King of Bones: "é importante trazer algo diferente"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ana Clara Salles, Fonte: eu mesma
ENVIAR CORREÇÕES  

JULIO FEDERICI e RENE MATELA da banda KING OF BONES concederam uma entrevista por e-mail pro Whiplash. Aqui eles falam sobre como surgiu a banda, influências e os preparativos para a turnê com ANDRÉ MATOS.

Rockstars: Os 50 mais ricos do planetaPunk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O King of Bones é uma banda nova. Como foi que tudo começou?

RENE MATELA: Na verdade, o projeto é antigo. Surgiu em 2002 quando me juntei a outro músico para formar os primeiros rascunhos de algumas das músicas que hoje fazem parte do nosso primeiro álbum. Porém, não havia maturidade suficiente para tirá-lo do papel e fazê-lo tornar realidade. Anos mais tarde conheci nosso atual baterista RENATO NASSIF. Mostrei o projeto pra ele que curtiu logo de cara. O RENATO já tocava em uma banda de covers variados em São Paulo com o JÚLIO FEDERICI, que era vocalista. Ele também topou entrar pra banda. O último a se juntar à banda foi o RAFAEL VITOR (baixista), que depois de uma sessão de testes, acabou sendo classificado por unanimidade. Juntos, iniciamos as atividades em janeiro de 2009 até entrarmos em estúdio no começo de 2012.

We Are The Law é o debut de vocês, e quando a gente para pra prestar atenção nas letras dá pra perceber que rola uma temática em torno das músicas. Pode-se dizer que é um cd conceitual? Como foi o processo de composição?

RENE MATELA: O CD não é conceitual. As letras simplesmente foram baseadas em experiências próprias, do dia a dia de um ser humano, que vivencia diversas situações emocionais, políticas, amorosas, motivacionais, diversões, entre outras. Por isso, naturalmente elas se combinam e se complementam. A ideia foi justamente fazer o ouvinte se identificar com esse cenário tão comum nos dias de hoje e vivenciá-las através da música e do rock.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nós procuramos não seguir uma metodologia para compor. Simplesmente gostamos de deixar fluir. Normalmente vínhamos ao estúdio de ensaio com riffs de guitarra como o ponto de partida, e trabalhávamos o instrumental. Posteriormente, focávamos nas melodias e letras. As músicas foram lapidadas por diversas vezes até chegarmos nos resultados atuais, principalmente durante a pré-produção.

O KING OF BONES vai sair agora em turnê abrindo os shows do ANDRÉ MATOS. Como estão os preparativos para essas apresentações? Muita ansiedade?

JÚLIO FEDERICI: Iniciar as atividades oficiais do KING OF BONES ao lado de músicos como o ANDRÉ MATOS e sua banda é algo extremamente valioso para nós. Sem dúvida o ANDRÉ é uma das nossas referências quando iniciamos nossas carreiras de músicos. Os preparativos estão intensos. Não esperávamos em tão pouco tempo atingir tamanha visibilidade. Por isso, estamos correndo contra o tempo e nos dedicando de corpo e alma. Temos a certeza de que faremos grandes apresentações!

A ansiedade é grande, não apenas por representar o início de uma longa história, mas também por não vermos a hora de encontrar nossos fãs e colocar em prática tudo aquilo que batalhamos durante anos. A banda tem recebido um feedback extremamente positivo da mídia especializada e do público, o que é muito gratificante e só vem fortalecer os dias de trabalho intenso.

'We Are The Law' foi gravado no Norcal Studios. Como foi esse processo de gravação?

JÚLIO FEDERICI: Nós já conhecíamos a qualidade do Norcal Studios por referências de outros trabalhos que foram feitos por lá. Porém confesso que me surpreendi mais ainda. O Brendan Duffey e o Adriano Daga foram muito mais que produtores. Souberam compreender o que a banda queria e caminharam junto da banda em todos os sentidos. O resultado não poderia ser outro. Foram meses de trabalho duro, até chegarmos na qualidade e resultado que desejávamos.

O que vocês mais ouvem quando não estão tocando? Quais as principais influências de vocês?

JÚLIO FEDERICI: A banda é uma verdadeira mistura de vertentes do rock. Cada integrante vem de uma escola diferente e é esse um dos nossos maiores combustíveis. Não tem como definirmos uma referência válida para o KING OF BONES, porém é bastante clara a mistura do Hard Rock oitentista e do Heavy Metal tradicional.

O que vocês buscam em uma composição? Como saber que uma música é boa o suficiente para entrar no repertório

RENE MATELA: em primeiro lugar buscamos emocionar o ouvinte e nos divertir. Quando sentimos aquele arrepio e empolgação com a música, sabemos que ela está pronta para entrar no repertório. Visamos também sempre transmitir uma ideia e um conteúdo com o que geramos. É sempre importante trazer algo diferente e inovador.

O que o KING OF BONES promete pra 2013?

JÚLIO FEDERICI: prometemos muito rock n' roll com o que há de melhor. Estamos bastante entusiasmados com o que vem acontecendo com a banda e não podemos deixar de agradecer a cada um dos nossos fãs pelas mensagens enviadas, e também a todos os nossos parceiros e pessoas que nos apoiam e acreditam no nosso trabalho. Podem esperar grandes shows! Aproveitamos para fazer um convite: estejam conosco! Vamos fazer uma grande festa em cada encontro nosso! Agradecemos também ao Whiplash pelo espaço concedido. Grande abraço.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "King Of Bones"


Rockstars: Os 50 mais ricos do planetaRockstars
Os 50 mais ricos do planeta

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa


Sobre Ana Clara Salles

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline