Matérias Mais Lidas

AC/DC: a resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da bandaAC/DC
A resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da banda

Nervosa: é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católicoNervosa
"é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católico"

Gilby Clarke: Axl Rose foi quem te demitiu, certo?Gilby Clarke
"Axl Rose foi quem te demitiu, certo?"

Guns N' Roses: por que Bumblefoot errou Welcome to the Jungle no Rock in Rio 2011Guns N' Roses
Por que Bumblefoot errou "Welcome to the Jungle" no Rock in Rio 2011

Pantera: e se Vulgar Display Of Power fosse gravado pelo Metallica?Pantera
E se "Vulgar Display Of Power" fosse gravado pelo Metallica?

Ozzy Osbourne: O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!Ozzy Osbourne
"O Rio de Janeiro é uma porra duma merda!"

Metallica: Bob Rock vendeu direitos de várias músicas, incluindo faixas do Black AlbumMetallica
Bob Rock vendeu direitos de várias músicas, incluindo faixas do "Black Album"

Angra: banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico RebirthAngra
Banda anuncia turnê para comemorar os 20 anos do clássico "Rebirth"

Nervosa: ouça o novo álbum Perpetual Chaos, primeiro com nova formaçãoNervosa
Ouça o novo álbum "Perpetual Chaos", primeiro com nova formação

Dallton Santos: Guitarrista brasileiro é o primeiro a tocar com duas palhetasDallton Santos
Guitarrista brasileiro é o primeiro a tocar com duas palhetas

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Fear Factory: carro de Dino Cazares é baleado; guitarrista não sofreu ferimentosFear Factory
Carro de Dino Cazares é baleado; guitarrista não sofreu ferimentos

Jon Bon Jovi: veja-o cantar Here Comes the Sun, hit dos Beatles, na posse de BidenJon Bon Jovi
Veja-o cantar "Here Comes the Sun", hit dos Beatles, na posse de Biden

Lista: 15 covers gravados pelas bandas do Big Four do thrash metalLista
15 covers gravados pelas bandas do Big Four do thrash metal

Kerrang: do grunge ao death metal, 20 álbuns clássicos que farão 30 anos em 2021Kerrang
Do grunge ao death metal, 20 álbuns clássicos que farão 30 anos em 2021


Matérias Recomendadas

Os mais feios: Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...Os mais feios
Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...

HailMetal.com: Os cinqüenta melhores álbuns de Death MetalHailMetal.com
Os cinqüenta melhores álbuns de Death Metal

Guitarra: em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viuGuitarra
Em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viu

Fãs de Rock e Metal: 15 verdades que eles sempre temeramFãs de Rock e Metal
15 verdades que eles sempre temeram

Di'Anno: Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!Di'Anno
"Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"

Stamp
Tunecore

Stormental: Dança contemporânea é o heavy metal das danças

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

Muitos podem achar que o Heavy Metal e a Dança Contemporânea não se combinam, mas o grupo florianopolitano Stormental montou parceria com a Siedler Cia de Dança e o resultado foi o espetáculo "Perception Of The Other", que desde 2008 vem percorrendo algumas cidades gaúchas e catarinenses. Há alguns meses o próprio "Perception Of The Other" chegou ao mercado em um pacote com DVD e CD, e, aproveitando a ocasião, o Whiplash.Net foi conversar com o vocalista Alexei Leão, que deu uma geral no projeto. Confiram aí!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Olá pessoal! O Stormental se revelou uma banda bastante produtiva desde que surgiu em 2006. Que tal começarmos com um balanço de sua história, com os pontos altos e baixos?

Alexei Leão: O Stormental surgiu na cidade de Florianópolis (SC) em janeiro de 2006 e é formado atualmente por Alexei Leão (vocal), Andrei Leão (baixo), Hique d'Avila (guitarra) e Marcos Feminella (bateria). A única baixa que tivemos foi a saída do guitarrista original Rafael Scopel no final de 2007. De 2006 a 2008 trabalhamos intensamente ensaiando todos os dias, compondo, gravando CD, EP, DVD, jingle de natal, além de termos feito duas turnês no exterior. A partir de 2008 nos dedicamos ao espetáculo em parceria com a Siedler Cia de Dança, chamado ‘Perception Of The Other’.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Em 2008 vocês lançaram o DVD "Mental Live Storm" e depois deram uma sumida. Afinal, qual era a situação do Stormental e o que motivou esse projeto em parceria com a Siedler Cia de Dança?

Alexei: O desenvolvimento, e posteriormente a finalização, deste projeto foi muito mais demorado e trabalhoso do que esperávamos. Por sorte e também por mérito, tivemos aprovados alguns projetos de lei de incentivo à cultura como o prêmio FUNARTE Klaus Vianna de Dança que nos ajudou no orçamento, mas a maior parte foi feito na raça. Então essa sumida momentânea foi apenas dos palcos.

publicidade


Alexei: Já a motivação de trabalhar com a Siedler Cia de Dança veio de casa mesmo. Sou casado com a coreógrafa Elke Siedler e compus todas as trilhas sonoras da companhia desde o surgimento dela, em 2003. Foi num desenvolvimento da pesquisa entre dança visceral e música pesada que surgiu a necessidade de fazer um trabalho com o Stormental.


Whiplash.Net: Muitos afirmam que o Heavy Metal não é um tipo de música adequada para se dançar... Considerando isso, como funcionou o processo de criação do espetáculo "Perception Of The Other"?


Alexei: Talvez o conceito de heavy metal e o próprio conceito de dança deveriam ser revistos. Não pelos fãs, especialistas e conhecedores de cada área, mas sim pelo público em geral. Assim como muitas vezes ouço que heavy metal não é música e sim barulho (o que é um absurdo), existe uma grande parte da população que ainda acha que dança com banda é tipo aquilo que aparece no Faustão. Aquilo é o Funk Carioca da dança, entende?!


Alexei: Eu sempre faço a analogia que dança contemporânea é o heavy metal das danças, logo para mim não foi nada estranho unir estes dois mundos. Ambos estão cercados de grande criatividade, desenvolvem linguagens próprias, têm um público conhecedor que, apesar de específico, é muito fiel. Além de existirem totalmente desvinculados da grande mídia.

Alexei: Quanto ao processo de criação, posso afirmar que foi algo bem tranquilo. Decidimos em conjunto que abordaríamos as percepções humanas como fio condutor do projeto e tudo se desenvolveu a partir desse conceito. Por se tratar de algo inovador, as únicas barreiras encontradas foram aquelas já existentes, impostas por nós mesmos. Tivemos que nos livrar de amarras e vícios característicos dos nossos meios (dança contemporânea e heavy metal). Cabeça aberta foi a melhor forma de contornar as dificuldades. No final acho que todos os envolvidos amadureceram muito como artistas.

Whiplash.Net: O "Perception Of The Other" já passou por cidades catarinenses e gaúchas. Que tipo de público foi assisti-lo e qual sua reação? E o que as pessoas que ainda não tiveram a oportunidade de vê-lo podem esperar?

Alexei: O público foi bem variado, pois nos apresentamos em eventos voltados para a dança e em eventos voltados para o metal e, assim como no DVD, "Perception Of The Other" ao vivo não é uma apresentação de dança e não é um show de heavy metal, é uma experiência única que une as duas linguagens. Cada apresentação também é única, pois sempre buscamos disposições diferenciadas pelo palco, inclusive algumas vezes eu canto no meio da plateia ou de costas para ela, dependendo do local e da inspiração. Isso causa certo estranhamento por parte do público, uma vez que saímos do tradicional. Essas novas configurações dão sempre espaço e vazão para momentos de improvisação na performance de todos, o que também é muito legal e desafiador.

Alexei: Nas apresentações realizadas em teatros, um fato curioso se instaurou: pessoas da dança acharam que o volume deveria estar mais baixo enquanto que os fãs de metal sentiram justamente o oposto. De qualquer forma sempre buscamos um meio termo, mas fizemos questão que a vibração sonora fosse sentida nos corpos do público como percepção pulsante do espetáculo. No final, o que o público pode esperar é um espetáculo de Heavy Metal e Dança Contemporânea, uma proposta artística que busca quebrar algumas barreiras.

Whiplash.Net: Já fazia um bom tempo que haviam anunciado a disposição em lançar um pacote com o DVD e CD apresentando o "Perception Of The Other". A que atribuem todo o atraso?

Alexei: É verdade, fizemos as primeiras gravações em 2008. Mas eu queria ter controle total deste material e, como eu sou dono de um estúdio de gravação e trabalho de segunda a segunda com produção de bandas, foi difícil conciliar a agenda cheia do estúdio com o tempo necessário para trabalhar no material do "Perception". Foram muitas horas entre pré-produção, produção, filmagens da apresentação, filmagens externas, gravação do áudio, edição, mixagem, autoração... É algo que não pretendo repetir em breve, mas estamos muito felizes com o resultado. Fizemos tudo com o tempo que achávamos necessário e só lançamos quando atingiu o nível que esperávamos.

Whiplash.Net: Em função da fusão com a dança, o Stormental soa bem diferente de seus registros anteriores. Normal, mas essa experiência toda poderia influenciar de alguma forma na orientação musical de um futuro disco da banda?

Alexei: Já na entrada do DVD tem uma frase que diz: ‘este DVD não é um registro de show de música, nem de uma apresentação de dança... é uma coisa diferente‘, logo acho que não tem como passar ‘ileso’ de uma experiência como essa (risos). Tenho certeza que nos afetou de alguma forma, não na orientação musical, mas na forma de compor sim, pois como já disse acho que amadurecemos bastante com a experiência e isso deverá se refletir positivamente nas nossas próximas composições.

Whiplash.Net: O vídeo para "In Front Of You" retrata muito bem várias características de "Perception Of The Other". Como rolou sua concepção?

Alexei: "In Front Of You" foi o primeiro vídeo a ficar pronto e o único que tem direção e edição diferentes, feitas pelo Antonio Rossa, que é um excelente diretor e já trabalhou em clipes do Hangar, Holiness... Ele entendeu o conceito e captou bem o que precisávamos. Queríamos que essa música estivesse dentro do espetáculo, mas que fosse baseada totalmente em imagens externas e ainda fizesse o link do palco com o mundo exterior.



Whiplash.Net: O Stormental já realizou duas turnês pela Europa. E agora, qual a viabilidade de levar o espetáculo "Perception Of The Other" para o Velho Mundo? Afinal, quais os planos para o resto do ano?


Alexei: Estamos trabalhando para realizar uma turnê completa pelo Brasil no ano que vem. Também temos alguns convites para apresentar o "Perception Of The Other" no Velho Mundo, mas ainda estamos estudando a viabilidade. Espero que tudo se concretize para podermos mostrar para mais pessoas o espetáculo ao vivo. Até o final do ano faremos alguns shows pelo Nordeste, mas iremos somente com a banda, pois no Brasil já é difícil circular com um show normal, imagina um espetáculo com várias pessoas envolvidas, cenário e equipamentos.


Whiplash.Net: Uma curiosidade acerca de um elemento visual que vocês utilizaram em "Perception Of The Other": qual o significado daquele objeto que tem em sua constituição parte de um contrabaixo, nas mãos do personagem com a máscara de gás?

Alexei: Aquele instrumento é realmente um contrabaixo. Ele tem a escala parecida com a de um contrabaixo acústico de orquestra (fretless/sem trastes) só que é de 5 cordas e elétrico, além de não ter corpo, usando apenas um pedestal para suporte. O Andrei usa este instrumento na música "In Front Of You". A figura do elemento com a máscara e o contrabaixo é uma alusão aos diferentes tipos de interpretação humana, o que para um é um instrumento, para outro pode ser uma espécie de arma, levando a necessidade de usar uma ‘máscara de gás’ para não se contaminar. Usamos alguns objetos cênicos como metáforas para as diferentes formas com que as pessoas percebem o mundo, as coisas ao seu redor. Assim como a esfera de vidro em "In Front Of You" (que também sofre uma transformação em "Live!") representa um desejo, um sentimento que se busca e não se alcança, mesmo quando ele está bem na sua frente.

Whiplash.Net: Pessoal, o Whiplash.Net agradece pela entrevista e deseja boa sorte a todos! O espaço é do Stormental para as considerações finais, ok?

Alexei: Nós é que agradecemos ao Whiplash.Net pela entrevista e por todo serviço prestado ao metal. Também gostaríamos de agradecer a todos que leram essa entrevista até aqui. Um grande abraço e nos vemos na estrada. Horns Up!!

Contato:
http://www.stormental.com.br


Malvada
Dead Daisies
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mente aberta: músicos de metal que tocam ou já tocaram em outros estilosMente aberta
Músicos de metal que tocam ou já tocaram em outros estilos

Acidentes de carro: roqueiros que também perderam a vida na estradaAcidentes de carro
Roqueiros que também perderam a vida na estrada


Guitarra: o riff mais popular de todos os temposGuitarra
O riff mais popular de todos os tempos

Iron Maiden: em 1985, show secreto com Adrian no vocalIron Maiden
Em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.