Mate-me Por Favor: obra clássica revela a gênese do punk

Resenha - Mate-me Por Favor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Genilson Alves
Enviar correções  |  Comentários  | 

Um dos fenômenos culturais mais controversos da década de 1970, o punk não surgiu com os Ramones, muito menos com os Sex Pistols, e ainda que os debutes de ambos sejam marcos do estilo, a origem do movimento envolve muito mais do que músicas de apenas três acordes e revela fatos e tipos que até hoje são capazes de chocar.

5000 acessosO endereço do Rock: 8 locais imortalizados em músicas famosas5000 acessosJimi Hendrix: 12 coisas que talvez você não saiba sobre ele


Para contar o que foi essa primeira encarnação do punk, os escritores Legs McNeil e Gillian McCain decidiram dar voz a alguns dos protagonistas e coadjuvantes desse enredo movido a overdoses de sexo, drogas e rock and roll. O próprio Legs foi um desses personagens, sendo um dos responsáveis pela alcunha do termo 'punk', ao lançar, em 1975, uma revista com esse nome. Os relatos colhidos pelos autores foram reunidos em “Mate-me Por Favor”, obra publicada originalmente em 1996, em pleno 'boom' do revival punk encabeçado por bandas como Rancid, Offspring e Green Day.

A partir de depoimentos de Lou Reed, Wayne Kramer, Iggy Pop, Patti Smith, Dee Dee Ramone, William Burroughs, Debbie Harry e outras figuras polêmicas (algumas já mortas na época em que as entrevistas para o livro foram conduzidas e cujas falas foram extraídas de arquivos), reconstitui-se o período que vai de 1965, com os primeiros passos do Velvet Underground, que abriria as portas para o chamado protopunk (representado por MC5, Stooges, Television, Patti Smith Group e New York Dolls), até 1992, quando o punk já havia se diluído em muitas outras combinações.

Em seus primórdios, o punk tinha uma estreita ligação com as artes. Antes do CBGB, a Factory de Andy Warhol (expoente da Pop Art e padrinho do Velvet Underground); o Max's Kansas City, ponto de encontro da vanguarda nova-iorquina; e a St. Mark's Church, onde Patti Smith fez as primeiras leituras públicas de suas poesias, eram os principais redutos da cena. O movimento só se tornaria politizado ao chegar a Londres, em 1975, pelas mãos de Malcom McLaren, que, após empresariar os New York Dolls, levou para a capital inglesa a estética punk para criar seu próprio grupo, os Sex Pistols. O desemprego e a falta de perspectivas dos jovens na terra da rainha criavam o ambiente propício para a disseminação do novo estilo, que se tornaria a trilha sonora perfeita para a pregação anarquista.

Diferentemente do que aconteceu nos Estados Unidos, onde a maioria das bandas locais não vingou, o punk inglês, apoiado mais no visual e “atitude” do que na música, ultrapassou fronteiras, ganhou as manchetes dos jornais, estampou capas de revistas e virou atração nos programas de TV. Para muitos, o movimento havia se transformado em tudo o que ele deveria combater. Era o começo do fim.

Em 2012, o trabalho de estreia do Velvet Underground ganhou uma edição especial de 45 anos; lançado uma década depois, “Never Mind The Bollocks...”, primeiro e único álbum de estúdio dos Pistols, também teve relançamento comemorativo; e por aqui acaba de sair a autobiografia de Johnny Ramone. A história do punk continua relevante e ainda há muita coisa a ser contada.

No Brasil, “Mate-me Por Favor” foi publicado pela editora L&PM, primeiro num volume único, depois dividido em duas partes no formato pocket. Em tempo: O título do livro foi inspirado em uma frase estampada numa camiseta do ex-baixista do Television e dos Voidoids, Richard Hell.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

O endereço do RockO endereço do Rock
8 locais imortalizados em músicas famosas

518 acessosJohnny Ramone Tribute 2017: fotos e homenagem a Chris Cornell571 acessosRamones: Leave Home faz 40 anos e ganha reedição de luxo626 acessosRamones: a resenha do álbum "End of The Century"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ramones"

VozVoz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas (Parte II)

CoverCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original

Iron MaidenIron Maiden
E se Marky Ramone fosse o baterista da banda?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Ramones"0 acessosTodas as matérias sobre "Sex Pistols"0 acessosTodas as matérias sobre "Velvet Underground"0 acessosTodas as matérias sobre "Stooges"0 acessosTodas as matérias sobre "New York Dolls"

Jimi HendrixJimi Hendrix
12 coisas que talvez você não saiba sobre ele

Led ZeppelinLed Zeppelin
Perguntas e respostas e curiosidades

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Sebastian Bach muito antes da fama

5000 acessosBlack Sabbath: Tony Iommi explica diferença entre Dio e Ozzy5000 acessosNot Troo: João Gordo posta foto com James Hetfield na Disney5000 acessosDavid Bowie: muito mais assustador que Michael Jackson5000 acessosKirk Hammett: ele não se lembra de ter gravado o solo de "Moth Into Flame"5000 acessosIron Maiden: Perguntas e respostas e curiosidades diversas5000 acessosMax Cavalera: os primeiros álbuns e os primeiros shows da vida dele

Sobre Genilson Alves

Genilson Alves é jornalista e autor do blog Radio Sehnsucht.

Mais matérias de Genilson Alves no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online