Dave Mustaine: "os jovens não vão mais se importar comigo"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel Costa, Fonte: The Arizona Republic, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

A jornalista Jessica VanZalen, do jornal The Arizona Republic, conduziu uma entrevista com o vocalista, guitarrista e principal compositor do MEGADETH, Dave Mustaine, sobre sua recém-lançada autobiografia, "Mustaine: a Heavy Metal Memoir". Confira abaixo alguns trechos da conversa.

Slipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais VocêPink Floyd: as brincadeiras e enigmas nas capas dos álbuns

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The Arizona Republic: Como você tem equilibrado a turnê de divulgação do livro com a turnê de shows ao vivo?

Mustaine: "Tem consumido muito tempo, mas também é realmente divertido. É simplesmente uma benção ser capaz de fazer algo diferente e ser aceito por isso."

The Arizona Republic: Por que você decidiu escrever o livro?

Mustaine: "Há uma diferença entre alguém escrever uma história sobre você e você escrever uma sobre si mesmo. Eu queria que fosse a verdade e eu queria que fosse uma espécie de testemunho da minha vida e como eu me tornei vitorioso sobre todos os obstáculos que tive enquanto crescia."

The Arizona Republic: Por que você quis fazer isso agora?

Mustaine: "Eu tenho quase 50 anos, e, daqui a alguns anos, os jovens não vão se importar comigo, e eu quero me certificar de que eu possa compartilhar todas essas vitórias pessoais que tive com esses garotos antes que o que eu diga ou faça não importe mais. Independentemente se sou eu ou não, é uma provação humana e é vitória pessoal e eu amo dividir isso com as pessoas. Eu sou exatamente como qualquer um. Eu fico feliz, fico triste, rio, choro, fico puto. No meu caso, o problema foi por causa de todas as drogas e álcool e abuso, você toma muitas decisões ruins e decisões ruins são seguidas de pessoas ruins, e você começa a realmente afundar na sua mente, e humor, e atitudes."

The Arizona Republic: Você esperava que isso esclarecesse algumas conclusões equivocadas sobre você?

Mustaine: "As disputas. Aquilo era uma coisa que já acabou há tanto tempo. Nós vínhamos dizendo, 'Não há disputa', 'Não há disputa'. E aí alguém diria algo antagônico ou provocativo na imprensa e isso puxava um de nós para isso, e trazia tudo à tona novamente. Não era nenhum de nós porque nós todos nos amamos. E é um testemunho disso o fato de que fizemos esses shows juntos e estamos fazendo esse fantástico DVD ao vivo e o fato de que todos subimos no palco e tocamos juntos."

The Arizona Republic: Como foi isso?

Mustaine: "A coisa fantástica foi que, quando a canção acabou, eu abracei o Kirk [Hammett, guitarra] e o Lars [Ulrich, bateria], e quando eu abracei o James [Hetfield, guitarra e vocal, todos do METALLICA], a multidão explodiu em aprovação e aplausos mais altos do que quando tocamos a música [Am I Evil?, do Diamond Head]. Eles estavam esperando para nos ver tendo algum tipo de demonstração pública de reconciliação."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Leia a entrevista na íntegra, em inglês, no Arizona Republic.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Megadeth"Todas as matérias sobre "Dave Mustaine"


Megadeth: Eu sei que tenho uma reputação terrível, diz MustaineMegadeth
"Eu sei que tenho uma reputação terrível", diz Mustaine

Mustaine: 1ª impressão que teve de Kiko foi de que ele é bonitoMustaine
1ª impressão que teve de Kiko foi de que "ele é bonito"


Slipknot: Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais VocêSlipknot
Ana Maria Braga surpreende em abertura do Mais Você

Pink Floyd: as brincadeiras e enigmas nas capas dos álbunsPink Floyd
As brincadeiras e enigmas nas capas dos álbuns


Sobre Gabriel Costa

Carioca, jornalista por profissão e roqueiro de nascença, Gabriel teve o primeiro contato direto com o rock and roll ao ouvir o álbum de estreia do Black Sabbath em um velho vinil de seu pai. Garoto do século 20, nascido em 1984, é absolutamente fascinado por tudo o que envolve o estilo, da música à mitologia. Canta na banda Six Pack Wonder, escuta de Backyard Babies a Strapping Young Lad, ama The Wildhearts e segue fielmente os ensinamentos de Lemmy e Danko Jones. Escreve no Twitter em http://twitter.com/gabrielccosta.

Mais matérias de Gabriel Costa no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280