Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Airbourne 2022

Arquivos em MP3: quem os ouve, não ouve o que foi feito em estúdio

Por Nacho Belgrande
Fonte: Playa Del Nacho
Em 23/02/15

Uma maneira de findar o debate MP3 vs formatos não-comprimidos de áudio seria através da audição dos elementos de uma música que se perdem durante a compressão – e eis aqui um vídeo que mostra exatamente isso.

Artigo original por Rounik Sethi

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A crescente disseminação de media players de ‘alto padrão’ nos últimos meses, como o Pono Player, tem comburido um debate sobre se de fato notamos a diferença entre formatos comprimidos como o MP3 mediante outros como o WAV. Enquanto o MP3 e outros formados de arquivos de áudio comprimidos tornaram o download, armazenamento e compartilhamento mais fáceis – especialmente em aparelhos portáteis, há elementos e, por várias vezes, bandas de frequências que são perdidas durante o processo de compressão?

Enquanto a qualidade de músicas comprimidas ou não-comprimidas poderia ser tópico de uma abordagem puramente subjetiva dependendo da experiência auditiva de cada um, RYAN MAGUIRE, um estudante com PH. D. em Composição Musical e Tecnologia da Computação no Centro de Música Informatizada da Universidade da Virgínia, interessou-se em investigar exatamente quais partes de uma música são excluídas durante o processo de compressão. E ele achou um modo de nos permitir ouvir o que não estamos ouvindo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Neste vídeo fascinante de seu site, Ryan criou um arquivo em áudio de todos os sons que foram descartados uma vez que a faixa "Tom’s Diner" de Suzanne Veja foi digitalmente compressa:

Em uma entrevista com o site difuser.fm, Ryan explica mais sobre tais sons ‘perdidos’: "O que são esses sons perdidos? Eles são sons que o ouvido humano não pode ouvir em seu contexto original graças a limitações perceptuais universais ou eles são simplesmente lixo do encodamento?", ele questiona. "Já é aceito como regra que os arquivos em MP3 criam artefatos audíveis tais como pré-eco, mas como é o som da música com o efeito que esse codec cria? No trabalho apresentado aqui, as técnicas são consideradas e desenvolvidas para recuperar tais sons perdidos, os fantasmas no MP3, e reformular tais sons como arte."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tal como diversos produtores e músicos profissionais provavelmente irão concordar, é tão interessante ouvir o que ficou de fora quanto é transmitido através dela. Mas, a questão persiste: o quanto é que formatos comprimidos severamente afetaram ou arruinaram nossa experiência auditiva, e se a possibilidade de ouvir uma música tal como o produtor o queria é viável quando o formato de áudio do arquivo é apenas um elemento que afeta a qualidade sonora: sim, usuários de iPod e iPhones, estou olhando pra vocês…

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Indústria: ouvir MP3 tendo as tecnologias de 2015 é estupidez

Qualidade de Áudio: 17 provas de que o povão caga e anda pra ela


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande.