Matérias Mais Lidas

Tony Iommi: surpreendendo ao eleger seu Deus do RockTony Iommi: surpreendendo ao eleger seu "Deus do Rock"

Ozzy Osbourne: ex-guitarrista conta porque Ozzy odeia um dos seus álbuns soloOzzy Osbourne: ex-guitarrista conta porque Ozzy odeia um dos seus álbuns solo

Metallica: Sebastian Bach achou os caras muito feios, e por isso comprou o disco na horaMetallica: Sebastian Bach achou os caras muito feios, e por isso comprou o disco na hora

Black Metal: os 10 melhores álbuns de 2021 segundo a revista Metal HammerBlack Metal: os 10 melhores álbuns de 2021 segundo a revista Metal Hammer

Nita Strauss: não tá fácil, roubaram até o tapete do ônibus da turnê e ela quer de voltaNita Strauss: não tá fácil, roubaram até o tapete do ônibus da turnê e ela quer de volta

Ronnie James Dio: Finalmente Bruce Dickinson assumiu que sou um de seus heróisRonnie James Dio: "Finalmente Bruce Dickinson assumiu que sou um de seus heróis"

Zakk Wylde: relembrando experiência assustadora de conhecer o Black SabbathZakk Wylde: relembrando experiência assustadora de conhecer o Black Sabbath

Cradle of Filth: para fúria dos puristas, quem os levou ao black metal foi o MayhemCradle of Filth: para fúria dos puristas, quem os levou ao black metal foi o Mayhem

Mamonas Assassinas: a história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloideMamonas Assassinas: a história das fotos dos músicos mortos, feitas para tabloide

Rolling Stone: Iron Maiden e Foo Fighters na lista de melhores álbuns de 2021Rolling Stone: Iron Maiden e Foo Fighters na lista de melhores álbuns de 2021

AC/DC: Príncipe da Inglaterra elege música preferida para compromissos reaisAC/DC: Príncipe da Inglaterra elege música preferida para compromissos reais

Freddie Mercury: assistente pessoal explica por que ele nunca assumiu sua sexualidadeFreddie Mercury: assistente pessoal explica por que ele nunca assumiu sua sexualidade

Led Zeppelin: Jimmy Page e Robert Plant lamentam morte de Richard ColeLed Zeppelin: Jimmy Page e Robert Plant lamentam morte de Richard Cole

Rick Bonadio: o que ele pensa sobre cancelamento causado por criticar funk no GrammyRick Bonadio: o que ele pensa sobre cancelamento causado por criticar funk no Grammy

Volbeat: Michael Poulsen rasga elogios ao lendário Chuck Schuldiner, líder do DeathVolbeat: Michael Poulsen rasga elogios ao lendário Chuck Schuldiner, líder do Death


WhatsApp

W.A.S.P.: Blackie Lawless comenta a política externa americana

Por César Enéas Guerreiro
Fonte: Blabbermouth
Em 01/05/07

Vassil Varbanov, do site búlgaro Tangra Mega Rock, entrevistou recentemente o líder do W.A.S.P., Blackie Lawless.

Tangra Mega Rock: Todos os músicos norte-americanos com os quais conversamos recentemente dizem que o governo norte-americano está numa situação de merda, principalmente com a guerra no Iraque, a tão falada "guerra contra o terrorismo"...

Blackie: "Veja o que aconteceu nos anos 70. A música daquela época criou uma consciência nas pessoas de que elas devem começar a fazer as mudanças e essa consciência parou a guerra do Vietnã".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tangra Mega Rock: É uma questão de opinião pública ou isso está profundamente arraigado nos corações das pessoas?

Blackie: "As duas coisas. Como Abraham Lincoln já disse sobre os EUA, somos um governo do povo, feito pelo povo e para o povo, e ainda acreditamos nisso. Às vezes temos alguém – como o presidente atual ou Richard Nixon – que chega e tenta mudar isso, mas nosso sistema funciona segundo o que se chama de ‘Sistema de Freios e Contrapesos’. O que quero dizer com isso é que o presidente não pode fazer nada sem a aprovação do Congresso e vice-versa. Até mesmo Thomas Jefferson disse que, devido à maneira pela qual o nosso sistema foi construído, todas as mudanças acontecem lentamente. Em outras palavras, você vai se frustrar de vez em quando, mas assim evitamos nos transformar em um estado fascista".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Tangra Mega Rock: Você mencionou os anos 70 há alguns minutos. Naquela época havia pessoas que não aceitavam que se criticasse o governo. Você espera ter problemas devido às suas opiniões contidas no álbum "Dominator"... ou você já se acostumou a isso?

