Matérias Mais Lidas

imagemAndreas Kisser pede doação de sangue para sua esposa Patricia

imagemRock in Rio 1991, Maracanã lotado, e o Guns N' Roses ameaçou não subir ao palco...

imagemCinco músicas que são covers, mas você certamente acha que são as versões originais

imagemOs únicos quatro assuntos das conversas nos EUA que enchiam saco de Fabio Lione

imagemCopa do Mundo do Rock: uma banda de cada país que vai disputar a Copa do Catar

imagemO baterista que não tinha técnica alguma e é um dos favoritos do Regis Tadeu

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1991 é um ano tão celebrado

imagem"Ninguém imaginava que o Metallica seria maior que o Iron Maiden", diz Scott Ian

imagemSupla explica por que fala sempre misturando português com inglês

imagemDave Mustaine diz que perdoa Ellefson, mas nunca mais fará música com o baixista

imagemJohn Frusciante responde qual foi o motivo de seu retorno ao Red Hot Chili Peppers

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que os headbangers idolatram 1986

imagemNovo clipe do Megadeth ultrapassa meio milhão de visualizações no Youtube

imagemOzzy Osbourne libera clipe da nova música "Patient Number 9", faixa do novo álbum

imagemRaimundos: Digão acusa Instagram de censura após poucas curtidas em post


Stamp

A resposta de Bruno Sutter para quem diz que Massacration tirou espaço de bandas sérias

Por Gustavo Maiato
Em 04/03/22

Fenômeno do heavy metal nacional, a banda Massacration ficou conhecida pelo humor de suas músicas. Em entrevista ao podcast Inteligência Ltda, o vocalista Bruno Sutter, que na banda assumia o papel de Detonator, comentou sobre como foi o processo de formação do grupo e disse que já nessa época tinham reações negativas, mas isso aumentou após a gravação do primeiro álbum.

"Teve reação negativa. O pessoal entendeu perfeitamente a proposta, mas o problema surgiu quando veio o convite para gravar um disco. Começamos em 2002 e todos achavam engraçado. Um dia, fizemos uma participação no aniversário do João Gordo. Ele adorou a gente na MTV. Chamamos um baterista e fizemos o show. O Igor Cavalera, que era batera do Sepultura na época, estava nesse evento. Ele viu e pirou! Fez o convite para nós abrirmos todos os shows do Sepultura no Brasil, mas a condição é que ele queria ser o baterista! (risos). Ele ia antes, passava o som, na hora do show botava uma máscara e cobria as tatuagens. Era misterioso, não entregamos a identidade", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na mesma ocasião, Bruno Sutter aproveitou para explicar que, em sua visão, o Massacration nunca tirou espaço de ninguém, pois construiu seu próprio lugar, com um som original que era inédito até então no Brasil.

"Nessa época, já tinha gente no show com cara de bunda dando o dedo. Eram aqueles headbangers radicais. Então, fizemos um show no Abril Pro Rock, que era gigantesco. Quando acabou o show, o presidente da gravadora Deck, João Augusto, falou que nós precisávamos gravar um disco. Então, gravamos! Aí começou a pipocar aquela velha frase de que estávamos de palhaçada e tirando espaço de bandas sérias que estão batalhando por anos. Isso é um puta papo furado, porque o Massacration era uma ideia original, que ninguém nunca tinha feito no Brasil. Unir o heavy metal com humor. O Mamonas tinha feito em algumas músicas, mas nós fazíamos uma sátira específica ao metal. Não deixa de ser algo diferente. As bandas de metal que estão batalhando aí fazem coisas que todos já fazem. Parecido com Sepultura, Angra. Então, tivemos destaque. Claro que tínhamos a MTV por trás, mas a ideia era diferente. Por isso virou o que virou. Não estamos tirando espaço de ninguém e sim criamos nosso espaço. Na época, tínhamos o aval do Sepultura e do Andre Matos", concluiu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Confira a entrevista completa abaixo.

brunosutter_facebook2

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

In-Edit


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Massacration: Blondie Hammet explica como ser um bom guitarrista

Bruno Sutter: 1º disco solo por causa de votação no Whiplash.net

Massacration: por que a morte de Fausto Fanti impressionou tanto Bruno Sutter

Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, fotógrafo de shows, youtuber e escritor. Ama todos os subgêneros do rock e do heavy metal na mesma medida que ama escrever sobre isso.

Mais matérias de Gustavo Maiato.