RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de “Gita”

imagemA opinião de Humberto Gessinger sobre movimentos separatistas da região Sul do Brasil

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemDavid Gilmour largou vício maléfico após ouvir erro em disco do Pink Floyd

imagemComo Brian May acabou fazendo participação especial em disco dos Paralamas do Sucesso?

imagemDave Mustaine diz que atual formação do Megadeth é mais bem-sucedida em anos

imagemRoger Waters ataca a Ucrânia e é ofendido por esposa de David Gilmour

imagemPróximo do Angra contará com Fernanda Lira, Mayara Puertas, Karina Menascé e Angel Sberse

imagemCinco ícones do heavy metal que morreram de forma trágica

imagemMetallica: Scott Ian conta como foi o dia da demissão de Dave Mustaine

imagemQuando Axl Rose foi zoado na hora errada, após demonstrar sua fragilidade

imagemNervosa anuncia que próximo disco de estúdio está gravado

imagemPróximo álbum do Metallica será lançado em fitinha que custa mais de 80 reais

imagem"Patinho feio", Gene Simmons diz que não tem amigos


Stamp

O processo criativo do The Doors explicado por Jim Morrison

Por André Garcia
Postado em 04 de janeiro de 2023

Uma das maiores bandas de rock dos Estados Unidos na segunda metade dos anos 60, o The Doors possuía uma inconfundível sonoridade. Como em um encontro de rios, se encontravam a bateria jazzística de John Densmore, a guitarra fora da caixinha de Robby Krieger e os versáteis teclados de Ray Manzarek.

Foto: Divulgação - Capa do Primeiro Álbum
Foto: Divulgação - Capa do Primeiro Álbum

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dessa forma, rock, blues, jazz e psicodelia foram combinados para formar uma base musical para as poéticas, subjetivas e melancólicas letras de seu vocalista, Jim Morrison. Em entrevista de 1969 para a Rolling Stone, ele contou como era o processo criativo da banda — e como mudou com o passar do tempo.

Rolling Stone: Quando está compondo, você faz distinção entre poema (algo para ser publicado) e letra (algo para ser cantado)?

Jim Morrison: Para mim, a letra vem com a música, um som, ou um ritmo; depois eu encontro as palavras o mais rápido que puder, só para aproveitar o momento — até que a música e a letra saiam quase que ao mesmo tempo. Com um poema, não há música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Rolling Stone: Mas geralmente tem um senso rítmico…

Jim Morrison: Certo, certo… Um senso rítmico e, nesse sentido, um tipo de música… mas uma canção é mais primitiva — geralmente tem rima e métrica, enquanto poema você pode ir para onde quiser.

Rolling Stone: Quem fornece esse ponto de partida musical que você ouve quando escreve? A banda? Ou é algo que você ouve em sua cabeça?

Jim Morrison: Bem, a maioria das músicas que escrevi simplesmente saíram. Eu não sou um compositor muito prolífico. A maior parte das músicas que escrevi, eu escrevi no começo, uns três anos atrás. Eu tive uma fase onde escrevi um monte de músicas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Rolling Stone: Nos três primeiros álbuns, o crédito autoral de cada música ia para o The Doors, não para membros em individual. Mas, pelo que entendi, o próximo álbum os autores serão individualmente listados. Por quê?

Jim Morrison: No começo, eu escrevia a maioria — letra e música. Em cada álbum subsequente, Robbie [Krieger, guitarrista] foi contribuindo com mais músicas, até que, finalmente, nesse álbum [mais recente, 'The Soft Parade'] elas ficaram praticamente divididas entre nós. Nós temos visões de mundo bem distintas, argumentos diferentes para desenvolver, então senti que era hora. Temos uma parceria, sabe? Artística e financeira. Nós dividimos [o dinheiro] por igual. No começo, era muito pelo interesse do grupo para mantê-lo unido. Agora que isso não está em risco, acho que era hora de as pessoas saberem quem está dizendo o quê. Então esse será o primeiro disco em que daremos créditos autorais, e acho que seguiremos fazendo isso.

The Doors

O The Doors foi formado em 1965 em Los Angeles, pelo vocalista Jim Morrison, o tecladista Ray Manzarek, o guitarrista Robby Krieger e o baterista John Densmore. Eles se destacaram por criar músicas que exploravam temas como a liberdade, o amor livre, experimentações e a rebeldia, incorporando elementos de rock, blues, jazz, psicodelia e poesia.

Em sua carreira, o The Doors lançou álbuns clássicos como seu autointitulado debut de 1967 e "Strange Days" (1968), que conquistaram uma legião de fãs. Mas era ao vivo que a banda realmente brilhava, com o magnético carisma de seu vocalista em incendiárias apresentações performáticas para lá de provocativas e imprevisíveis.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A partir de 1968, por outro lado, as frustrações de Jim com a vida de rockstar e sua falta de reconhecimento como um escritor sério o levaram a afundar no alcoolismo. Para piorar, problemas na justiça contribuíram para que ele perdesse o interesse na música e caísse na depressão.

Após terminar sua parte na gravação de "L.A. Woman" (1971), Morrison partiu em retiro para a França, em busca de se recuperar física e mentalmente. Infelizmente, ele jamais retornaria daquela viagem. Poucos meses após o lançamento do álbum, ele foi encontrado morto na banheira aos 27 anos.

Os membros remanescentes ainda tentaram seguir em frente sem seu frontman, mas, após fracassarem com "Other Voices" (1971) e "Full Circle" (1972), não restou a eles outra alternativa se não o fim da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

The Doors: Cacildis! Break on through to the other saidis!

Jim Morrison: lagarto compositor de Venice Beach

Capas de álbuns: agora com gatos em discos clássicos

Futurologia: como estariam Cobain, Hendrix, Joplin e Morrisson?

The Doors: A opinião de Jim Morrison sobre Pink Floyd e Miles Davis


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre André Garcia

Sou redator e tradutor freelancer e escritor, autor do livro de contos Liber IMP. Ouço rock desde pequeno, leio coisas sobre bandas desde sempre e escrevo sobre ela já tem anos. Cresci como fã de Iron Maiden e paladino do rock, mas já me tratei. Hoje sou fã de nomes como Beatles, David Bowie, The Cure, Kraftwerk e Velvet Underground, e de cenas como a Londres psicodélica, a Nova Iorque proto-punk e a Manchester pós-punk. Escrevo notas e notícias rápidas para o Whiplash.Net visando compartilhar conteúdo relevante sobre música e cultura pop.
Mais matérias de André Garcia.