Command6: "Cabe a nós, bandas independentes, mudarmos isso!"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Alguns grupos não perdem tempo... Formado em abril de 2008, o paulistano Command6 rapidamente entrou em estúdio e liberou um debut que conquista pelo carisma e simplicidade de sua proposta. “Evolution?” investe nas mais variadas sonoridades, mas possui uma linha que consegue unir estes estilos e resultar em um Heavy Metal bastante atualizado.

5000 acessosSexo e rock n' roll: banda grava e vende pornô para bancar despesas5000 acessosShaman: baixista desabafa sobre cena brasileira

Wash (voz), Bruno Luis (guitarra), Thiago Castro (guitarra), Johnny Hass (baixo) e Bugas (bateria) vem trabalhando duro, mas estão conseguindo seu espaço – no momento em que receberam o arquivo desta matéria, estavam saindo para tocar no Warriors Pub, em Santo Amaro – e concederam a seguinte entrevista ao Whiplash!.






Whiplash!: Olá pessoal! Primeiramente gostaria de parabenizá-los por "Evolution?", gostei muito de sua estréia! Bom, para começarmos, há algum significado especial por trás da denominação Command6? O termo é bem instigante...

COMMAND6: Muito obrigado! O nome Command6 surgiu de uma variação da palavra ‘Comando’ e, basicamente, o significado remete ao poder que a palavra tem. A palavra em si tem diversos significados de acordo com o contexto em que é utilizada e também é uma palavra curta e muito usada no cotidiano das pessoas. Em relação ao ‘6’ no final, é uma outra história na qual queremos deixar que as pessoas tirem suas próprias conclusões a respeito.

Whiplash!: Vocês estão na ativa desde 2008, e em menos de três meses já tinham seu repertório montado. Tudo foi muito rápido! Como rolou todo esse processo de composição, e o que acharam do resultado final de “Evolution?”?

Command6: Tudo fluiu de uma maneira muito espontânea e orgânica. Nós já nos conhecíamos há muitos anos e já havíamos tocado juntos em outros projetos também. Simplesmente nos juntamos e criamos as músicas. O fato de sermos amigos há muito tempo com certeza ajudou no processo de composição e ficamos muito satisfeitos com o resultado. A coisa curiosa a respeito disso, é que nem tínhamos ensaiado algumas das músicas antes de entrarmos no estúdio e conforme as músicas iam tomando forma, surpresas apareciam e isso deixava a banda cada vez mais ansiosa.

Whiplash!: Ainda que não apresente uma identidade realmente definida, “Evolution?” é muito satisfatório, e canções como “Before The Storm”, “Jesus Cry” ou “Bleed The Cure” apenas o engrandecem. Então, aquela maldita pergunta que todo artista detesta: Como você definiria sua música?

Command6: Metal! Curto e grosso dessa forma! Nós ouvimos muitas coisas diferentes desde o antigo até o mais recente. Não temos preconceito de conhecer coisas novas ou até mesmo de se inspirar por elas. A música não tem limite desde que você não se feche em um determinado estilo ou rótulo. Música boa é música boa e não damos a mínima para as pessoas radicais que só fazem com que o Metal se feche cada vez mais em um mundo pequeno e sem expressão.

Whiplash!: Wash se mostra totalmente descontraído atrás do microfone. O cara não exagera em nada e convence com folgas. Quais são suas influências, afinal? Pela bandana gigantesca, diria que é o Mike Muir, do Suicidal Tendencies, eheh!

Command6: As influências fazem parte da formação musical de cada pessoa. Dentre as principais influências do Wash, estão figuras como Ripper Owens, James Hetfield, Phill Anselmo, Max Cavalera e Layne Staley. Existe um universo de influências que fazem parte da nossa formação no geral. E sim, claro, Mike Muir também está lá! (rs).

Whiplash!: Existe um conceito por trás da concepção gráfica de “Evolution”? Qual a relação entre as canções e o encarte, com sua diagramação típica de jornais? O resultado ficou excelente!

Command6: Toda a arte do “Evolution?” foi criada por Marcelo Campos, e o conceito veio basicamente de uma idéia dele. Nós mostramos as músicas e o título do álbum e ele trabalhou na idéia toda. O resultado ficou excelente e ficou exatamente do jeito que queríamos. O Marcelo Campos é um cara profissional e talentoso, sem dúvidas vamos trabalhar com ele de novo no futuro.

