já foram concluídas pela bandaSepultura
Gravações do novo álbum já foram concluídas pela banda

Sepultura: Faleceu pai de Eloy Casagrande

Sepultura: Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in RioSepultura
Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in Rio

Max Cavalera: triste ver uma banda tão importante virar uma merdaMax Cavalera
Triste ver uma banda tão importante virar uma merda

Korn: nós é quem fomos influenciados pelo Sepultura, diz guitarristaKorn
Nós é quem fomos influenciados pelo Sepultura, diz guitarrista

Max Cavalera: ele não aprova falas de Bolsonaro sobre índios e negrosMax Cavalera
Ele não aprova falas de Bolsonaro sobre índios e negros


Olavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburreceOlavo de Carvalho
Segundo ele, o Heavy Metal emburrece

Bizarre Magazine: Quão bizarro é... Ronnie James DioBizarre Magazine
Quão bizarro é... Ronnie James Dio

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerPsicografia
Uma suposta carta do espírito de Cássia Eller

Marilyn Manson: Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!Marilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

Separados no nascimento: Paul Stanley e Ioná MagalhãesSeparados no nascimento
Paul Stanley e Ioná Magalhães

Cabeçote: Vá para casa, Paul Di'AnnoCabeçote
Vá para casa, Paul Di'Anno

Nirvana: Kurt era o chefe, visionário e fez os discos que queria fazerNirvana
"Kurt era o chefe, visionário e fez os discos que queria fazer"


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336