Perry comenta tour do Aerosmith com Motley Crue

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Rangel, Fonte: Mercury News
Enviar correções  |  Ver Acessos

Shay Quillen do The Mercury News recentemente entrevistou o guitarrista do AEROSMITH, Joe Perry. Alguns trechos da conversa seguem abaixo:

Loudwire: as 10 melhores músicas do NirvanaGuitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rock

P: Como está o baixista Tom Hamilton? (Tom está se recuperando de um câncer na garganta.)

Perry: Ele está definitivamente melhorando cada vez mais. Parece até que poderia estar de volta para as últimas duas semanas da turnê, então nós estamos torcendo para isto. Ele esta bem para tocar; só não está bem para viajar.

P: Ele se juntou à banda no mês passado para tocar "Sweet Emotion" em Boston. Como foi isso?

Perry: Foi demais. A banda é muito maior do que apenas cinco indivíduos, e nós temos conseguido passar por muita coisa. Nesse caso, foi algo que estava fora do nosso controle. Quase não conta que ele não está conosco, pois ele está aqui em espírito. Ele ainda está aqui, e fisicamente estará em breve.

P: Como está sendo trabalhar com David Hull?

Perry: Ele está indo bem... Ele possui um ótimo senso de como estamos soando e porque estamos soando daquele jeito, então ele se encaixa nisso tudo.

P: Você tocou com Chuck Berry no show de comemoração dos seus 80 anos em St. Louis. Como foi?

Perry: Foi incrível. Eu me senti com apenas 17 anos. Cara, quando ele pega a guitarra, é como se fosse uma parte de mim. Ele está incrível. Parece que tem 60 anos. Ele fez o "duck walk". Eu não conseguia acreditar que estava no palco tocando com ele.

P: Vamos falar sobre tocar com o MOTLEY CRUE. Você conhecia os caras antes desta turnê?

Perry: Eu lembro de vê-los quando eu estava com o PROJECT. Eu fui vê-los tocar num dos seus primeiros shows como headliners. Eu conversei com Nikki Sixx naquela época. Depois disso, quando estávamos em Vancouver trabalhando no álbum "Pump", eles estavam fazendo o "Dr. Feelgood". Todos nós os conhecemos bastante. Sério, eles são verdadeiros amigos. Sempre é divertido quando eles estão por perto.

Eles definitivamente possuem a sua própria festa acontecendo. Eles deixam todos os seus trailers em volta dos clubes de strippers.

P: Seu contrato com a Sony está chegando ao fim. Qual o próximo passo para o AEROSMITH?

Perry: Não tenho certeza. Obviamente, nós gostaríamos de continuar com a Sony, mas os negócios estão mudando rapidamente.... Você escuta novas bandas em comerciais, em programas de esporte, ou você vai na Internet, entra em diferente sites e escuta música. Existem diversas maneiras de escutar música hoje em dia, e eu acho que as gravadoras foram passadas para trás, foram deixadas na poeira.

P: O AEROSMITH é sempre citado como a maior banda de rock 'n' roll dos Estados Unidos. Vocês se sentem confortáveis com esse título?

Perry: Eu não sei. Eu acho que existem muitas bandas boas por aí. De vez em quando, ao ver uma banda tocar, e eles estão tendo uma grande noite e o público está com eles, eu acho que eles são a maior banda daquela noite. É divertido escutar, mas eu não sei se compraria aquilo.

Leia a entrevista completa no link abaixo.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Aerosmith"Todas as matérias sobre "Motley Crue"


O amor: 10 músicas para roqueiros apaixonadosO amor
10 músicas para roqueiros apaixonados

Hard Rock: os melhores álbuns de 1970 até 2016Hard Rock
Os melhores álbuns de 1970 até 2016


Loudwire: as 10 melhores músicas do NirvanaLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockGuitar World
Os 100 melhores guitarristas de hard rock


Sobre Vitor Rangel

Um carioca apaixonado pela boa música que no momento está cursando o 5º período de Publicidade na PUC-Rio. Teve seu primeiro contato com o rock ainda na infância, quando sua irmã colocava os discos de Iron Maiden e Pantera no toca-fitas de sua casa. Nos últimos anos, tem se dedicado inteiramente à música e à guitarra. Sua banda favorita é Metallica e também é fã incondicional de Zakk Wylde, Steve Vai e John Petrucci. Escuta de tudo um pouco, desde Madonna até Sepultura. Espera que um dia o Metallica ainda venha fazer um show no Brasil e não tem vergonha em dizer que chorou no show do Black Sabbath, em 2004, no Ozzfest.

Mais matérias de Vitor Rangel no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336