Blackie: "Eu já tive meus problemas. Para ser honesto, você não pensa sobre o assunto sob esse ponto de vista quando tenta fazer algo motivado pela paixão. Antes de tudo você precisa fazer o que acha certo e depois, se algo acontecer, simplesmente aconteceu. Temos uma situação diferente agora. Nos anos 70 tínhamos a convocação para o serviço militar e você sabia que, se tivesse 17 anos, um ano mais tarde você seria convocável e poderia ir para o Vietnã. Agora não temos mais a convocação – temos um exército profissional – então temos esse tipo de atitude desanimada das pessoas, como ‘Isso não vai acontecer comigo, então foda-se, não me importo!’. Mas, ao mesmo tempo, pessoas estão morrendo porque os EUA estão envolvidos numa guerra ridícula no momento, e isso não deveria estar acontecendo. Os EUA não deveriam estar lá. Depois do 11 de Setembro eu estava furioso e, sim, eu queria que eles fossem caçados como animais e executados, e ainda quero isso. Entretanto, isso não tem nada a ver com o Iraque. Como eu disse, há muita gente furiosa nos EUA neste momento, mas há uma diferença entre o momento atual e os anos 70. Naquela época aqueles garotos colocavam fogo nas universidades, porque eles sabiam que seriam os próximos. Essa atitude não existe hoje, porque eles sabem que não serão os próximos. Eu gostaria de ver os norte-americanos e o resto do mundo levantarem a bunda da cadeira e começarem a fazer mais pressão em Washington para parar isso".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tangra Mega Rock: O que vai acontecer, na sua opinião? Você acha que haverá uma guerra no Irã em breve?

Blackie: "Não sei, precisaríamos de uma bola de cristal para saber isso... Eu me lembro de ter dito às pessoas há dois anos atrás que a guerra no Iraque não era motivada pelo petróleo, como todo mundo pensava, mas por algo muito mais sério. Nos EUA usamos a expressão ‘abrir um negócio’ quando começamos nosso próprio empreendimento e o que está acontecendo no Oriente Médio é que os EUA estão abrindo muitos negócios por lá. Há corporações mudando suas sedes para Dubai [Emirados Árabes] e você sabe por quê? Porque é lá que elas podem fazer os melhores negócios. Lá elas têm mais clientes para vender suas armas – o que é melhor do que ir diretamente aos seus clientes? A história nos mostra que, se você domina um povo economicamente, você pode dominá-lo socialmente e politicamente, sem disparar tiro algum. Isso é o que está acontecendo agora – eles estão abrindo negócios no Oriente Médio".

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Tangra Mega Rock: Há alguma luz no fim do túnel, na sua opinião?

Blackie: "Eu não acho que a minha opinião seja tão importante. O que é melhor para o mundo é mais importante, o que é a coisa certa a fazer. Muitas pessoas no mundo, a maior parte, são boas, mas as grandes corporações acabam dominando suas vidas – seja a montadora de automóveis na qual trabalham ou o governo, qualquer uma – e começam a nos modificar. O PINK FLOYD compôs a música ‘Money’ e era sobre isso que eles estavam falando. Como isso tudo pode acontecer? E quando nós, como pessoas, devemos dar um basta e parar tudo isso? Há também uma idéia que David Bowie colocou na música ‘China Girl’, na qual ele disse que esse processo da China tornar-se um gigante tem muito a ver com a civilização ocidental. E ele disse: ‘Eu vou te dar a televisão, eu vou te dar olhos azuis, eu vou te dar um homem que quer dominar o mundo...’ O que ele quis dizer é que eu vou te dar todas essas coisas de graça, mas vou te influenciar tanto que você vai querer adotar toda a ideologia que eu te der. Se algum povo quiser fazer isso, se a China quiser adotar a teologia ocidental – ótimo, isso seria maravilhoso. Honestamente, eu tive uma vida muito boa por causa disso, mas há pessoas ao redor do mundo que não querem e é por isso que eu escolhi o título ‘Dominator’. A palavra ‘dominação’ significa impor alguma vontade a pessoas que não a desejam".

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Leia a entrevista completa neste link.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

W.A.S.P.: a condição imposta por Blackie Lawless para entrada de Aquiles PriesterW.A.S.P.: a condição imposta por Blackie Lawless para entrada de Aquiles Priester

Bandas de Rock: Três que você precisa ouvir antes de morrerBandas de Rock: Três que você precisa ouvir antes de morrer

WASP: Chris Holmes diz que Lawless matou a banda; é insuportável, é tudo sobre eleWASP: Chris Holmes diz que Lawless matou a banda; "é insuportável, é tudo sobre ele"

W.A.S.P.: turnê de 40 anos em 2022 com Aquiles Priester na bateria

W.A.S.P.: empresário ciumento desligou equipamento do Andreas Kisser no meio do showW.A.S.P.: empresário "ciumento" desligou equipamento do Andreas Kisser no meio do show


Propriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com um dono sóPropriedade privada: 5 bandas de hard rock e metal com "um dono só"

W.A.S.P.: Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In BlackW.A.S.P.: Blackie Lawless não é profissional, diz músico do Beast In Black

Mad Max: inspirando W.A.S.P., Violator, Biohazard e outrosMad Max: inspirando W.A.S.P., Violator, Biohazard e outros


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista


Sobre César Enéas Guerreiro

Nascido em 1970, formado em Letras pela USP e tradutor. Começou a gostar de metal em 1983, quando o KISS veio pela primeira vez ao Brasil. Depois vieram Iron, Scorpions, Twisted Sister... Sua paixão é a música extrema, principalmente a do Slayer e do inesquecível Death. Se encheu de orgulho quando ouviu o filho cantarolar "Smoke on the water, fire in the sky...".

Mais informações sobre

Mais matérias de César Enéas Guerreiro.