Whiplash!: O Command6 foi incluso na coletânea da Revista 77 e participou do programa Rota BDG (Bandas de Garagem). Poderia falar mais sobre estas exposições?

Command6: Nós chegamos até a Revista 77 através do Paulo Jr., baixista do Sepultura. Ele é um grande amigo e foi uma honra ter participado da coletânea da revista que contou com a presença do próprio Sepultura, assim como Dr. Sin, entre outros grandes artistas. Em relação ao programa Rota BDG, recebemos o convite através de uma indicação e foi sensacional. Os caras são muito profissionais e a idéia de colocar a banda convidada pra tocar ‘ao vivo’ no programa é sem dúvida a melhor coisa além da entrevista em si – link no Youtube para vídeo “Before The Storm” ao vivo no programa Rota DBG. Vale a pena conhecer o trabalho deles! Nós recentemente tivemos a honra também de sermos entrevistados na rádio Backstage (KISS FM) pelo Vitão Bonesso e ficamos na programação por dois meses seguidos. A resposta tem sido fantástica também!

Whiplash!: “Evolution?” claramente almeja por sonoridades que fujam do convencional em se tratando de Heavy Metal. Como o público – em especial o mais conservador – vem reagindo às suas canções?

Command6: A reação até agora vem sendo muito positiva. É claro que existem algumas pessoas que pararam no tempo e simplesmente abominam bandas novas, principalmente aqui no Brasil e isso é uma coisa muito triste. A nossa música é direcionada para todas as pessoas que curtam Rock’n’Roll e todas as suas vertentes. A música não mente.

Whiplash!: Como vocês, músicos jovens que são, vêem a cena underground do Brasil atualmente?

Command6: Nós vemos a cena hoje como uma bagunça generalizada, onde se falta a união entre as bandas e principalmente a falta de iniciativa dos produtores de shows. Talvez a falta de referência crie essa situação toda e cabe a nós, bandas independentes, mudarmos isso de uma vez. A grande variedade de bandas ‘cover’ tocando todos os finais de semana nos pubs diminui o pouco espaço que já temos e faz com que as pessoas não dêem a mínima para bandas de música própria. Precisamos de uma boa referência e de união para que, só assim, a cena evolua cada vez mais.

Whiplash!: E com toda essa explosão criativa, o que o Command6 promete o que para 2009? Muitas apresentações rolando por aí?

Command6: Nós temos alguns shows marcados em São Paulo e no interior no momento. Nós estamos ensaiando muito para a adaptação da banda com o nosso novo baixista, Johnny Hass, e também já começamos a trabalhar em músicas novas. Ainda tem o segundo semestre do ano e temos muita coisa pra detonar! Estamos trabalhando muito na divulgação do “Evolution?” para que cada vez mais pessoas conheçam o nosso trabalho, e isso é uma coisa muito gratificante para nós.


Whiplash!: Certo pessoal! Agradeço pela entrevista, e espero ouvir falar mais do Command6! O espaço é de vocês para as palavras finais ao leitor...

Command6: Muito obrigado pela oportunidade e sem dúvida, esperamos que cada vez mais pessoas acompanhem o nosso trabalho, porque é muito sincero e de coração. Nós não viemos apenas para ser mais uma banda... Viemos pra detonar! E se você acredita no seu trabalho, não importa o quanto difícil seja o caminho, continue! O Command6 agradece a todos os amigos, irmãos, parceiros e todas as pessoas que acreditam no metal nacional! O Metal do BRASIL!

Contato:
http://www.myspace.com/command6
command6br@gmail.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Command6"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Command6"

Sexo e rock n rollSexo e rock n' roll
Banda grava e vende pornô para bancar despesas

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

Nicko McBrainNicko McBrain
Pedal duplo é pra caras como Aquiles Priester

5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus5000 acessosMMA: os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal5000 acessosRockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus5000 acessosKeith Richards: "Odeio música eletrônica! O mundo digital deixa as pessoas burras!"4277 acessosRandy Rhoads: O Garoto Kiko faz tributo na NAMM 20165000 acessosKiko Loureiro: guitarrista fala sobre suas influências

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online