Rudy Sarzo: "não havia tanta violência nos anos oitenta"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Por Leo Kreator, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A webzine sueca Metalshrine conduziu em dezembro de 2008 uma entrevista com o lendário baixista Rudy Sarzo (BLUE ÖYSTER CULT, DIO, ex-OZZY OSBOURNE, QUIET RIOT) sobre seu livro “Off the Rails: Aboard the Crazy Train in the Blizzard of Ozz”, um registro de primeira mão sobre a amizade de Sarzo dentro e fora da estrada com Randy Rhoads e Ozzy Osbourne.

5000 acessosZakk Wylde: Acompanhar Ozzy em bebedeiras o levou ao alcoolismo5000 acessosRoqueiro poser: 100 regras essenciais para se tornar um

Metalshrine: Há muitas conversas entre você e Randy Rhoads e outros no livro. O quanto disso é realmente verdade?

Sarzo: “Sabe, mesmo se eu fosse escrever em prosa, ainda seriam memórias. Memórias em forma escrita, sejam em prosa ou como diálogo escrito. Uma das coisas que eu realmente quis fazer era colocar o leitor na história. Não contar a história, mas viver a história. É desse jeito que as pessoas falam. Você tem que se lembrar que em 1981, os anos 80 ainda não tinham sido inventados. Você está falando sobre Randy, que ainda vivia em sua casa e a sociedade era muito diferente do que é hoje. Não havia tanta violência, nem tantas gírias".

"Deixe-me dizer desse jeito, nós éramos mais 'Happy Days' do que 'Boyz N The Hood'. Era uma sociedade totalmente diferente, especialmente se você estivesse vivendo na Califórnia. Sabe aqueles primeiros discos do VAN HALEN sobre ir a festas e à praia e azarar as garotas? Era assim. Mais BEACH BOYS do que death metal! [risada] É o mesmo quando você pega um cara que vivia em sua casa com seus 20 anos e o coloca junto com um bando de piratas do rock ‘n’ roll. O Ozzy já tinha viajado o mundo com o BLACK SABBATH e você o coloca nesse meio, ainda há um certo elemento de inocência a que Randy se apegava, para que ele pudesse manter sua própria identidade, e também havia um certo elemento de ‘Eu tenho que ser um pouco mais parecido com esses caras para sobreviver!’"

"Mas mesmo se você analisar o estilo de vida, mais louco que o de qualquer banda dos anos 70, você não pode compará-lo aos caras que andam com armas de fogo hoje em dia. Estou falando sobre o mundo mais hip-hop, mais pesado e mais brutal em que vivemos hoje em dia. É mais duro hoje em dia. Então, se tem uma coisa que eu quero deixar explicado é, se eu vou contar uma história realística sobre como era... as coisas eram bem inocentes comparadas com o que são hoje. Então alguém pode ler e dizer, 'Uau, isso é bem leve', e eu digo, ‘Não, é exatamente como foi!’ Na verdade, poucas pessoas usavam a palavra ‘dude’ em 1981. [risada] Então essa foi uma das coisas que eu queria manter em perspectiva. Você está lendo algo sobre 1981, não sobre hoje”.

Metalshrine: Você teve alguma reação dos Osbournes?

Sarzo: “Eu tive antes do livro ser lançado. Sharon não estava contente com ele de forma alguma. Originalmente, ele iria ser lançado por outra editora. Ela ouviu falar sobre isso e os pressionou a deixar o negócio se o livro fosse lançado. A editora tentou agradá-los e inventaram algum tipo de compromisso e ela recusou. Eles queriam enviar o livro à ela e dizer, ‘ei, isso é o que está no livro,’ mas ela se recusava a assinar o acordo, então o livro foi abandonado e ficou por um ano na prateleira. Então eu decidi publicá-lo por mim mesmo. Eu disse, ‘se você quiser lê-lo, vá à Amazon.com e faça o pedido e é isso!' Eu só queria que a história fosse contada. É só isso! Então a Too Smart entrou na história e eles decidiram ser a editora para relançá-lo, ou na verdade lançá-lo pela primeira vez".

"A ordem dos eventos foi: o livro foi lançado como edição para a Amazon.com, então ele foi lançado em japonês pela Burrn! que foi na verdade a primeira publicação do livro. Com a arte e as fotos bonitas, essa se tornou minha medida para como o livro deveria ser, então eu me reuni com a Too Smart, e disse, ‘Vejam, é isso que o Japão fez!’ Estou muito satisfeito com o jeito que o livro foi lançado.”

Leia a entrevista completa (em inglês) no Metalshrine.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Seguir Whiplash.Net

Zakk WyldeZakk Wylde
Acompanhar Ozzy em bebedeiras o levou ao alcoolismo

2359 acessosOzzy: Sharon parte pra baixaria pra defender o que é dela454 acessosGus G.: Guitarrista fala ao Brasil direto da Grécia0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ozzy Osbourne"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Bob Daisley e Lee Kerslake desmentem versão de Banali

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Madman ofereceu cocaína para agente da narcóticos?

Metallica e OzzyMetallica e Ozzy
A curiosa situação em que eles trocaram baixistas

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"0 acessosTodas as matérias sobre "Dio"0 acessosTodas as matérias sobre "Blue Oyster Cult"


Roqueiro poserRoqueiro poser
100 regras essenciais para se tornar um

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Falando abertamente sobre drogas

GuitarristasGuitarristas
Os 10 maiores dos anos 80 segundo a revista Fuzz

5000 acessosLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden5000 acessosMetallica: as 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosDave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre ele5000 acessosSammy Hagar: ego fora de controle ou mentiroso descarado?5000 acessosRush: eles são três; descubra por que parecem mais5000 acessosSlash: O Grunge não incomodou o guitarrista

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 12 de janeiro de 2013
Post de 13 de janeiro de 2013
Post de 22 de outubro de 2014


Sobre Leo Kreator

Leo é estudante de Processamento de Dados na FATEC-SP. Trabalha como programador e dedica uma parte de seu tempo livre tocando bateria na banda de thrash metal paulistana Lanasters (que está atualmente tentando voltar à ativa...). Gosta de ouvir música BOA, mas de preferência metal - dos sub-gêneros NWOBHM, thrash, death ou black.

Mais matérias de Leo Kreator no Whiplash.Net.