Hetfield: "St. Anger não funcionou muito bem"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por César Enéas Guerreiro, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

A revista inglesa Kerrang! entrevistou recentemente o frontman do METALLICA, James Hetfield, que falou sobre o novo disco e comentou sobre seu antecessor, o "St. Anger".

4288 acessosMetallica: Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington5000 acessosAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus

Kerrang!: Vocês estão trabalhando [no novo álbum do METALLICA] com Rick Rubin, que tem a reputação de ser um produtor “ausente”...

James: “É, eu o encontrei uma vez, quando esbarrei com ele num corredor! [Risos] Não, já conhecíamos a reputação dele quando assinamos o contrato. No ‘St. Anger’, [o colaborador de longa data do METALLICA] Bob Rock fez tudo — ele foi o produtor, engenheiro, baixista, babá, paizão. E Rick é exatamente o oposto; ele não é de paparicar você. Quando nos encontramos, sua primeira declaração foi: ‘Eu quero que vocês me impressionem, quero que vocês sintam que estão começando de novo’. Ele realmente quer que tenhamos a mesma mentalidade da época do ‘Master of Puppets’. É impossível recriar o que fomos 20 anos atrás, isso é besteira, mas tínhamos que conseguir aquela garra de volta”.

Kerrang!: E ele já está impressionado?

James: “Rubin é muito bom em sentir as músicas e ele te diz na hora se ele não gosta de alguma coisa. Nós começamos com 20 músicas, mas reduzimos para 14 desde que ele chegou. Ele não chega a dizer ‘Isso é uma bosta’, mas ele dá sugestões e eu estou definitivamente aberto a isso. No caso do ‘St. Anger’, estávamos tão abertos que perdemos o foco. Desta vez há muito ‘Lamento, isso não é o suficiente’. Estamos buscando a excelência”.

Kerrang!: No ‘St Anger’, a democracia que vocês praticaram no estúdio acabou comprometendo a qualidade do álbum?

James: “Com certeza. Aquilo não foi realista. Passamos da fase de pular no pescoço um do outro, onde nos tratávamos mutuamente com sarcasmo e fúria, além de não aceitar o que o outro dizia, e chegamos a um ponto onde estávamos aceitando qualquer idéia estúpida só pra não magoar alguém. E isso também não funcionou!”.

Kerrang!: Parece estranho você reservar um tempo para fazer turnê quando você tem trabalho no estúdio...

James: “Bem, esperamos que isso nos inspire a levar o trabalho a um nível mais alto. Você ouve uma música nova e pensa ‘Estávamos lá ouvindo 60.000 pessoas gritando o que elas adoram no METALLICA e eu não acho que elas vão gritar quando ouvirem isto!’. Além disso, este lugar às vezes fica um pouco claustrofóbico – você pode ficar preso aqui sem saber se ainda há pessoas lá fora”.

Kerrang!: Vocês já começaram a trabalhar nas letras?

James: “Eu já tenho algumas frases e alguns vocais para pelo menos perceber como a música vai ficar. Não penso mais coisas do tipo ‘Vamos agradar a todos na banda’. Agora penso ‘É aqui que a minha mente está’. Acho que as pessoas vão se identificar com isso”.

Kerrang!: Vocês acham que o tempo está acabando para o METALLICA e que vocês precisam lançar mais um álbum marcante?

James: “Bem, não temos falta de idéias e o que vou fazer? Eu componho músicas, toco músicas e gosto de fazer isso. Sei que estou ficando velho, não faz sentido esconder esse fato, e podemos ser obrigados a fazer menos turnês mas, em relação aos álbuns, queremos simplesmente fazer o melhor, isso é o que sempre quisemos fazer. O que quero dizer é que pensamos que ‘St. Anger’ seria surpreendente, mas acabou se tornando mais um manifesto do que a música do METALLICA que gostamos de tocar ao vivo. Aquilo foi mais um ato de purificação, de tirar toda aquela droga de mim, além de ser uma espécie de estopim para o próximo capítulo do METALLICA’”.

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MetallicaMetallica
Lars Ulrich lamenta a morte de Chester Bennington

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Metallica"

Metallica e GunsMetallica e Guns
Em 1992, a histórica turnê conjunta

Jess GreenbergJess Greenberg
Um cover hipnotizante de "Enter Sandman"

Dave MustaineDave Mustaine
Os caras do Metallica estavam certos quando me demitiram

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"

ACDCACDC
A história do nome e a idéia do uniforme de Angus

MMAMMA
Os lutadores que curtem Rock e Heavy Metal

Blasfêmias?Blasfêmias?
Rockstars que atacaram a igreja, Jesus Cristo e Deus

5000 acessosPink Floyd: dupla sertaneja desvirtua clássico da banda5000 acessosPhil Anselmo: mandou um "White Power" mas nega ser racista5000 acessosIron Maiden: versões pesadas para clássicos do Rock5000 acessosFoo Fighters: Hawkins detestou ser filmado em Sonic Highways5000 acessosSlash: cirurgia cardíaca antes do show com Michael Jackson4886 acessosMetal e Literatura: 10 livros e sua trilha sonora

Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre César Enéas Guerreiro

Mais matérias de César Enéas Guerreiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online