Kreator: Osama Bin Laden é o Anti-Cristo Fantasma

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva, Fonte: Revista Loud, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos


Brian Giffin, da revista australiana Loud, recentemente entrevistou Mille Petrozza, guitarrista e vocalista dos thrashers alemães KREATOR. Alguns trechos da conversa seguem abaixo.

Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Metal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.com

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Loud: o KREATOR está por aí há um longo tempo. Vocês foram uma das primeiras bandas de thrash, então, como você tem visto o metal evoluir nesses trinta anos que vocês tem feito isso?

Mille: Para mim, não tem a ver com as tendências que vêm e vão, é sim com a qualidade da música. Na minha opinião, não tem essa... você sabe, com todos entrando na onda, na mais recente tendência... eu não compro isso. Eu sou um grande fã de metal em geral. Eu vejo a evolução do thrash metal como muito crítica. Há uma enorme quantidade de bandas novas que estão carregando a tocha e tentando copiar o som de volta. Essa é a personalidade principal deles. Eu gosto muito dessas bandas. Eu gosto de muitos, muitos desses novos artistas, como WARBRINGER, VIOLATOR, e todas essas bandas novas, mas ainda estou esperando que um deles venha com um álbum matador e músicas matadoras. Eu acho que o último do WARBRINGER foi muito legal. Mas, em geral, o metal foi alterado, é claro. A década de noventa não foi tão boa para o metal, mas houve algumas grandes bandas modernas de metal. De 2000 em diante, o metal tornou-se maior do que nunca e um monte de bandas novas chegaram, mas nem todas de boa qualidade.

Loud: Então, como isso afeta uma banda como o KREATOR?

Mille: É tudo uma questão de resistência. Se você está em uma banda por tanto tempo e você acredita no que você faz, você deve apenas tentar fazer a sua coisa e não olhar muito pros lados, para ver o que está acontecendo com o cena, quem está chegando, quem está se dividindo, quem está morrendo ... o que quer que seja. Eu acho que a coisa mais importante é acreditar no que você faz e tentar ser o melhor que puder.

Loud: Eu sei que algumas pessoas estão realmente ansiosas para o seu próximo álbum. Parece que as pessoas estão tão interessados ​​em coisas novas do Kreator como sempre estiveram.

Mille: O legal da nossa banda, uma das coisas que eu me sinto realmente orgulhoso, é que quando nós tocamos músicas novas, não é como se as pessoas não queiram ouvi-las. Eu tenho visto acontecer com um monte de bandas antigas, quando eles estão mostrando uma nova canção e tendo o congelamento como reação. E em seguida, eles tocam uma faixa old-school e todo mundo vai à loucura. Isso não é o caso do KREATOR. Nós tocamos uma música nova e, em seguida, uma antigona e tudo funciona perfeitamente!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Loud: Sobre o disco novo (que continua tão excitante quanto os primeiros), você acha isso difícil de alcançar, depois de 13 álbuns?

Mille: Nós gostamos de ver cada álbum como nosso debut, e tentamos tratá-lo como se fosse o primeiro e último álbum que nós vamos fazer. Então, eu acho que é esse tipo de truque. Nós nos vemos como uma banda fazendo o primeiro disco, e o tratamos quase como uma gravação ao vivo. Se você tocar o álbum inteiro direito, vai dar certo.

Loud: o disco é bem curto também, direto ao ponto.

Mille: Eu vejo isso como um elogio. Acho que a principal coisa para um álbum de thrash metal é que seja direto ao ponto. Quer dizer, é claro que há excessões, mas eu acho que canções de thrash metal que sejam muito longas ficam meio chatas. O truque é não fazê-las tão longas, nem tão curtas.

Loud: eu notei que tem um certo tanto de melodia e alguns momentos folk neste disco.

Mille: ah sim! Nós tentamos fazer cada canção se diferenciar. Tem um monte de IRON MAIDEN, um monte de influência de metal tradicional.

Loud: Liricamente, tem algum conceito predominante ou temas principais sendo explorados em "Phantom Antichrist"?

Ele é principalmente sobre manipulação da mídia. Esse é o tema principal do disco. "Phantom Antichrist" é sobre Osama Bin Laden de certa forma; é sobre o fato de que Osama foi pego e jogado no oceano sem que se pergunte a ele sobre o 11 de setembro. Então, foi meio que inspirado em porque eles não falaram com o cara antes de matá-lo e como eles puderam enterrá-lo no mar, apesar de não haver nada sobre isso na religião muçulmana. Isso meio que me deu inspiração para o título do álbum. O disco não é sobre Bin Laden, é mais sobre libertar você mesmo do medo, por que muitas das mídias de massa tentam meter medo nas pessoas para poder controlá-las. Então, o tema principal, o conceito principal é como a mídia tenta te manipular a pensar em uma certa direção. A maior parte das letras do álbum fala de coisas assim.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Loud: Finalizando, você já pensou em um momento em que você pode se aposentar do KREATOR ou parar de tocar metal?

Mille: Não. [Risos] Eu vou fazer isso até morrer, eu acho! Não há nenhuma razão para eu parar de fazer isso. Eu tenho feito isso toda a minha vida, sabe. O que mais eu vou fazer? Eu amo o que faço e vou continuar fazendo isso enquanto eu puder. É muito interessante quando você pensa sobre isso. Olhe para uma banda como MOTÖRHEAD ... Lemmy vai fazer 70 anos daqui a pouco. E ele não parece querer parar, nem nada. É ótimo. É muito bom. Eu acho que o metal é a melhor forma de música para continuar fazendo enquanto você quer. Não há limite de idade. É ótimo.

A entrevista, na íntegra e em seu idioma original, você confere no link abaixo.

http://www.loudmag.com.au/content/kreator-still-flying-the-f...




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Kreator"


Mille Petrozza: Há um movimento vegano no metal hoje em dia e está ficando maiorMille Petrozza
"Há um movimento vegano no metal hoje em dia e está ficando maior"

Thrash Metal: as 10 melhores baladas de bandas do gêneroThrash Metal
As 10 melhores baladas de bandas do gênero


Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Sexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Metal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.comMetal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280