Ynis Vitrin: Heavy Metal que consegue fugir dos clichês

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Agregando diversos elementos da música pesada, o Heavy Metal do Ynis Vitrin consegue fugir dos clichês e dos estilos que estão em alta no momento, soando pesado, requintado e dando grande ênfase à vazão de sentimentos de seus músicos. "A Dark Land" é uma obra de Heavy Metal tão bonita que o Whiplash achou interessante conhecer melhor esta banda iniciante e tão madura em termos de composições.

Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperAerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vindo de Caxias do Sul (RS), o Ynis Vitrin está na ativa desde 1999 e conta com Benhur Vieira Lima (voz e baixo), Rondinel de Oliveira e Jocemar Maciel (guitarras), Antonio Socol (teclados) e Nelcidor Dall'Agnol (bateria). Neste ano lançaram um CD-Demo espetacular chamado "A Dark Land", que conseguiu uma aceitação tão boa no underground que a banda resolveu soltar uma segunda prensagem com novas canções.

Whiplash: Para iniciarmos, gostaria de dizer que a demo "A Dark Land" me deixou bastante impressionado, em especial pelo talento que vocês têm em transmitir boas emoções ao ouvinte. Particularmente, senti em seu Heavy Metal doses de uma saudável melancolia, porém também fornece esperança. É claro que estas sensações são um tanto quanto pessoais, mas o que vocês, como artistas, querem passar com sua música?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ynis Vitrin: Realmente existem doses de melancolia e por vezes nossa música soa bastante introspectiva, mas existem muitas outras emoções presentes nas músicas que compõem o "A Dark Land". Como as músicas foram ganhando vida ao longo de dois longos anos, muitos acontecimentos marcaram cada uma das composições. Talvez por isso as pessoas se identifiquem com as músicas, já que elas retratam a maneira como somos afetados por tudo ao nosso redor.

O mais importante em uma composição é fazer com que as pessoas parem e se proponham a escutar sua obra por algum sentimento que este trabalho despertou nelas. Ninguém vai se propor a apreciar uma obra pela qual não se identifiquem de alguma forma, é uma questão de empatia com o público, e claro uma grande oportunidade do artista singularizar sua obra e expressar suas emoções.

Whiplash: Quem escreveu as letras? E quais os principais temas abordados?

Ynis Vitrin: As letras são escritas pelo Antonio e o Benhur. Os temas abordados têm uma forte ligação com passagens e perspectivas de nossas vidas. Os temas são diferentes em cada canção, pois são feitas em épocas diferentes e amarradas a emoções daquele momento da vida. Gosto de escrever letras que falam de solidão, pois mesmo inseridos em contextos sociais somos seres solitários em nós mesmos, pois nossas crenças e ponto de vista nos distanciam até mesmo de pessoas que estão próximas. Sou amarrado a um único elemento na hora de escrever, minhas emoções.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Whiplash: "A Dark Land", por enquanto, é o melhor CD-demo que passou pelas minhas mãos em 2005. Vocês poderiam dizer um pouco mais sobre o processo de composição do mesmo?

Ynis Vitrin: Aconteceu naturalmente. Algumas composições estavam encaminhadas e o Antonio sugeriu compor uma música que desse nome ao cd, no caso "A Dark Land". Na época a banda estava buscando uma sonoridade própria. Durante as gravações da primeira parte da demo no Brave Metal Studio (http://www.bravemetal.com) a banda continuou compondo novas músicas. Dois anos se passaram e neste período montamos nossa home studio, o que nos permitiu registrar nosso amadurecimento musical. Esta evolução resultou no acréscimo de cinco músicas a mais na demo que inicialmente teria somente seis faixas.

Whiplash: A canção que mais apreciei foi esta que você mencionou, a faixa-título "A Dark Land". A maneira como encaixaram a voz de Monique Angeli ficou espetacular. Vocês pretendem continuar utilizando sua voz?

Ynis Vitrin: Sim. Atualmente gravamos mais uma música chamada "Cry" onde utilizamos as vozes líricas da Monique, sempre nos identificamos com refrões com coros de vozes.

Whiplash: O Ynis Vitrin mantém os mesmos membros desde 2000, correto? O estilo e som de sua música sofreram muitas mudanças nestes anos?

Ynis Vitrin: Sim. Desde 2000 a formação é a mesma e isso influenciou de forma definitiva na criação de um consenso musical que só aconteceu nos últimos dois anos. A banda aboliu a velocidade do metal melódico e se voltou para canções mais cadenciadas com uma personalização diferenciada. Isto pode ser facilmente notado em músicas como "Shattered Days" e "Awake" e principalmente no material composto e gravado depois do lançamento da demo "A Dark Land".

