Watain: "O demônio sempre vence e sempre encontra o seu caminho"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Henrique Schmidt, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

The Great Southern Brainfart conduziu em 2013 uma entrevista com Erik Danielsson do WATAIN. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

The Great Southern Brainfart: Bem, eu tenho que ser honesto. Fora ouvir VENOM quando jovem, eu nunca fui muito fã de black metal, e então eu ouvi vocês, e eu estou realmente intrigado com suas músicas e suas performances.

Erik: Isso é muito bom saber que você fez essa comparação. Eu gostaria de ouvir VENOM e WATAIN na mesma frase com mais frequência. Venom é uma das minhas bandas favoritas, e eu acho que se você tem esse tipo de background, você pode realmente ser capaz de se relacionar com o que fazemos bem. Musicalmente, pode haver uma ligeira diferença. VENOM são os criadores do movimento black metal que mais tarde nos nos tornamos parte e nós gostamos de carregar adiante esta tocha e defender esse legado.

publicidade

The Great Southern Brainfart: O WATAIN parece ter mais do que o elemento clássico do que a maioria das outras bandas modernas. É algo que foi intencional?

Erik: Nós nunca sentamos e discutimos como WATAIN deve soar. É bastante seguro dizer, porém, que as nossas preferências pessoais, quando se trata de black metal, sempre foram bastante tradicionais. VENOM sempre será uma das bandas mais importantes para Watain e o mesmo vale para bandas como MERCYFUL FATE e até bandas como EXCITER, RAZOR, e VOIVOD. Nós sempre nos inclinamos à bandas como estas nossos gostos musicais quando se trata de metal. Acho que nosso som realmente vem de uma mistura dessas bandas e o pós-black metal como MAYHEM e DISSECTION e assim por diante.

publicidade

The Great Southern Brainfart: Uma das coisas que mais me intrigou sobre WATAIN foi a abordagem ritualística no show ao vivo com carcaças de animais, velas de iluminação em um pequeno altar e outros enfeites. O que você pode me dizer sobre o show ao vivo e ao fundo a este ritual?

Erik: Se você tocar a música de natureza diabólica, e a música que você executa é permeada por uma essência sinistra e infernal, é claro, que vai ter que traduzir para o show no palco também e na sua aparência. Não é um processo que deve ser forçado. Ele deveria vir como uma conseqüência natural da música que você está tocando e do trabalho artístico que você está fazendo. Com WATAIN era muito assim e evoluiu para essa coisa que é agora. Quando começamos a tocar, já tínhamos esse tipo de visão extrema de como um show ao vivo de black metal deveria ser. Deveria parecer como música soa. Foi assim que tudo começou. Quanto mais tempo o WATAIN existia, mais percebíamos que o lado mágico da banda, o lado espiritual começou a entrar e ele só começou a se transformar em uma coisa cerimonial ao invés de apenas um show de rock, por assim dizer. Ele evoluiu para um evento onde nós nos comunicamos com as forças que deram origem a esta banda e que sempre foram uma parte desta banda. Tornou-se um momento onde podemos deixar que essas ganharem vida e estar em contacto com eles. É uma evolução constante em curso e os shows ao vivo estão constantemente progredindo. Eles tornaram-se algo cada vez mais grave e intenso e isso é uma coisa muito boa para mim. É um contexto muito inspirador para trabalhar.

publicidade

The Great Southern Brainfart: Quando WATAIN leva essa cerimônia na estrada, especialmente quando em turnê na parte sul de os EUA, às vezes há limites quanto ao que pode e não pode fazer no palco. Quando isso acontece, que impacto tem sobre o propósito de sua performance ao vivo? Isso torna as coisas mais difíceis para vocês?

Erik: Sim, claro que sim, mas estar em uma banda como WATAIN é sempre um grande desafio. Quando você leva algo tão desumano como WATAIN para o mundo, então, é claro, as coisas podem ser um pouco estranhas. Sabíamos desde o primeiro dia que teríamos de enfrentar muita oposição por causa de algumas das coisas que queríamos fazer. Eu acho que nós estamos sempre muito bem preparados para que isso aconteça. Claro, é chato e isso me faz querer destruir quem esteja no nosso caminho, mas sempre encontramos uma maneira de contornar essas coisas. Há sempre um caminho para o demônio passar, não importa como. Ele não pode ser interrompido. É apenas um fato e tem sido assim desde a aurora do homem. O demônio sempre vence e sempre encontra o seu caminho. Eu acho que, em geral, toda esta oposição e todas as pessoas que nos impedem de fazer o que nós queremos só fazem de nos mais fortes. Nos faz sentir mais orgulhosos e mais fortes acerca do que estamos fazendo. Nós gostamos de lutar contra o extremo e nós gostamos de ir contra a corrente. Nós gostamos de ser o inimigo e isto apenas alimenta o fogo do WATAIN e eu realmente aprecio isso. Gosto de passear em lugares especialmente no Sul, porque nós sempre sentimos a tensão e como eles são céticos, mas no final nós apenas fazemos o que queremos de qualquer maneira. [risos ]

publicidade

Confira a entrevista completa (em inglês) aqui:
http://thegreatsouthernbrainfart.com/?p=11842



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal: em vídeo, 10 bandas satanistas de fatoMetal
Em vídeo, 10 bandas satanistas de fato

Watain: Sangue de porco jogado na platéia durante showWatain
Sangue de porco jogado na platéia durante show


Roqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar umRoqueiro poser
100 regras essenciais para se tornar um

Por pouco: 15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhorPor pouco
15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor


Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.

Mais informações sobre Carlos Henrique Schmidt

Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin