Matérias Mais Lidas

Joe Biden: evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e maisJoe Biden
Evento de posse terá Foo Fighters, Jon Bon Jovi, Springsteen e mais

Iron Maiden: vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%Iron Maiden
Vaquinha para ajudar Paul Di'Anno a fazer cirurgia ainda não atingiu 25%

Kiss: Gene Simmons diz que a falta de dinheiro é a raiz de todo o malKiss
Gene Simmons diz que a falta de dinheiro é a raiz de todo o mal

Lars Ulrich: Eu era o maior fã do Iron MaidenLars Ulrich
"Eu era o maior fã do Iron Maiden"

Titãs: o clipe censurado de Pelados em Santos, com topless de Bárbara PazTitãs
O clipe censurado de "Pelados em Santos", com topless de Bárbara Paz

Kiss: análise vocal de Detroit Rock City explica grande alcance de Paul StanleyKiss
Análise vocal de "Detroit Rock City" explica grande alcance de Paul Stanley

Dave Grohl: ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojentoDave Grohl
Ele ficou chocado ao ver Lemmy com cueca bizarra em um apartamento nojento

Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

Épicas: 10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)Épicas
10 músicas com mais de 10 minutos de duração (e nenhuma é do Dream Theater)

Pantera: as cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da RevolverPantera
As cinco melhores músicas da banda, segundo leitores da Revolver

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Quiet Riot
Quebrando disco de banda brasileira em 1985

Megadeth: todas as músicas que aparecem na faixa escondida de Capitol PunishmentMegadeth
Todas as músicas que aparecem na faixa escondida de "Capitol Punishment"

Greta Van Fleet: Robert Plant odeia aquele vocalistaGreta Van Fleet
Robert Plant "odeia" aquele vocalista

Pantera: e se Vulgar Display Of Power fosse gravado pelo Metallica?Pantera
E se "Vulgar Display Of Power" fosse gravado pelo Metallica?

Andreas Kisser: os álbuns que marcaram o guitarristaAndreas Kisser
Os álbuns que marcaram o guitarrista


Matérias Recomendadas

Dinheiro não é tudo mas ajuda: 5 Rock Stars que nasceram ricosDinheiro não é tudo mas ajuda
5 Rock Stars que nasceram ricos

Jim Carrey: batendo cabeça ao som de Cannibal CorpseJim Carrey
Batendo cabeça ao som de Cannibal Corpse

Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

O tempo, ah o tempo!: rockstars nos anos oitenta e hojeO tempo, ah o tempo!
Rockstars nos anos oitenta e hoje

Floor Jansen: Eu não sou uma puta arroganteFloor Jansen
"Eu não sou uma puta arrogante"

Stamp
Tunecore

Necropsya: A força do Thrash Metal paranaense

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel, Fonte: Witheverytearadream
Enviar Correções  

O Necropsya é uma banda que vem colecionando ótimas criticas com seu mais recente disco "Distorted", atingindo um reconhecimento mais que merecido em sua carreira. Nesta conversa com Henrique Vivi (Baixo, Vocal), ele revela um pouco sobre a carreira da banda e a música nacional em geral. Completam o Necropsya Henrique Bertol (Guitarra) e Celso Costa (Bateria).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vicente - Vocês iniciaram a banda em 2000 como uma banda Cover. Quais eram as músicas que normalmente executavam naquela época?

Henrique - Salve Vicente e leitores! Éramos "piazões" e experimentamos tocar o que gostávamos de ouvir na época – essencialmente as bandas de Thrash como Metallica, Megadeth, Pantera, Sepultura... Mas também havia algumas coisas fora do Thrash, como Kiss, Judas Priest, Dimmu Borgir, teve até Helloween! Foi necessário, na época, para podermos afunilar ainda mais onde queríamos começar a compor.

Vicente - Após mais de uma década na estrada, como vocês avaliam a trajetória do Necropsya hoje em dia?

Henrique - Pergunta difícil. Posso lhe dizer que amadurecemos e começamos a ter uma postura de banda apenas nestes últimos anos, que é quando realmente quisemos agregar algo à cena. Comparado aos anos iniciais, é bom saber que melhoramos e ótimo saber que temos ainda muito a melhorar.

Vicente - O seu segundo disco "Distorted", foi lançado no ano passado. Como foi e ainda está sendo a reação do público?

Henrique - Foi maravilhosa! As reviews estão sendo positivas, nosso álbum rendeu uma turnê na Argentina e nos shows a galera aceitou bem as músicas novas. Não temos do que reclamar!

Vicente - Vocês o gravaram onde? Conseguiram obter o resultado esperado?

Henrique - O álbum todo foi gravado e produzido em um estúdio chamado Heaven Kuster, em Guarapuava, interior do Paraná. Sabíamos que o produtor (Alessandro Kuster) sabia o que estava fazendo conosco desde a pré-produção, então ficamos extremamente satisfeitos com o resultado.

Vicente - Além de "Distorted", vocês lançaram "Roars" em 2007, além de uma Demo e um EP. Fale um pouco sobre cada um destes registros.

Henrique - Na verdade, três EPs! O primeiro EP chamou-se "Destroy", lançamos em 2005 e nem comercializamos ele, saímos distribuindo para organizadores e bandas de Curitiba e especialmente fora, para mostrar pra eles o nosso tipo de som e fechar shows. Valeu a pena, pudemos lançar o segundo EP chamado "Skullcrusher" em 2006, tirado da pré-produção do primeiro álbum. Comercializamos algumas tiragens até juntar a grana pro primeiro CD. O "Roars" foi lançado em 2007 e caímos na estrada e tocamos onde deu até 2010, quando lançamos o EP "Bandas fora da garagem", como parte do projeto de mesmo nome envolvendo outras bandas de rock de Curitiba. A resposta do EP "Bandas..." foi animal, nos rendeu prêmio como melhor banda de Metal da cidade em 2010 e foi uma ótima preparação para o "Distorted", lançado em julho de 2011.

Vicente - Vocês fazem um Thrash Metal que em determinados momentos quase parece beirar o Death (principalmente nos vocais). Apesar disso, as músicas são extremamente técnicas. Foi difícil chegar a esse nível de composição?

Henrique - Valeu Vicente! Esta é uma preocupação constante, nosso background como músicos precisa ser bem pensado na hora de compor. Do EP "Bandas..." pra cá conseguimos dar passos importantes neste sentido, conseguir uma melhor identidade sonora, algo que quem ouve saiba que está ouvindo a nossa banda. Este é um desafio e tanto e algo que sempre iremos querer aperfeiçoar, então, creio que estas músicas são um constante resultado desse trabalho.

Vicente - O Necropsya é um "Power" trio. A música da banda rola mais fácil com esta formação?

Henrique - Com certeza, cada um entende e respeita os espaços de cada instrumento, e os arranjos das músicas ficam cada vez mais fáceis de se pensar e executar ao vivo.

Vicente - Quais são as suas principais influências?

Henrique - Além daquelas bandas que comentamos lá em cima, acabamos por gostar de ouvir muita coisa dentro e fora do Heavy Metal. As bandas de Thrash Metal acabam sempre nos influenciando, não tem jeito – mas gostamos de flertar com outros tipos de música sem perder tanto nosso chão. Para você ter uma idéia, andamos ouvindo algumas bandas de Hard Rock ultimamente. Se isso virará influência para as novas músicas... Só o tempo dirá.

Vicente - Vocês chegaram a fazer shows na Argentina. Qual a principal diferença da cena de lá para a nossa realidade?

Henrique - Algumas coisas são muito semelhantes – a cena underground, as bandas se mantendo, o público, etc. Algo que vimos por lá é parte da cultura argentina, eles apoiam muito, mas muito mais as bandas nacionais, incluindo as bandas undergrounds.

Vicente - Vocês já abriram shows de grandes bandas do gênero, como Master, Overkill, Krisiun, Torture Squad entre tantas outras. Como foi essa experiência?

Henrique - Maravilhosa – estas bandas tem uma história e uma experiência sem igual. Temos que malhar muito ainda pra chegar no naipe destes caras! Então, tentamos sempre, a cada show que compartilhamos o palco com uma banda grande, tirar o melhor proveito desta experiência.

Vicente - Em poucas palavras, o que acham das seguintes bandas:

Overkill – tremenda banda e grande influência! Somos imensamente agradecidos por ter dividido o palco com eles.

Krisiun – guerreiros. Os caras passaram por maus bocados até chegarem onde estão, e merecem todo o reconhecimento.

Cannibal Corpse – confesso que não conheço muito, ouvi apenas o "Vile". E quando não conheço algo é melhor não opinar a respeito (risos).

Kreator – Comecei a respeitar e curtir mais a partir do "Violent Revolution", foi o que me fez querer ouvir mais e conhecer a carreira dos caras.

Torture Squad – um dos nossos orgulhos nacionais. Sonzera!

Vicente - Uma mensagem para os fãs e amigos que curtem o trabalho do Necropsya e para aqueles que gostariam de conhecer melhor seu som e apostam no Metal nacional.

Henrique - Obrigado a todos que aguentaram ler até aqui! A quem quer conhecer nosso trabalho, confira nosso site: www.necropsya.net – há várias informações, nossos CDs, camisetas e até nossa cerveja estão disponíveis para compra, bem como nossos dois últimos álbuns estão disponíveis para audição gratuita! Estamos no www.facebook.com/heartheroars - procuramos sempre atualizar a galera também pelo twitter.com/necropsyabr e nossos vídeos, incluindo nossos novos clipes, estão no youtube.com/necropsyabr. Em breve teremos uma música nova para o pessoal ouvir, então fiquem atentos e nos adicione em uma das redes sociais para ouvir. Um grande abraço!!!

Clipe "Easy Target".

Clipe "Determinação".


Malvada
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App
Anunciar no Whiplash.Net


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mônica Guedes: seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhandoMônica Guedes
"seus heróis morreram de overdose, os meus morrem na estrada, trabalhando

Mini Iron Maiden: tocando Ghost Of The Navigator na escolaMini Iron Maiden
Tocando "Ghost Of The Navigator" na escola


Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.