Paradise Lost: mixagem foi o segredo do "In Requiem"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Daniel Faria, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Justin Donnelly, do The Metal Forge da Austrália, conduziu uma entrevista com o frontman do PARADISE LOST Nick Holmes, que falou não somente sobre o último álbum da banda, mas teceu um paralelo com os trabalhos anteriores.

333 acessosParadise Lost: confira "The Longest Winter" do novo álbum5000 acessosNot Troo: João Gordo posta foto com James Hetfield na Disney

"Sobre o novo álbum da banda, 'In Requiem'":

"Muitas das decisões importantes em relação a esse álbum foram de nos certificar que mantemos o som do PARADISE LOST da forma como o temos agora, o que temos desenvolvido nos últimos dez ano, mas se certificando que o 'In Requiem' tivesse uma produção que soasse muito mais Metal. Queríamos que as guitarras e a bateria soassem muito alto na mixagem, e eu acho que conseguimos fazer isso desta vez como 'In Requiem'. O mix no novo disco é muito diferente do mix dos últimos álbuns, e eu acho que isso é o que dá ao 'In Requiem' uma certa vantagem em comparação aos anteriores".

"Eu não acho que muita gente sabe que o processo de composição na banda continuou o mesmo como tem sido nos últimos dez anos. Assim que isso for entendido, fica bem óbvio que não é muito o jeito de tocarmos as músicas no 'In Requiem' que fez a diferença, mas mais a forma com a qual o álbum foi produzido e mixado que realmente fez ele soar assim."

Sobre trabalhar com o produtor Rhys Fulber:

"Já fizemos três álbuns com Fulber. A primeira vez que trabalhamos com ele foi no 'Symbol of Life' em 2002, seguido pelo nosso álbum auto-intitulado em 2005. Então, contando com o 'In Requiem', nós agora estamos trabalhando com ele pela terceira vez, e parece que está funcionando. O que gostamos de Fulber é que ele traz esse montre de entusiasmo novo na banda a cada vez. Eu acho que nós somente começamos mesmo a acreditar muito mais no que estávamos fazendo quando começamos a trabalhar com Fulber. No 'In Requiem', ele realmente nos trouxe um ângulo novo e diferente das coisas, e eu acho que ele trabalhou da melhor forma possível. Ele realmente gosta do que faz. Ele está muito entusiasmado sobre o processo de gravação, e se envolveu em todos os aspectos do trabalho de produção. Ele não apenas aparece, aperta um botão e vai embora. Tem um monte de produtores que fazem isso. Ele não está lá só para receber o pagamento e nada mais. Ele está envolvido na coisa toda de verdade. Eu acho que isso é refrescante demais para a banda".

Sobre estar perdido em termos de direção e motivação no final dos anos 90:

"Inicialmente, 'Host' recebeu críticas realmente boas. A EMI trabalhou muito naquele álbum, mas realmente eles não sabiam como promovê-lo, e para quem exatamente eles deveriam tê-lo promovido. Foi um disco complicado para fazer, porque não era um álbum exatamente Metal. Era realmente um pino quadrado para enfiar em um buraco redondo, tanto para a gravadora como para nós. E então teve o 'Believe in Nothing'. Nós nunca estivemos realmente contentes com a produção daquele álbum. Eu acho que as músicas no álbum eram boas, mas eu definitivamente não consideraria o disco entre os cinco melhores. Nós todos estávamos muito confusos por um monte de coisas acontecendo por perto na época, daí a capa! (risos)"

"Eu acho que eram tempos bem difíceis, e tenho comigo que isso ficou refletido no tom triste das músicas. Praticamente todos estávamos tomando medicamentos na época! (risos) Eu estava tomando anti-depressivos tão fortes na época que eu não sabia realmente o que estava acontecendo. O trabalho artístico da capa é um exemplo clássico de onde nossos cérebros estavam na época. Tinha abelhas na minha cabeça! (risos) Eu não tenho idéia nenhuma sobre o que era para a capa representar".

"No nível pessoal, 'Believe in Nothing' representou uma era bem escura da minha vida. Eu não acho que nada positivo sai de algo pra baixo e deprimido como aquilo. Minha vida pessoal estava indo ruim naquela época e eu acho que aquele álbum é um resultado direto daquilo. Eu sei que muita gente adora mesmo aquele trabalho, e eu acho isso legal. Mas para mim, eu acho que o elemento mais decepcionante é a produção, que acho que poderia ter sido mais porrada, e os sentimentos que o álbum conjura. Do 'Host' até o 'Believe in Nothing', nós não sabíamos direito aonde estávamos indo, nós estavamos mesmo em um dilema. Mas eu acho que o 'Symbol of Life' é um álbum muito mais forte do que os que o precederam, e eu acho que é por causa do envolvimento de Fulber nele. Eu acho que ele realmente trouxe idéias novas para a mesa naquele disco, algo que ele continuou a fazer com cada álbum desde então".

A entrevista completa (em inglês) está no Metal Forge.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

333 acessosParadise Lost: confira "The Longest Winter" do novo álbum594 acessosParadise Lost: Ouça snipet de canção do novo álbum1252 acessosParadise Lost: veja a capa do novo álbum, "Medusa"633 acessosParadise Lost: novo álbum e turnê europeia em setembro0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Paradise Lost"

Bandas extremasBandas extremas
10 álbuns que causaram surpresa

CapasCapas
As mais ridículas feitas por artistas dos quadrinhos

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Paradise Lost"

Not TrooNot Troo
João Gordo posta foto com James Hetfield na Disney

NirvanaNirvana
Polícia de Seattle libera novas fotos do corpo de Cobain

Iron MaidenIron Maiden
A foto que teria inspirado Derek Riggs na criação de Eddie?

5000 acessosPostura: 12 coisas que você nunca deve dizer a um músico5000 acessosIron Maiden: a música "Wasting Love" é um Plágio?5000 acessosSlash: guitarrista fala sobre a origem da sua cartola5000 acessosFelipe Andreoli: louvado por homônimo do CQC no programa do Huck5000 acessosSepultura: Eloy mostra a que veio em drum-cam de "Propaganda"5000 acessosPantera: sem guitarras, com pianos, violinos, violoncelos

Sobre Daniel Faria

Nascido em 1977, cresceu em um lar onde rock progressivo dominava as ondas do ar. Aos 12 anos, com a compra de "Paranoid" (Black Sabbath) tudo mudou e o metal gradualmente passou a ser o som predominante em casa. Estudou Computer Science / Applied Science pela Concordia University (Montreal, Québec, Canada) e hoje vive em um vilarejo rural em Simcoe County, centro-sul de Ontario, Canada.

Mais matérias de Daniel Faria no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online