Little Richard: O gay evangélico que deu forma ao Rock n' Roll

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por André Stanley, Fonte: Blog do André Stanley, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Little Richard, que nos deixou aos 87 anos, vítima de um câncer ósseo, foi um daqueles gays que ao encontrar Jesus busca diluir sua pulsão sexual em uma retórica evangélica onde o homossexualismo é visto como aberração antinatural e passível de ser punido com o eterno fogo do inferno. No caso, de Little Richard, ele não precisou ir muito longe para encontrar Jesus. O pequeno Richard foi o terceiro filho, de um total de 12, de um traficante de bebidas que também era um diácono da igreja batista que sempre o influenciou a seguir o evangelho.

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosContra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Richard passou toda sua carreira oscilando seu discurso entre a aceitação e a negação de sua homossexualidade – na verdade, nunca negou que era homossexual, mas houve momentos em que não aceitou ser – muitas vezes levado a uma postura radicalmente evangélica, que segundo o próprio, foi o que o curou de seus vícios. Richard teve problemas sérios com drogas pesadas e com seu comportamento promíscuo enquanto vivia seus dias de celebridade, como um dos pioneiros do recém-nascido Rock n' Roll.

Apesar de sua postura ortodoxa, adotada ainda no final da década de 1950, Richard já havia construído uma base sólida o bastante como um dos arquitetos do Rock, o que o impossibilitou de se despir de sua postura subversiva e sensual que o havia levado ao estrelato. Ele até tentou levar adiante sua carreira como um cantor de música gospel, mas foram os impulsos onomatopeicos de seus rocks que o fez permanecer no baixo inferno da música popular. Afinal, Little Richard, por vezes tentou renegar seu passado como um dos fundadores de um estilo que até hoje é associado a algo satânico, mas diante da impossibilidade mediante a força de suas obras, nunca pode se desvencilhar de suas melodias repetitivas e maliciosas.

Em suma, a genialidade desse músico só se concretizou pela sua capacidade de transgredir, de esticar limites e se transfigurar em cima de um palco, quebrando as etiquetas que já eram convencionais até mesmo para o novo estilo que surgia. Little Richard era um músico negro em uma indústria impregnada com a imagem de um belo cantor branco chamado Elvis Presley, era pianista em um gênero que tinha a guitarra como instrumento símbolo. Se trasvestia de formas espalhafatosas, como uma Drag Queen hiperativa cantando refrãos repetitivos, isso já no início da década de 1950.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E foi justamente essa fase maluca e transgressora de Richard que ajudou a dar forma à um gênero musical que tomou o mundo. Será, portanto, essa faceta do pequeno Richard, cheia de malícia e sensualidade que se solidificará na história da música mundial como ingredientes essenciais para a formação do que hoje conhecemos como Rock n’ roll.


Morte de Little Richard

Little Richard: Ringo Starr e Pete Best, bateristas dos Beatles, lamentam falecimentoLittle Richard
Ringo Starr e Pete Best, bateristas dos Beatles, lamentam falecimento

Little Richard: sua importância na vida de Marcelo NovaLittle Richard
Sua importância na vida de Marcelo Nova

Little Richard: Paul McCartney, seu aluno mais célebre, lamenta morte nas redesLittle Richard
Paul McCartney, seu aluno mais célebre, lamenta morte nas redes

Little Richard: Que sua voz ecoe no mundo branco opressor conservador, diz Samuel RosaLittle Richard
"Que sua voz ecoe no mundo branco opressor conservador", diz Samuel Rosa

Regis Tadeu: "Little Richard é o pai do rock and roll"

Todas as matérias sobre "Morte de Little Richard"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Morte de Little Richard"


Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area


Sobre André Stanley

André Stanley é escritor e professor de História, Inglês e Espanhol, autor do livro "O Cadáver", editor do blog (Blog do André Stanley). Foi um dos membros fundadores da banda de Heavy Metal mineira Seven Keys.

Mais matérias de André Stanley no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280