Whiplash: Pelo jeito a aceitação de "A Dark Land" foi muito boa, tanto que vocês estão soltando uma segunda tiragem com algumas modificações. Vocês poderiam adiantar algo sobre este novo material?

Ynis Vitrin: Conforme foi dito ao longo da entrevista, a banda mudou seu estilo de composição e concluímos que o público deveria saber disso, então substituímos quatro faixas da primeira tiragem por: "Remais of Life", "Cry", "End of Line" e "Wiser ". Estas músicas estão totalmente enquadradas na proposta atual da banda.

Whiplash: Existe a possibilidade de se definir o Ynis Vitrin dentro de um estilo? E como vocês enxergam o iniciante Ynis Vitrin no cenário underground, atualmente com algumas bandas realmente excelentes?

Ynis Vitrin: A Ynis Vitrin não tem a preocupação de se encaixar em nomenclaturas, nossa preocupação é se diferenciar com elementos novos e por que não dizer até mesmo experimentais, que criem novos climas e possibilidades para compor. Gostamos de buscar inspirações fora do metal, buscando elementos em outros estilos que muitas vezes sofrem preconceitos por algumas bandas de Metal, cremos que tudo que for de bom gosto deve ser apreciado.

Quanto às outras bandas, a evolução é um fato. O nível das bandas de Metal no cenário nacional evoluiu muito, principalmente no quesito técnica, e embora o espaço para exposição deste material seja muito restrito em nosso país, muitas provam a cada dia a capacidade de figurar entre os grandes ícones do estilo.

Whiplash: O Rio Grande do Sul vem apresentando nomes muitos bons à cena underground. A cidade de Caxias do Sul, especificamente, possui alguma tradição de bom público de rock e metal?

Ynis Vitrin: Caxias tem tradição de bons músicos. Em relação ao público, não é muito grande não. Existem dois bares que realizam shows de metal aos sábados e domingos, mas a média de público não passa de 250 pessoas.

Whiplash: Em termos de divulgação e apresentações, como está sua situação?

Ynis Vitrin: A banda cuida da divulgação do trabalho com muita seriedade dentro e fora do país. Temos um assessor de imprensa e divulgação que cuida disso e com muito esmero (Emanuel Seagal - emanuelseagal@gmail.com). Claro que não é no volume que gostaríamos, pois temos algumas limitações no momento atual, desde o aspecto financeiro até falta de informações adicionais, mas confesso estarmos satisfeitos dentro do que nossas possibilidades permitem. Quanto a apresentações não temos tocado muito em 2005 até mesmo por que nos direcionamos a compor e gravar um novo material para ser enviado a gravadoras. Esperamos que agora com esta maior exposição na mídia nacional especializada, a nossa agenda fique lotada (risos), pois adoramos tocar ao vivo.

Whiplash: Pô, também espero! E Uma curiosidade minha: vocês todos são apreciadores de música progressiva e são da cidade de Caxias do Sul, cidade de um dos maiores nomes do rock progressivo do Brasil, o Apocalypse. Este pessoal chegou a conhecer a música que vocês fazem? Se sim, qual a opinião da galera do Apocalypse?

Ynis Vitrin: Não temos contato com o pessoal do Apocalypse, mas conhecemos o trabalho deles, que realmente possui muita qualidade e merece todo o nosso respeito, por tudo o que representam para o cenário, mas não podemos afirmar se eles conhecem o nosso trabalho.

Whiplash: Ok, moçada. Agradeço-lhes pelo seu tempo e espero que vocês continuem com este nível de inspiração, pois o resto é conseqüência. Fiquem à vontade para algum comentário extra.

Ynis Vitrin: Nós agradecemos a você Ben Ami e ao Whiplash pelo espaço cedido não só para a Ynis Vitrin, mas para todas as bandas nacionais, isto é fundamental, pois é uma forma de mostrar o resultado de muito esforço e amor pela música ao grande público. Também queremos agradecer aos internautas que nos escrevem mandando elogios e mensagens de incentivo ao nosso trabalho.

Fiquem de olho no www.ynisvitrin.com pois em breve estaremos disponibilizando algumas versões de músicas que gostamos com a "cara" da Ynis Vitrin.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Ynis Vitrin"


Rita Lee: Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice CooperRita Lee
Ela participou de suruba com o Yes e furtou a cobra de Alice Cooper

Aerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhosAerosmith
Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280