Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemTobias Forge, do Ghost, diz que ABBA deveria receber um Prêmio Nobel

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil


Ozzy Osbourne: em 1982, Randy Rhoads contou por que não curtia "Diary of a Madman"

Por Igor Miranda
Em 29/09/20

O site da revista "Guitar World" resgatou uma antiga entrevista feita com Randy Rhoads, em 1982, ano em que o guitarrista de Ozzy Osbourne morreu, aos 25, vítima de um acidente aéreo. Na ocasião, Ozzy e banda divulgavam "Diary of a Madman", segundo álbum da carreira solo do cantor, lançado em 1981.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Durante o bate-papo, Randy Rhoads compartilhou uma opinião sincera sobre "Diary of a Madman". Ele revelou que não gostou tanto do resultado final, especialmente em comparação a "Blizzard of Ozz", disco de estreia de Ozzy solo, que saiu em 1980.

"No primeiro álbum, nenhum de nós havia tocado junto, então, foi tudo de uma vez. Estávamos montando a banda, fazendo as músicas e estando no estúdio ao mesmo tempo. Havia uma energia empolgante em 'Blizzard of Ozz'. Colocávamos o volume no 10 e se parecia bom, tocávamos. Também tivemos tempo para escolher as melhores partes e gravar quando parecesse bom", disse Randy, inicialmente, sobre a estreia.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A situação não foi a mesma em "Diary of a Madman". "Logo após fazermos 'Blizzard', fizemos uma turnê europeia, voltamos e gravamos 'Diary'. Não houve intervalo. Não tive tempo para sentar e pensar: 'o que quero fazer e o que eu quero conquistar?'. Estava carente de ideias que me interessassem", afirmou.

O guitarrista comentou que "Diary of a Madman" trouxe foco maior nas composições e menor na guitarra. "As músicas estavam rolando, mas minha forma de tocar guitarra não estava. Estávamos na pressa para ir aos Estados Unidos para fazer a turnê de 'Blizzard', então, 'Diary' foi gravado de forma apressada. Só tivemos tempo de deixar as músicas em suas formas básicas antes de gravarmos", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Randy pontuou, ainda, que ficou até um pouco constrangido com algumas partes de "Diary of a Madman" em termos de guitarra. "Em 'Little Dolls', eu nem tive a chance de fazer um solo de verdade. O que você ouve ali é a guia. Um solo fictício que fiz no lugar onde eu deveria ter colocado um solo de verdade. Porém, nunca tive tempo de colocar. Muitas coisas minhas em 'Diary' não têm 'feeling'. Soa um pouco ordinário para mim, como tocar qualquer coisa que venha à cabeça", afirmou.

Apesar disso, ele destacou algumas músicas que o deixaram orgulhoso em "Diary of a Madman". São elas: "Over the Mountain", "You Can't Kill Rock and Roll" e a faixa-título.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vale lembrar que "Diary of a Madman" marcou não apenas a despedida de Randy Rhoads, que faleceu pouco tempo depois do lançamento, como, também, do baixista Bob Daisley e do baterista Lee Kerslake, que foram demitidos logo após a gravação. Os dois músicos sequer foram creditados pelo álbum, que trouxe os nomes de Rudy Sarzo e Tommy Aldridge, respectivamente, nas funções de baixo e bateria. A dupla também assumiu a turnê de divulgação.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda.