Machine Men: Garotos que como nós amavam o Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Anthony (vocal), J-V e Jani (guitarras), Eero (baixo) e Jarno (bateria) eram garotos que como nós amavam o Iron Maiden. Em 1998, resolveram transformar seu amor em música. Deste sonho surgiu o Machine Men, que já conta com dois CDs e um MCD no seu currículo. A influência de Iron Maiden é intensa, tanto no nome da banda como no direcionamento musical. Conversamos com J-V via telefone, que se mostra meio tímido em suas primeiras entrevistas, mas falou um pouco sobre esta promissora banda finlandesa.

Slipknot: 12 histórias que retratam o quão insana a banda éAC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de Angus

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Whiplash! - O Machine Men é uma banda relativamente nova no cenário. Fale sobre os primeiros anos e a escolha do nome...

J-V - Em 1998 nós começamos a tocar algumas músicas do Iron Maiden, apenas por diversão. Algum tempo depois resolvemos tentar trabalhar em nosso material próprio. O nome é uma música de Bruce Dickinson, gravada no CD "Chemical Wedding", do qual gostamos muito.

Whiplash! - O MCD "Machine Men" e o primeiro CD foram lançados pela Dynamic Records. Como foi a resposta a estes lançamentos e os primeiros shows?

J-V - Éramos muito jovens, logo tudo era novidade para nós. Tivemos uma boa experiência no estúdio e procuramos aprender o máximo que podíamos. Fizemos alguns shows muito legais. Adoramos tocar ao vivo, essa sensação é indescritível.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash! - Vocês são uma banda nova, formada por músicos novos. Já foram comparados ao Edguy, que viveu uma história semelhante?

J-V - Com certeza! Nossa história tem muito a ver com a deles. Mas isso só nos estimulou a dar nossos ossos para que os CDs saiam cada vez melhores, com um resultado fantástico para nós. Estamos sempre aprendendo, e procuramos absorver o máximo de idéias que podemos.

Whiplash! - "Falling" reforça esta influência de Iron Maiden. Você chegou a assisti-los nesta turnê de verão que fizeram pela Europa?

J-V - Infelizmente não. Mas não perderei a chance se isso ocorrer na próxima turnê deles (risos). Quanto à influência, concordo plenamente.

Whiplash! - "Dream And Religion" também mostra que a banda é influenciada pelo Queensryche da era "Operation: Mindcrime". Como você analisa esta influência?

J-V - Concordo. Nosso baterista Jarno adora Queensryche, e ele escreve algumas músicas. Somos livres e procuramos manter a mente aberta para tudo que pudermos compor.

Whiplash! - Eu falei com Nino Laurenne (Thunderstone) algumas semanas atrás e ele se mostrou bem incomodado com as comparações que sua banda sofre, chegando a ser chamada de "o novo Stratovarius". Como você se sente com as comparações que o Machine Men sofre?

J-V - Acho normal. Somos muito comparados ao Iron Maiden, o que é ótimo. Estamos em nosso segundo CD, então ainda estamos crescendo musicalmente, e é natural sermos comparados às bandas mais antigas. Ainda estamos definindo nossa música. Quanto ao Thunderstone, não acho que eles sejam tão parecidos com o Stratovarius.

Whiplash! - A voz de Anthony tem algumas similaridades com a de Tobias Sammet (Edguy). Você concorda com tal fato?

J-V - Sim... e acho legal para ele. Ele gosta de Edguy, mas não considero o Tobias como uma influência para ele. Acho que ele é mais influenciado por Bruce Dickinson.

Whiplash! - A capa de "Elegies" é fantástica, um grande trabalho de Christian Rund. Ele chegou a trabalhar com a banda ou fez tudo sozinho?

J-V - Bom, enviamos alguns emails para ele, e nossa gravadora cuidou de tudo. Demos algumas idéias, e ele foi trabalhando em cima delas. Basicamente foi sua criatividade somada a nossa contribuição.


Whiplash! - A banda não mostra nenhuma vontade de falar sobre histórias fantasiosas, dragões ou guerreiros. Quais são suas inspirações para as letras?

J-V - Todos nós compomos e definitivamente você está certo. Odiamos esses lances de compor verdadeiras histórias medievais, preferimos falar sobre o que sentimos, sobre o que acontece a nossa volta, mas fugindo da ficção.

Whiplash! - A banda fez alguns shows em setembro, como parte de sua turnê européia. Como foram as reações do público e crítica as novas músicas?

J-V - As melhores possíveis. As revistas falaram muito bem de nossos shows, e o público curtiu muito. Estou cada vez mais ansioso para continuar tocando.

Whiplash! - Vocês têm um contrato com a Century Media para distribuição mundial. Há planos para turnês fora da Europa em 2006? Ou planos para festivais de verão?

J-V - Certamente. Existem convites, e nosso "management" está trabalhando intensamente para que tudo dê certo. Espero sinceramente ter um ano agitado em 2006.

Whiplash! - J-V, obrigado pela entrevista. Este espaço é seu para deixar uma mensagem aos fãs brasileiros que acessam o Whiplash! Rocksite.

J-V - Muito obrigado por essa entrevista. Aos fãs, espero que curtam nosso trabalho, para que possamos tocar para vocês o mais rápido possível.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Machine Men"


Slipknot: 12 histórias que retratam o quão insana a banda éSlipknot
12 histórias que retratam o quão insana a banda é

AC/DC: a história do nome e a idéia do uniforme de AngusAC/DC
A história do nome e a idéia do uniforme de Angus


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline