Confissões de uma groupie - a autobiografia de Pamela Miller

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Cristiano Marlon Viteck
Enviar correções  |  Comentários  | 

Desde que Elvis Presley deu as suas primeiras reboladas o rock se mostrou um campo fértil para o nascimento de ídolos capazes de mexer com a imaginação das mulheres como nunca havia se visto no universo da música. Mas até onde vai a adoração do sexo feminino pelos astros de rock? No caso de Pamela Miller a veneração ia até a cama do músico que cruzasse a sua frente e lhe parecesse sexy ou que no momento estivesse em ascensão, lotando estádios durante os shows e vendendo discos como se fossem água.

1359 acessosSteel Panther: sutiãs foram ao alto durante show no Hellfest5000 acessosVanessa Frehley: amor sem limites ao Kiss


Originalmente publicado nos Estados Unidos em 1987 sob o título de "I'm With The Band", o livro "Confissões de uma Groupie" chega agora às livrarias brasileiras sob a batuta da novata Editora Barracuda. A obra é a autobiografia de Pamela Miller, uma das mais controversas personagens dos bastidores do rock do final da década de 60 e início dos anos 70. A sua fama se deve à sua incrível disposição de "entreter" os roqueiros mais famosos da época durante suas turnês. De fã adolescente de Paul McCartney, do tipo que escrevia cartas de amor e sonhava em casar com o seu ídolo, Pamela Miller se tornou amante e confidente de artistas como o "número 1 na minha lista de trepadas fora da realidade" Mick Jagger (dos Rolling Stones), o "impecável pop star" Jimmy Page (Led Zeppelin), o "frenético" Keith Moon (The Who) e "o deus grego que deu errado" Jim Morrison (The Doors), só para citar alguns.

Dona de um comportameto capaz de fazer corar os mais conservadores ainda nos dias de hoje, Pamela Miller pode ser considerada uma das mulheres pioneiras da revolução sexual ocorrida na década de 60 nos Estados Unidos. É claro que o fato de ela ter vivido na Califórnia durante o auge do movimento hippie e do espírito então reinante do "faça amor não faça guerra" ajudou-a a encarar muitas caronas, viagens além-mar e muitas portas na cara somente para encontrar e "entreter" seus ídolos da música.

Mas não são apenas com suas peripécias sexuais que estão recheadas as 270 páginas do livro "Confissões de uma Groupie". A partir de anotações de seus diários, cartas e de um grande esforço de escavação da memória, Pamela Miller traz à tona suas impressões e comentários sobre como era a vida nos bastidores do rock numa época em que a música pop ainda não estava tão contaminada pelo "bom mocismo" que impera hoje na indústria fonográfica.

Relatos de brigas entre artistas, de festas invejáveis e de abusos no uso de drogas não faltam. Há também comentários sobre a performance (no palco, que fique claro) de muitos artistas em pleno auge. "O Led Zeppelin ao vivo era um evento sem igual na história da música. Eles tocavam mais e com mais vontade que qualquer outro grupo já tinha feito, mudando totalmente o conceito de shows de rock", escreve a groupie mais famosa do planeta com a autoridade de quem viu muitas apresentações da banda sentada sobre os amplificadores de Jimmy Page.

É claro que a vida de "garota que sai com caras de bandas de rock" (uma definição curta e grossa do termo groupie) nem sempre era tão colorida. Afinal, correr atrás dos seus ídolos exigia um tempo desgraçado, o que impedia a nossa heróina de ter um emprego fixo o que resultava na óbvia falta de grana - problema que era amenizado com a confecção de camisas de cowboy que eram vendidas para músicos de Hollywood ou trabalhando como babá na casa de Frank Zappa.

Com ou sem grana, Pamela Miller (que virou Pamela Des Barres, depois de se casar com Michael Des Barres no final da década de 70), construiu uma das biografias mais polêmicas, extravagantes e controvertidas da história do rock, onde também tentou deixar a sua marca com a banda de groupies GTO - que acabou dando em nada.

Para muitos, a vida de Pamela Miller poderia ser considerada uma sucessão de contatos íntimos com falos de roqueiros famosos. Porém, ela não aceita essa condição e na sua autobiografia deixa claro que na sua vida não existe espaço para arrependimentos: "eu me considero uma feminista verdadeira do início dos direitos das mulheres, porque estava fazendo exatamente o que queria. Eu amava a música e os homens que a faziam (...). Eu queria estar perto dos homens que me faziam sentir tão bem, e nada ia me impedir". E de fato ninguém impediu, já que nem o mais resistente zíper foi capaz de conter o ímpeto de Pamela em mostrar aos músicos todo o seu amor ao rock 'n' roll, agora revelado para os brasileiros neste imperdível "Confissões de uma Groupie".

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 10 de junho de 2014
Post de 04 de julho de 2015

1359 acessosSteel Panther: sutiãs foram ao alto durante show no Hellfest0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Sexo"

Velvet RevolverVelvet Revolver
Slash: medo de parar de transar se pegasse AIDS

Cannibal CorpseCannibal Corpse
Alex Webster gosta de "tocar uma" no ônibus

De Serguei a MorrisonDe Serguei a Morrison
Os estranhos relacionamentos de Janis Joplin

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Sexo"

Collectors RoomCollectors Room
Uma coleção impressionante de ítens do Kiss

Pearl JamPearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

Sexo AnalSexo Anal
Saiba onde encontrar esse prazer no Rock

5000 acessosJack Bruce: "Foda-se o Led Zeppelin, eles são um lixo!"5000 acessosSlayer: é melhor não mexer com a família do Tom Araya...5000 acessosIron Maiden: "Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz Bruce5000 acessosMetallica: Dave Lombardo quer ensinar Lars Ulrich a tocar5000 acessosBlack Sabbath: canção no primeiro álbum inspirou Roberto Carlos?5000 acessosMetallica: tocando com gana em palquinho de loja de discos

Sobre Cristiano Marlon Viteck

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online