RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Def Leppard Motley Crue 2

O erro das bandas de rock brasileiras dos anos 60 e 70 que causou uma década de atraso

Por Bruce William
Postado em 16 de janeiro de 2023

No livro "Pavões Misteriosos: A Explosão da Música Pop no Brasil 1974-1983", André Barcinski fala sobre o fenômeno dos "falsos gringos", que eram artistas brasileiros que não somente cantavam em inglês mas chegavam ao ponto de usar nomes estrangeiros para se passar por artistas internacionais. "A onda dos falsos gringos era coisa antiga no pop brasileiro. Desde o início dos anos 1960, vários artistas nacionais fizeram carreira cantando em inglês ou imitando astros do pop estrangeiro", relata André no capítulo em que conta a história de artistas como Prini Lorez (José Gagliardi Filho), Morris Albert (Maurício Alberto), Dave D. Robinson (José Eduardo Pontes de Paiva ou Dudu França), Mark Davis (Fábio Júnior), Steve MacLean (Hélio Costa Manso) e outros.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Markus Spiske @ www.unsplash.com
Markus Spiske @ www.unsplash.com

"Confusões entre artistas nacionais e estrangeiros não eram incomuns no Brasil. Como os discos em inglês demoravam a ser lançados aqui, muitos clones acabam chegando às lojas antes dos originais", explica André. E conforme relata Luiz Calanca, da Baratos Afins, na década de 1960 discos estrangeiros chegavam a demorar dois anos para sair no país. "Eu trabalhava em farmácia e discotecava em bailinhos. A gente ouvia o Ronnie Cord e Renato & Seus Blue Caps cantando versões dos Beatles antes de conhecer as músicas originais. Então, quando ouvíamos os Beatles achávamos que eles é que estavam imitando Renato & Seus Blue Caps".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um dos nomes importantes citados por André no texto é o de Antonio Paladino, lojista paulistano que notou a demora nas gravadoras de lançar os discos que faziam sucesso lá fora ou que muitas vezes sequer eram lançados, e um dia teve a ideia de montar grupos brasileiros que gravassem as músicas por aqui: "Em 1966 ele percebeu que duas músicas famosas no exterior não haviam sido lançadas aqui: 'See you in september' do grupo The Happenings e 'Sunny' de Bobby Hebb. Ele procurou Hélio Costa Manso, cantor do grupo de rock paulistano The Mustangs, que faziam shows de covers em inglês, e contratou a banda para gravar um compacto com as duas canções. O disco saiu com o nome The Happiness. 'O pessoal ouvia a música original no rádio e, sem saber o que tinha ouvido, dizia na loja: Ontem ouvi uma banda, não lembro direito o nome, acho que é happy não sei o quê... o vendedor então respondia: 'É essa!', e sacava o nosso disco. O cliente sempre levava', conta Hélio".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como André conta, os covers não eram ilegais, bastava a gravadora ou o artista pedir autorização e pagar à editora que representava o autor. "No fim dos anos 1960, a falta de informação do público e o pequeno número de brasileiros que falavam inglês foram fatores que incentivaram essa indústria dos falsos americanos". Neste meio tempo houve quem começasse a produzir canções próprias escritas no idioma do Tio Sam, e até mesmo o inglês imperfeito não era uma barreira. Fábio Jr. contou para o pesquisador Marcelo Fróes que evitava até conversar com as fãs, para que não percebessem que Mark Davis não era norte-americano. E outro aspecto positivo também citado por André é que canções estrangeiras não passavam pelo Departamento de Censura da época, e não corriam o risco de serem proibidas.

Mas, infelizmente, essa busca pelo sucesso momentâneo pode ter impedido que esses artistas tenham fincado de forma mais marcante seu nome na história do Rock brasileiro: "Cantar em inglês foi o caminho que muitos artistas encontraram para obter algum destaque na cena musical. O idioma, entretanto, limitava a chance de conseguirem um sucesso mais duradouro", diz André, reproduzindo em seguida a fala de Hélio Costa Manso: "As bandas que tocavam nos anos sessenta, como Sundays, Lee Jackson, Memphis, Kompha e Watt 69, é que deveriam ter criado o rock nacional do Brasil. A gente tinha o aparato tecnológico, tinha expertise para tocar Beatles, Led Zeppelin e Deep Purple, tinha tudo na mão. Mas havia um problema: tínhamos vergonha de cantar em português. Se nós tivéssemos enxergado que poderíamos ter sido ídolos cantando rock em português, a revolução que chegou nos anos oitenta teria chegado em 1971 ou 72", desabafou Hélio, que depois se tornou diretor da gravadora RGE e posteriormente da Som Livre, onde ficou durante muitos anos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!
Mais matérias de Bruce William.